Políticos e fraldas devem ser trocados de tempos em tempos. Pelo mesmo motivo (Eça de Queiroz)

By

Os segredos bilionários do PT e o silêncio da “imprensa golpista”

lulaSempre soube que muita sujeira viria à tona depois que Lula deixasse o poder, mas não esperava tanto. No último dia 15 ficamos sabendo de mais uma aventura do PT no exterior envolvendo U$ 6 bilhões (de DÓLARES!) em “segredo de estado” (ver aqui). Oficialmente, trata-se de “empréstimos” a Cuba e a Angola, porém ninguém sabe as condições dos “acordos”, os juros, os prazos e todas as garantias legais comuns a qualquer transação financeira normal e que deveriam ser de conhecimento público, mas não são.

Infelizmente o PT do poder é bem diferente do “guardião da ética e do patrimônio público” da época da oposição e, mais uma vez, recorreu a práticas comuns a regimes autoritários para encobrir mais esta “caridade” com o nosso dinheiro, a exemplo de episódios semelhantes com alguns vizinhos latino-americanos como a Bolívia, Equador, Paraguai e Argentina que também tiraram umas lasquinhas do nosso cada vez mais apertado orçamento.  A prerrogativa de “segredo de estado” garante o sigilo das operações que só poderão ter seus detalhes revelados a partir de 2027, depois que Lula tiver sido sepultado com todas as honras e glórias de “mito”.  Leia mais

By

As maquiagens da dívida pública brasileira

divida_publicaEm 2010 publiquei uma série de dez posts sobre a dívida pública brasileira. Uma das coisas que mais me chamaram a atenção na época foi a NÃO contabilidade de bilhões em títulos públicos em poder do Banco Central (ver o post aqui). Custei a acreditar, pois até então não tinha lido nada sobre o assunto na imprensa. Como uma quantia tão grande poderia passar assim despercebida?

O tempo provou que minhas suspeitas faziam sentido, infelizmente, pois isso significa que nossa dívida é bem maior do que o governo diz que é. Na última semana de julho o governo Brasileiro, através do seu ministro “levantador de PIBs”, Guido Mantega, enviou uma carta ao FMI solicitando a instituição que mude sua metodologia de contabilidade para desconsiderar tais títulos como dívida (ver o link aqui).  Ou seja, o FMI corrobora com o meu pensamento. Segundo os cálculos do FMI, que inclui os títulos em poder do BC que o governo não contabiliza com dívida, a dívida bruta do governo brasileiro hoje equivale a 68% do Produto Interno Bruto (PIB) e não os 58,7%  como quer Guido Mantega. Leia mais

By

Sobre políticos, empresários, imprensa e o metrô de São Paulo

metro_sao_pauloNunca escrevi um post específico sobre um caso de corrupção. A razão é simples: acho uma completa perda de tempo. As pessoas normalmente se alinham a um ou outro partido, discutem infinitamente, xingam-se, odeiam-se e, no final, a conclusão não confessa de cada um é sempre a mesma: não existem inocentes na política. Por isso o lema do nosso blog é sempre o mesmo desde que foi criado: “Políticos e fraldas devem ser trocados de tempos em tempos. Pelo mesmo motivo”.

Mas dessa vez resolvi abrir uma exceção. Primeiro, porque o assunto do momento, as denúncias da Siemens sobre irregularidades nas licitações do metrô de São Paulo, servem para exemplificar alguns dos meus pontos de vistas já explicitados aqui em vários posts. Segundo, porque fui provocado por dois internautas que me mandaram e-mails com ares triunfais, como se tivessem encontrado, no caso das denúncias, a prova cabal de que o PT esteve sempre certo, os tucanos são todos corruptos e por aí vai.

Apesar da exceção, não vou focar no caso do metrô de São Paulo. Como sempre faço, o assunto é apenas o pano de fundo para um artigo mais abrangente, onde procuro refletir e provocar reflexões sobre as raízes dos problemas tratados.

Antes de mais nada, vou repetir o que sempre digo: não boto a mão no fogo por ninguém.  Infelizmente, como muito bem descreveu Hayek, a politica tende a selecionar os piores. Daí porque em todo o mundo os políticos têm quase sempre péssima reputação. Mas, por que isso acontece?

Vamos então começar analisando este primeiro e mais importante dos jogos de poder: os políticos. Hayek em sua obra “O caminho da servidão” enumerou três causas principais para esta tendência:

Leia mais

By

A culpa é da Globo!

globoNo ápice dos protestos, no final de junho, fui surpreendido por uma convocação da minha filha, de dez anos, para participar de um protesto contra a Globo. “Um dia sem Globo” era o mote do protesto organizado pela galerinha do “Face”.

Dupla surpresa para mim. Primeiro, porque na minha casa todos são apolíticos. Segundo, pelo engajamento demonstrado por minha filha que justificava o porquê do protesto: “A Globo só mostra os baderneiros! Queima o filme dos manifestantes!”, justificou.

Neste momento lembrei de uma manchete recente do blog do ex-jornalista Paulo Henrique Amorim, o famoso Conversa Afiada (para mim Conversa “Fiada”, mesmo) , que também metia o pau na Globo: “Jornal Nacional: 40 minutos para os protestos, 1 minuto para Dilma!”.  Bom, na certa ele queria que a Globo, para ser imparcial, cronometrasse 20 minutos de cobertura dos protestos e 20 minutos repetindo a única frase que a Dilma tinha proferido até então: “o Brasil acordou mais forte”. A audiência iria bombar, certamente!!!

Trocando em miúdos, enquanto os revolucionários mirins diziam que a Globo queria enfraquecer o movimento, o porta-voz do PT na esgotosfera, Paulo Henrique Amorim, acusava a Globo de incentivar o movimento. Ou seja, a Globo é pau pra toda obra.

Para quem não conhece PHA (a sigla, como também é conhecido o ex-jornalista), ele é hoje o maior ícone da esgotosfera, uma nova modalidade de “jornalismo” cuja característica mais marcante é o escarnio, a zombaria e, principalmente, incitação ao ódio partidário. Leia mais

By

Lula e a dívida pública (PARTE 5)

divida-publica

Uma guerra de números

No terceiro artigo desta série citamos um dos mais lamentáveis exemplos do descaso do povo brasileiro com as contas do Estado, quando chegamos ao cúmulo do absurdo do Presidente da República em um pronunciamento oficial mentir descaradamente ao afirmar ter pagado a dívida externa, contrariando até mesmo sua própria equipe econômica, que havia divulgado mais um recorde da dívida externa, dois meses antes.

A desinformação sobre este assunto, infelizmente, não é “privilégio” da população. A própria imprensa parece ignorar o assunto, se limitando a divulgar pequenas notas desconexas sobre os relatórios divulgados de forma manipulada pela equipe econômica.

Se hoje alguém pesquisar no Google, por exemplo, a frase “gráfico sobre a evolução da dívida publica”, vai encontrar uma série de links com informações desatualizadas, a maioria referente era FHC. O primeiro link que traz alguma informação um pouco mais atualizada, modéstia à parte, é o nosso blog, já lá pelo final da primeira página. Leia mais

By

Lula e a dívida pública (PARTE 3)

Da insinuação à mentira em cadeia nacional

No post anterior, falamos das insinuações do Governo Lula sobre o suposto pagamento da dívida externa com as reservas cambiais. No último domingo, véspera do 7 de setembro, o Presidente da República foi além das insinuações e afirmou com todas as letras: “Não só pagamos a dívida externa, como acumulamos reservas de 215 bilhões de dólares”.

Bom, o Governo deve ter feito uma mágica para pagar a dívida externa em segredo, pois, dois meses antes, o próprio Governo divulgou mais um aumento da dívida externa que chegou em julho de 2009 ao recorde de US$ 267,482 bilhões – contando com os US$ 71,585 bilhões de empréstimos intercompanhias das multinacionais a suas subsidiárias no país (ver matéria no Valor Econômico).

Vale salientar que hoje a dívida já deve ter sido acrescida de mais alguns bilhões, pois ainda nesta semana o Governo conseguiu mais € 4.3 bilhõe em empréstimos a bancos europeus (Fonte: Blog do Álvaro Dias ) Leia mais

By

Lula e a dívida pública (PARTE 2)

O novo credor internacional

Logo após o “pagamento” da dívida com o FMI o Governo Lula anunciou um novo fato histórico: o Brasil tinha reservas superiores à dívida externa, tornado-se um novo credor internacional. A notícia divulgada de forma sensacionalista por alguns meios de comunicação ganhou ainda mais força na Internet. Os defensores incondicionais de Lula invadiram as seções de comentários dos grandes portais e blogs exaltando o governo que tinha “liquidado a dívida externa”. Nos eternos comícios de Lula o já famoso “nunca na história deste país” era usado e abusado para alfinetar a oposição que nada havia feito em oito anos de governo, a não ser endividar o país.

Abaixo um dos gráficos publicados nos jornais “com dados do Banco Central”, que “provavam” que a dívida externa havia sido paga. Leia mais

By

Lula e a “Mídia Golpista” (PARTE 3)

Terminamos o segundo post desta série com uma pergunta: a quem interessa uma imprensa desmoralizada? A resposta é óbvia: a todos os corruptos do país, especialmente os corruptos políticos.

Neste contexto, o atual Governo presta um grande desserviço a nossa democracia, pois, ao usar sua popularidade para colocar a sociedade contra a imprensa, Lula coloca a faca e o queijo nas mãos dos congressistas para que estes elaborem uma nova lei de imprensa, de acordo com seus interesses.

Um mau prenúncio

O projeto de lei do Dep. Paulo Maluf que limita os poderes do Ministério Público na investigação de políticos é uma mostra do que pode vir a ocorrer num futuro com uma nova lei de imprensa criada por um Congresso em conflito com a mídia. Este mesmo projeto (já aprovado na Câmara e atualmente em tramitação no Senado) foi usado pelo próprio presidente Lula para “alertar” o Ministério Público com uma possível “castração de poderes”, caso o novo procurador geral da república não tivesse cuidado com as “biografias” dos investigados (no caso, Sarney). Leia mais

By

Lula e a “Mídia Golpista” (PARTE 1)

Nos últimos meses a Internet tornou-se um grande campo de batalha ideológica entre os defensores incondicionais de Lula e seus os críticos. Na verdade, este é um processo que vem ocorrendo em menor grau desde o escândalo do Mensalão, mas que arrefeceu após as eleições de 2006. Recentemente a batalha recomeçou devido principalmente a cinco graves erros políticos do Governo Lula.

Erro nº 1: o eterno palanque

O presidente, desde que assumiu o governo, nunca desceu do palanque. Em todas as oportunidades que teve de falar em público, procurou sempre se apoderar de todos os méritos pelo bom momento econômico que vive o país, fazendo comparações descontextualizadas em relação ao governo anterior, apesar de não mudar uma vírgula das políticas “neoliberais” herdadas e, paradoxalmente, tão criticadas quando oposição. Leia mais