Políticos e fraldas devem ser trocados de tempos em tempos. Pelo mesmo motivo (Eça de Queiroz)

By

A revolução cubana valeu mesmo a pena?

vintage-cars-old-havana-cuba-cr-michael-petitMorreu Fidel, um dos meus maiores ídolos da juventude. E por que não é mais? Porque descobri que meus professores de humanas mentiram (e muito) para mim. Acho que todo mundo está cansado de ouvir que Cuba, apesar do indiscutível fracasso econômico, é modelo em educação e saúde, o que provaria que os esquerdistas são mais humanos, mais fraternos, mais fofos. Enfim, que eles têm o monopólio das virtudes.

Vamos supor que isso seja verdade, será que suas propostas são as mais eficazes para reduzir a pobreza?  Vejamos: Em 1958 Cuba tinha a terceira maior renda per capta das Américas, superando metade dos países da Europa (inclusive a Itália) e uma classe média maior que a da Suíça. Havana era um dos maiores destinos turísticos do mundo, rota dos maiores nomes da música da época, rivalizando com Nova York em atrações, possuindo até mais salas de cinema, por exemplo.

Décadas depois, o que é Cuba hoje? Um país em ruínas,onde tudo é racionado, onde engenheiras se prostituem por alguns dólares, onde os carros mais novos são dos anos 50 e onde todo o esplendor da antiga Havana foi transformada em um grande favelão. As estatísticas certamente manipuladas pelos ditadores ainda colocam o país numa posição intermediária no ranking per capta (92ª posição mundial e 25ª das Américas), mas a pergunta que fica é: como Cuba estaria hoje se não tivesse ocorrido a tal revolução?

Na pior das hipóteses, teria triplo da renda per capta atual, como atestam as pesquisas abaixo. Quem sabe o tal “bordel norte-americano” fosse hoje mais um estado do império capitalista, uma espécie de Hawai caribenha. Que tal?

“Ah, mas parte do fracasso econômico de Cuba se deve ao famoso embargo norte-americano”, argumentarão 100% dos esquerdistas. Leia mais

By

Esquerda x direita (parte 3)

vitoria-americana-2A ascensão dos Estados Unidos

As medidas keynesianas do New Deal, implantadas desde 1933, não tiveram resultados tão palpáveis como na Alemanha de Hitler. Tanto que, já nos anos 30, tais medidas começaram a ser contestadas pelos liberais, alguns dos quais acusaram os gastos do governo como o motivo da crise de 1929 ter se estendido por toda a década de 30, passando a ser chamada então de “Grande Depressão”. Ficou célebre o debate entre Keynes e Hayek, do qual este último saiu aparentemente perdedor, levando em conta a projeção mundial que alcançou Keynes e o ostracismo em que Hayek foi relegado nas décadas seguintes.

A recuperação, portanto, só veio a ocorrer a partir da II Guerra mundial quando, mais uma vez, os EUA lucraram com a desgraça da Europa. A localização geográfica ,longe do foco da guerra, evitou que as indústrias norte-americanas fossem destruídas, assim como sua produção agrícola. Como resultado, a produção industrial norte-americana triplicou durante o conflito, chegando a responder por metade de toda a produção mundial em 1946! Leia mais