Políticos e fraldas devem ser trocados de tempos em tempos. Pelo mesmo motivo (Eça de Queiroz)

By

Na desesperança por uma solução coletiva prevalece o salve-se quem puder

paulistaNão é de se estranhar a menor adesão aos protestos neste 12 de abril. E a razão já estava exposta na pesquisa divulgada no dia anterior pelo Data Folha. Embora 63% dos brasileiros apoiem o impeachement da presidanta, apenas 29% acreditam que ele vai ocorrer, apesar de 83% acreditarem que Dilma sabia sim da roubalheira na Petrobras. Simples assim.

E por que tal desesperança?

A razão é paradoxal e frustrante. Os escândalos de tão triviais já não mais escandalizam. Como se não bastasse a Petrobrás, nos últimos dias ficamos sabendo também que os tentáculos do esquema chegou a Caixa Econômica e ao Ministério da Saúde, além do verdadeiro iceberg que é o BNDES, cuja CPI o governo conseguiu barrar.

Ou seja, não faltou fato novo para mobilização. Se ela não ocorreu como se esperava foi justamente pela sobrecarga do assunto. Ninguém mais aguenta ouvir falar de corrupção, de modo que muita gente agora se policia para não repercutir tanto fatos ligados à política para não parecer um chato, monotemático. Posso falar com autoridade no assunto porque sou um dos muitos brasileiros que reduziram o número de postagens nas redes sociais nestes últimos dias para dedicar mais tempo a projetos pessoais, afinal me preocupo sim com o futuro do meu país, mas principalmente da minha família. Isso significa que minha indignação diminuiu? Não. Estou mais revoltado do que nunca, principalmente agora que a militância virtual do PT, inclusive a paga, retornou as redes sociais.

Leia mais

By

A incrível coletânea de erros do PT (parte 2)

eike_batista_05

E como se não bastasse a sequencia de lambanças do PT no campo político, tema do primeiro post desta série (ver aqui), no campo econômico, a lista não é menos extensa.  Vejamos….

 

Os 13 principais erros do PT na economia

E assim como nos erros políticos, na economia a lambanças do PT não são atos isolados e sim conseqüência de uma forma equivocada de ver o mundo que está na ideologia do partido. A lista dos 13 principais erros listados abaixo são apenas generalizações dos erros mais comuns. Poderíamos destrinchar cada um deles em centenas de episódios desastrosos a nossa economia, alguns dos quais só hoje estamos sentido suas consequências. Então vamos em frente.

1 – Aumento do intervencionismo estatal na economia
Não existe na história um único caso de nação que ficou rica pelos caminhos sugeridos pela esquerda, seja via socialismo, comunismo ou pelo aumento gradativo do papel do Estado na economia, a última cartada da esquerda depois do fracasso de todas as demais tentativas. Mesmo os países tidos hoje como modelo para os esquerdistas, estão em crise, percorrendo o caminho inverso ao que defendem por aqui. Ainda assim, eles não se cansam de tentar construir o tal “modelo alternativo” que, invariavelmente, termina em crise econômica e ebulição social. Por aqui não foi diferente. Depois do primeiro mandato de Lula, bem sucedido no campo econômico, continuando as políticas “neoliberais” que tanto criticava quando oposição, o PT resolveu dar uma guinada à esquerda no segundo mandato. E como sempre aconteceu em todas as guinadas deste tipo ao longo da história, no início tudo é festa. Os incentivos do governo a setores específicos da economia geram um crescimento artificialmente acelerado no início. Mas, aos poucos, as distorções começam a aparecer, como tão bem descreve a teoria dos ciclos econômicos da Escola Austríaca, de modo que os ganhos de curto prazo são substituídos por graves conseqüências de longo prazo que roubam o potencial de crescimento do futuro e jogam os países que mergulham em tais experiências na combinação fatídica de estagflação – recessão com inflação, dois fenômenos que deveriam ser contraditórios, mas que o keynesianismo tornou  possível, conforme previu Hayek ainda nos anos 60. E nesta direção, a tendência de aumento do papel do Estado na economia se revela em várias diretrizes que se complementam, criando o leviatã que hoje se vê obrigado a cortar gastos e aumentar ainda mais a carga tributária para fazer frente à inércia de aumento do custo da máquina, promovida nos últimos anos. Este é o principal legado do PT na economia.  Leia mais

By

A incrível coletânea de erros do PT (parte 1)

PTDiante do clamor nacional pelo reconhecimento dos seus erros, Dilma finalmente ensaiou mostrar um pouco de humildade e amenizar um pouco sua fama de autoritária, arrogante e mal humorada. Fazendo um esforço hercúleo para parecer simpática, a presidente admitiu que “talvez” tivesse errado nas dosagens de algumas medidas.

O que a presidente ainda não entendeu é que não basta ela reconhecer seus erros. Para conseguir um mínimo de legitimidade, ela precisa antes se desvencilhar do projeto de perpetuação no poder do PT e, no campo econômico, rever suas equivocadas concepções keynesianas de economia que entram em choque diretamente com o seu principal ministro, o liberal Joaquim Levy, de quem depende o sopro de esperança para que nossa economia não piore ainda mais.

E como ninguém da imprensa se dispôs a elencar a interminável lista de equívocos do PT, aqui estou eu. Um pouco atrasado, eu sei, pois tive duas semanas bem atribuladas, mas o tema é sempre atual, pois o PT não pára de reincidir nos velhos erros e cometer novos.

E para o artigo não ficar muito longo, resolvi dividi-lo em três partes. Neste primeiro artigo vou focar nos erros políticos do PT. No segundo, nos erros econômicos. No terceiro, vou focar nos erros mais específicos do governo Dilma, parte deles ligados ao próprio PT e, claro, a Lula. Então, vamos em frente. Leia mais

By

Para onde caminha o Brasil

dilma perdidaQue o Brasil está a cada dia mais parecido com a Venezuela é um fato.  Há alguns anos, a discussão entre petistas e opositores era se a Venezuela estava trilhando ou não no rumo do autoritarismo. Os fatos provaram que os alertas sobre a escalada autoritária da Venezuela estavam corretos. Hoje a Venezuela é sim uma ditadura plena com direito a “poderes especiais” para o presidente, prisões arbitrárias, torturas e até mortes de opositores.

E o que o Brasil tem a ver com isso?

Tudo. O governo do PT não só apoia o governo venezuelano, como ajuda a financiá-lo.

Muito debate ainda é travado sobre a importância do Foro de São Paulo na coordenação dos movimentos de esquerda da América Latina, mas é fato que os governos de esquerda estão cada dia mais enrolados em crises políticas e econômicas que têm sim tudo a ver com seus projetos políticos. Será coincidência que em todos os países governados pelo eixo bolivariano, suas populações estão divididas e em pé de guerra? Será coincidência o fato de que em todos estes países a imprensa ser perseguida? Será coincidência que em todos estes países a máquina pública ter sido aparelhada para a perpetuação do poder? Será coincidência que em quase todos estes países terem ocorrido mortes misteriosas de opositores? Será coincidência que em todos estes países o aumento do estatismo que está levando suas economias à bancarrota? Leia mais

By

Dois pesos, duas medidas

capa-2397-originalVi agora a pouco a cara de pau do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, em entrevista coletiva, batendo na mesa para afirmar e reafirmar a “falta de provas” contra Dilma. Para embasar sua “convicção”, o ministro, que se comporta mais como advogado do governo do que propriamente como Ministro da Justiça, recorre aos pareceres do procurador Rodrigo Janot e do ministro do STF Teori Zavascki como “provas inequívocas” da inocência de Dilma, simplesmente pelo fato de ambos considerarem insuficientes os indícios contra a presidente.

Mas será que eles estão certos? Quais são as referências à presidente nas delações premiadas?

Vejamos…

1) A primeira foi a reportada pela revista Veja às vésperas das eleições de 2014, segundo a qual o doleiro Youssef teria afirmado em depoimento ao juiz Sérgio Moro que Lula e Dilma sabiam sim do esquema de corrupção da Petrobrás. Na época, o PT conseguiu direito de resposta ao TRE e fez o maior estardalhaço nas redes sociais usando a decisão sobre o direito de resposta como a prova cabal de que a revista teria criado uma peça de ficção, chegando inclusive a usar tal exemplo para justificar seu projeto de “regulação” da mídia, já reprovado duas vezes pelo Congresso, e que voltou a tramitar mais uma vez já nos primeiros dias do segundo governo Dilma. Leia mais

By

O pior cenário está se confirmando

Pancadaria-petista-1-480x291No meu primeiro artigo do ano citei três possíveis cenários para o “novo” governo Dilma, indo do pessimista, passando por um intermediário (esperado pelo próprio ministro da Fazenda, Joaquim Levy), até o otimista sonhado pelos petistas.

Dois meses depois já podemos afirmar, sem sobra de dúvidas, que a coisa “evoluiu” para o pior cenário, apesar dos esforços do Levy em atenuar os efeitos retardados da política econômica equivocada do governo do PT, culminando com o anúncio de novas medidas amargas nesta semana, que contrariam ainda mais o cenário pintando pela presidanta candidata, mas ajudam a atenuar o pessimismo do mercado.

Em quase todas as notícias econômicas divulgadas desde 2013, os números oficiais saíram piores que as previsões. E não por acaso, a expectativa de crescimento para 2015 vem sendo revisada para baixo a cada novo boletim divulgado pelo próprio Banco Central, passando de um leve crescimento no início do ano para uma recessão de 0,42%. Isto sem contar com o risco de duplo apagão e demais fatores que vou listar na sequência. Só para refrescar a memória daqueles que viviam dizendo que éramos excessivamente pessimistas e/ou “torcedores do contra”, a previsão do governo do PT, até o final de 2014, era de um crescimento na casa dos 3%! (ver aqui). Agora já tem gente trabalhando com um cenário de recessão na casa dos 2% caso se agrave um pouco mais a situação dos reservatórios.

E para se configurar a “tempestade perfeita”, que nos levaria ao pior cenário, citei quatro pontos importantes que, se confirmados, se somariam a herança maldita petista, tornando-nos muito mais parecidos com os nossos vizinhos ideológicos mais adiantados no processo esquerdizante: Venezuela e Argentina.

Vejamos… Leia mais

By

União, estados e municípios em crise. De quem é a culpa?

professores-paranaQue o governo federal gasta mais do que arrecada não é novidade nem mesmo para o mais lunático dos militantes petistas. E não por acaso, a presidanta, que passou a campanha presidencial demonizando políticas de austeridade, teve que indicar para o ministério da Fazenda o fatídico Levy Mãos de Tesoura, um “neoliberal” ainda mais convicto que o próprio demônio Armínio Fraga.

Só este fato já deveria servir de aprendizado para os petistas que ainda acham que é possível continuar inflando a economia indefinidamente com políticas artificiais keynesianas que, mesmo que tragam ilusões de recuperação no curto prazo, no longo apenas agravam a crise, exigindo ajustes ainda mais dolorosos. Leia mais

By

No aniversário do PT, mais 13 lições sobre um partido moribundo

aniversario_PTNo meu último artigo enumerei 13 lições sobre o PT extraídas da entrevista de Marta Suplicy ao Estadão (ver aqui).  Duas semanas depois, o evento do aniversário do PT não só confirma algumas teses defendidas no artigo, como vai além, trazendo outros pavorosos exemplos de falta de escrúpulos dos dirigentes do partido, dos quais retiramos mais 13 lições para quem ainda não se convenceu do mal que o partido faz ao Brasil.

Vejamos…

1 – Não importam as provas, o PT vai negar sempre.

A máxima reinante no mundo do crime vale também no PT, o que nos dias atuais chega a ser quase redundante. Em todos os casos de corrupção envolvendo o PT a rotina é o partido colocar sob suspeita as acusações, atribuindo-as a golpes políticos e blá blá blá. Foi assim com José Dirceu, foi assim do José Genuíno, Delúbio Soares e tantos outros que viviam prometendo que iriam provar suas inocências e terminaram atrás das grades.

Agora um novo tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, está novamente envolvido em um novo escândalo orçado em cifras na casa do meio bilhão de reais. E o que o PT faz? Homenageia o sujeito em pleno aniversário do partido.

E aqui uma novidade: a defesa veemente de Lula ao Vaccari. Claro que a proteção de seus corruptos é uma regra do PT. Alguns chegam a ser tratados como heróis ou mártires, como José Dirceu e Genoíno. Mas no caso de Lula, o malandro mó que está acima do partido, nem sempre isso acontece. Ele é o “cara”, cria as próprias regras e não costuma colocar a mão no fogo por qualquer companheiro com a corda no pescoço. Se o escândalo tem potencial para atingi-lo ndalo da história do PT.a regra é “não tenho nada com isso” ou “não sei de nada”. Não por acaso, ele próprio popularizou o termo “aloprado” para descrever seus companheiros flagrados tentando forjar um dossiê contra Serra. Sua imagem é o maior “patrimônio” do partido e seus cupinchas estão dispostos a tudo, até a pagarem sozinhos suas penas para preservarem o chefe, afinal, em suas mentes doentias, melhor estar na cadeia com o chefe no poder do que o contrário, pois nestas horas qualquer regalia na prisão faz toda a diferença.

Portanto, ao contrário do mensalão, quando Lula praticamente relegou seus companheiros a meros bois de piranha para sair do escândalo ileso, dessa vez Lula fez questão de defender publicamente o Vaccari Neto, mesmo este já tendo um histórico de corrupção (ver aqui). O que mudou?

Vejamos. O Vaccari Neto é o mesmo que presidiu o Bancoop, a cooperativa do Banco do Brasil que faliu em 2006 (por causa de desvios para o PT, vale salientar) e deixou na rua da amargura 3.500 mutuários (ver aqui).  No final do ano passado, eis que a OAS (uma das participantes do esquema do Petrolão e uma das maiores beneficiadas por empréstimos do BNDES) que assumiu oito das 32 obras inacabadas do antigo Bancoop, entregou justamente o prédio de luxo na praia do Guarujá onde Lula e Vaccari constam como proprietários e vizinhos, sendo o triplex de Lula (apartamento que ocupa sozinho três andares, incluindo a cobertura com elevador privativo) o mais caro de todos, orçado em R$ 3 milhões. Deu para entender ou é preciso desenhar? Leia mais

By

13 lições sobre o PT confirmadas na entrevista da Marta Suplicy

marta_suplicyJá escrevi vários artigos sobre as canalhices do PT, mas nada como ouvir da boca de uma de suas fundadoras (mais uma a enxergar o óbvio) algumas verdades que o exército de idiotas úteis do partido insiste em negar.

A entrevista não é mais novidade, mas só agora tive um tempinho para escrever. Portanto, para quem ainda não a leu, segue o link do Estadão.

Antes de mais nada, devo esclarecer que o termo “idiota útil” usado aqui não é um xingamento gratuito, e sim o termo usado pela cúpula dos camaradas comunistas do século passado para descrever a militância inocente que abraçava com fervor a ideologia marxista, mas não sabia quase nada sobre as canalhices que aconteciam nos bastidores entre suas lideranças. O século XX terminou, o comunismo ruiu, mas os idiotas úteis continuam mais ativos do que nunca, como veremos a seguir.

Então vamos às lições…

1 – A entrevista confirma tudo o que alguns colunistas falavam sobre os bastidores da campanha, mas que eram sistematicamente negadas pelo partido.

Quando as notícias não lhes interessam, os petistas adoram acusar a imprensa de conspirar, de mentir e fazer tudo para prejudicar o PT. Na prática, o PT sempre usou a imprensa tanto para atacar adversários quanto para se promover. Felizmente o PT ainda não conseguiu controlar toda a imprensa. E a cada novo escândalo repercutido, maior o empenho do partido em aprovar seu antigo projeto de “regulação” da mídia. Não por acaso, a presidente que continua muda e sumida desde as eleições fez uma única aparição recentemente para falar sobre o que? Sobre regulação da mídia. Leia mais

By

Os terroristas islâmicos e o apoio silencioso da esquerda mundial

terroristasAcompanhei a repercussão do ataque terrorista ao Charlie Hebdo em vários veículos de comunicação, da esquerda à direita. Todos, com a única exceção do Reinaldo Azevedo, fazem questão de enfatizar a diferença entre o islamismo e os terroristas islâmicos.

Ok. Radicais existem em qualquer religião e o todo não pode pagar pelos atos de uma minoria. No entanto, me incomoda o fato dos próprios islâmicos não saírem às ruas em seus países para demonstrar a não concordância com os atos terroristas.

Ora, quem cala consente. E é no silêncio da parte não violenta do islã que o radicalismo prospera, inclusive nas nações que os receberam como imigrantes, muitas vezes fugindo do radicalismo de seus próprios compatriotas em suas nações de origem.

Como então surgem terroristas filhos de imigrantes já radicados há anos em democracias ocidentais? Como é possível cidadãos nativos de democracias ocidentais abandonarem tudo, inclusive suas famílias, para lutarem até a morte pelo islamismo? Leia mais

By

Três possíveis cenários para um governo que já começa velho

dilma_posseO segundo governo Dilma começa com a mesma cara do primeiro: desastrado. Um dia após o novo ministro do Planejamento anunciar que pretendia mudar a regra de reajuste do salário mínimo, eis que Dilma reaparece, com a simpatia que lhe é peculiar, cobrando que o ministro volte atrás na afirmação (ver aqui). Ou seja, é um governo que continua na sua linha de dar uma no cravo e outra na ferradura, o que só alimenta as incertezas e o pessimismo do mercado.

Se a Dilma chegou a surpreender positivamente os agentes econômicos na última semana de 2014, permitindo as primeiras medidas impopulares que fizeram a vaca da campanha da Dilma tossir, eis que agora ela coloca seu ministro do Planejamento numa saia justa já no seu primeiro pronunciamento.

Com tal atitude, Dilma pode até ficar bem na fita com seus eleitores mais à esquerda, mas reforça o principal temor do mercado: de que ela continue sendo ela mesma. Os primeiros indícios de que ela não aprendeu nenhuma lição do primeiro mandato apareceram já no seu discurso de posse, com excessos de autoelogios e sem nenhuma autocrítica. E não por acaso, a bolsa despencou 3% no primeiro dia útil do ano.

Indiferente à piora de todos os indicadores econômicos, estagnação dos indicadores sociais e até a piora de alguns como, por exemplo, o aumento de indigentes que cresceu de 10,08 milhões, em 2012, para 10,45 milhões em 2013 (ver aqui) a presidente considera cumprida a meta do seu primeiro mandato de “a erradicação da pobreza extrema”, como se os mais de dez milhões de indigentes não existissem. E olha que os dados do desastroso ano de 2014 nem foram computados nesta última pesquisa do IBGE… Leia mais

By

Sim, eu avisei!

abismo_PTOlá amigos! Ainda não voltei ao blog. Passo aqui apenas para fazer alguns registros de improviso, pois vejo acontecer exatamente o que eu e várias outras pessoas alertamos. Se tivesse um pouco mais de tempo, faria um comparativo ponto a ponto sobre a situação atual e outro diagnóstico que publiquei aqui no final de 2013 (ver aqui). E como previsto, tudo piorou.

Vejamos…

  • Ao contrário do previsto pelo governo (como já se tornou rotina), que previa um PIB de 2,5% para 2014, terminaremos o ano com PIB de no máximo 0,2% – e olha que já tem analista falando que pode ficar abaixo de zero.  Pior, o novo ministro da Fazenda já anunciou que o país não deve esperar crescimento para os dois próximos anos. Ou seja, a população vai continuar crescendo enquanto que a geração de riquezas, na melhor das hipóteses, vai ficar estagnada. Ou seja, ficaremos mais pobres.
  • Depois de anos de superávits sucessivos, terminamos 2014 com o maior déficit da balança comercial desde o início da série histórica, em 1947.
  • Depois de anos de superávits primários, terminamos 2014 com o maior déficit da nossa história.
  • Economia estagnada deveria provocar menos inflação. No entanto, o governo continua na sua ilusão perpétua de estimular o crescimento pelas vias monetárias. O resultado, portanto, é sempre o mesmo: inflação no limite do teto da meta e mais deterioração da economia.
  • A indústria continua caindo…
  • O dólar subindo…
  • O Real caindo…
  • E os juros subindo. Portanto, Dilma vai terminar seu primeiro mandato com uma taxa de juros maior que herdou, assim como a inflação, déficits e todos os demais indicadores econômicos piorando.
  • Os dois únicos que pareciam estar imunes até então (o desemprego e as reservas cambiais) já começam a dar os primeiros sinais de piora. As reservas cambiais, que de 2006 a 2011 foram multiplicadas por 7, há três anos estão estagnadas na casa dos U$ 370 bilhões, chegando inclusive a cair um pouco nos dois últimos meses.  Portanto acabou aquele papinho de que o Brasil é credor internacional, afinal a dívida externa já supera em muito as reservas como veremos a seguir.
  • Pois é. A dívida externa que o Lula disse que havia quitado está maior que nunca. Irrisórios U$ 750 bilhões segundo os critérios do FMI ou U$ 540 bilhões pela contabilidade criativa do governo do PT! Sim, o Brasil é hoje o terceiro do ranking com maior dívida externa, perdendo apenas para a Espanha e os EUA (ver aqui).
  • E a dívida interna? Continua subindo. Segundo a contabilidade antiga, usada até 2007, nossa dívida interna bruta hoje está na casa dos R$ 3,3 TRILHÕES! Pode conferir diretamente no site do BC: http://www.bcb.gov.br/?DIVIDADLSP. Ou seja, se usássemos os mesmos critérios de avaliação para comparar  dívida bruta do governo do PT com o do PSDB pularíamos de 56% em proporção ao PIB no final do governo FHC (parâmetro contaminado pela chamada Crise Lula que elevou o dólar a quase R$ 4, vale salientar) para lastimáveis 75%!
    Mas o governo do PT não gosta de falar de dívida bruta. Prefere falar de dívida líquida, afinal bastar emprestar um valor igual ao da dívida ao mercado e a dívida líquida estará zerada! O raciocínio é que, ao emprestar, o governo passa a ter um valor correspondente a receber no futuro  (mesmo que tais recursos demorem décadas para retornar aos cofres públicos – e se retornarem) e mesmo que o governo continue pagando mais de R$ 200 bilhões de juros ao ano pela dívida bruta que ele insiste em relevar. No reino mágico do PT é como se a dívida não existisse. Não por acaso, a dívida líquida, ao contrário de todos os outros indicadores que só pioram, continua na casa dos 35%. E por que isso acontece? Porque o governo continua repassando bilhões ao BNDES e às estatais falidas. Logo, quanto mais dinheiro o governo empresta, menor a dívida líquida! Simples assim.
    Aliás, este é motivo de uma contenda do governo com o FMI que também contesta a contabilidade da dívida do governo do PT (ver aqui). Pior, o ritmo do crescimento da dívida externa e interna está acelerando na mesma proporção que os déficits externos da balança comercial e das contas do Tesouro. Onde isso vai dar se a rota não for corrigida rapidamente? Pois é, eis a missão impossível do Joaquim Levy.
  • Por fim, chegamos ao último refúgio do governo do PT: o suposto baixo índice de desemprego. Segundo o dado que o governo gosta de divulgar (o que se refere apenas as seis maiores regiões metropolitanas), o desemprego no Brasil hoje estaria na casa dos 4,8%. No entanto, na estatística que abrange todo o país, divulgada pelo próprio IBGE, o número correto de desemprego no Brasil seria 6,8%, o que nos colocaria na posição de sétimo maior índice de desemprego do G-20 (ver aqui). E olha que não estamos nem levando em consideração o fato de que parte deste índice está artificialmente melhorado pelos programas sociais e pela geração “nem nem” (ver aqui), os jovens que não estudam e não procuram emprego e que, portanto, não entram na estatística do desemprego calculada pelo IBGE que só considera os que estão em busca de trabalho.
    Apesar de todas as maquiagens, o fato concreto é que já durante as eleições a piora do indicador já era visível. De lá pra cá a coisa piorou ainda mais. Não só as indústrias começam a demitir em massa, como tivemos o pior novembro na geração de empregos dos últimos anos, mês tradicionalmente de contratação. O índice de criação de empregos no terceiro trimestre, que já havia sido o pior desde a crise de 1999, agora cai mais 80%, o que configura o pior resultado desde o auge da crise de 2008 (ver aqui). Portanto, apertem os cintos pois a coisa vai seguir piorando, infelizmente. Boa parte dos empregos ainda existentes estão na berlinda, a espera de uma mudança na direção política econômica que aponte para, pelo menos, uma não piora dos atuais indicadores. Todo mundo sabe que demitir no Brasil custa caro e, portanto, este é o último recurso que o empregador recorre quando não vê mais perspectivas de melhora. O Joaquim Levy representa esta esperança, apesar da Dilma. Se ele vai ter autonomia para tomar as decisões necessárias já é outra história. Os sinais são contraditórios. Enquanto o ministro aponta para uma redução dos repasses de recursos para o BNDEs, o governo, no apagar das luzes do primeiro mandato, libera mais um aporte bilionário. Enquanto que o ministro promete uma maior transparência, definindo um superávit menor, porém mais realista com o quadro que vai enfrentar, eis que o governo adia sua posse para poder concretizar a manobra fiscal que acabou com o superávit primário. Ou seja, as incertezas permanecem e com elas os adiamentos de investimentos por parte dos empresários. E aqui se cumpre mais uma previsão dos analistas de mercado que viam um impulso de otimismo em caso de vitória da oposição ou de pessimismo em caso de vitória de Dilma. Venceu o pessimismo e as consequências estão aí.

Leia mais

By

Nunca se mentiu tanto

charge-petroDesde que Lula apareceu chorando na TV pedindo desculpas por seus companheiros que o haviam “traído”, o PT tem se notabilizado por conseguir driblar as repercussões dos casos de corrupção cada dia mais frequentes e escabrosos envolvendo figurões do partido. O bastão do “eu não sabia” de Lula foi repassado para Dilma, de modo que mais de uma década depois o país continua no mesmo suspense, agora no escândalo do Petrolão: sabiam ou não sabiam? Eis a questão.

Quem acompanha o noticiário diariamente lembra muito bem dos esforços de Lula para tentar barrar as investigações, tanto no Congresso (nas duas CPIs criadas e esvaziadas para investigar a Petrobrás) quanto nas demais instituições com prerrogativa constitucional de investigação, que o governo insiste, na cara de pau, em tentar vender a ideia de que as investigações só acontecem “porque o governo manda investigar”. Leia mais

By

O Brasil está realmente na rota do bolivarianismo?

dilma_chavezNos últimos dias o tema bolivarianismo entrou de vez na pauta nacional. Além dos colunistas que já abordam o tema há bastante tempo, agora vários outros colunistas simpáticos ao PT resolveram finalmente tocar na ferida, o que prova que o assunto começa a preocupar o governo, afinal o que antes parecia apenas neurose de alguns radicais de direita, agora já convence uma parcela maior da sociedade.

A Carta Capital chegou a publicar um artigo enciclopédico explicando o que para eles é o bolivarianismo, fazendo questão de salientar as diferenças entre Simón Bolívar e Chávez, comunismo e bolivarianismo, Venezuela e Brasil, entre outras “abismais diferenças” para colocar tudo em panos quentes (ver aqui).

Outra tentativa descarada de dourar a pílula foi de Samy Adghirni, o substituto do colunista governista Vladimir Safatle do Uol, em férias. Embora o texto de Adghirni não tenha o mesmo peso de Carta Capital, o fato é que, por ele ter sido correspondente na Venezuela, seu texto merece uma especial atenção. Ao tentar diferenciar o que acontece no Brasil e na Venezuela, Adghirni consegue justamente o efeito contrário, pois a maior parte das “diferenças” salientadas por ele apenas mostram que estamos sim caminhando na mesma direção. Confira aqui a ótima analise de Luciano Ayan sobre o texto de Adghirni.

Apesar de uma declaração de Jô Soares ter viralizado na rede, onde ele mostrou seu ceticismo ao diferenciar o tamanho do Brasil e da Venezuela, o fato é que tal declaração destoa completamente de outra entrevista conduzida pelo ele próprio com Ives Gandra há alguns anos, onde o jurista alertava para vários outros passos bolivarianos que estão sendo dados agora (ver aqui). Aliás, esta foi uma das poucas vezes em que o Jô foi corrigido por um entrevistado por sua equivocada visão em algum assunto.

A coisa ficou tão escancarada que a própria Dilma veio a público para tentar se desvincular da resolução autoritária divulgada pelo PT recentemente, que acirra ainda mais a divisão do país ao associar a oposição ao mal (que deve ser combatida de todas as formas) e escancara de vez um dos principais objetivos da revolução bolivariana, que pressupõe a construção de uma “hegemonia política”, exatamente como propôs Gramsci (ver aqui a resolução do PT) Leia mais

By

O PT conseguiu dividir nosso país

brasil_rachadoUma das marcas mais visíveis da reeleição da Dilma foi, sem dúvida, a divisão ainda maior do nosso país. E não foi por falta de aviso. Há muito tempo vários colunistas alertam sobre o que está acontecendo agora. O crescente acirramento é mais um sério indício de que estamos sim caminhando no rumo do bolivarianismo, inclusive com eleições decididas com diferenças mínimas e suspeitas de fraude, algo comum ao eixo bolivariano.

Tal divisão não acontece por acaso. Ela é também uma das mais manjadas estratégias da esquerda autoritára para se perpetuar no poder. É a tática de dividir para conquistar. Para tornarem seus discursos mais convincentes às classes mais baixas, os esquerdistas recorrem frequentemente à narrativas maniqueístas para salientar diferenças que levem as pessoas a optarem entre o time dos “ricos” ou dos “pobres”. A peça publicitária do PT que mostrava os banqueiros supostamente aliados a Marina (e posteriormente ao Aécio) tramando a retirada da comida da mesa dos pobres é apenas um dos exemplos desta estratégia maniqueísta e desonesta. Claro que os ricos serão sempre a minoria. Logo, quanto mais acirradas as diferenças da falsa dicotomia alimentada pela esquerda, maior seu potencial de votos. Leia mais

By

Três argumentos para NÃO votar no PT

dilma_aecioEu poderia listar dezenas de razões para não votar no PT (e conseqüentemente votar no Aécio), mas vou me limitar a citar três para não deixar o texto muito longo.

1) O argumento econômico

Todo mundo já deve ter percebido que todas as vezes que Dilma sobe nas pesquisas, a bolsa de valores cai e o dólar sobe e vice-versa. Em qualquer lugar do mundo, tal comportamento do mercado deveria estar mais ligado à oposição, mas aqui o governo é quem é o motivo da incerteza. O porquê de tal pessimismo com relação a política econômica atual é resumido em uma só palavra: insustentabilidade. A grande massa não consegue ver isso ainda, mas entre os economistas é consenso que o governo tem que mudar a rota para não cair no precipício. O problema é que o governo não demostrou até agora disposição em reconhecer pelos menos seus equívocos, os mesmos cometidos há alguns anos na Venezuela e na Argentina, dois países arrasados pela combinação perversa de populismo e estatismo, a mesma linha seguida pelo PT.

Portanto, a primeira certeza que teremos a partir de segunda-feira é que, a depender do candidato que escolheremos no domingo, teremos uma forte alta da bolsa de valores e baixa do dólar (no caso de vitória do Aécio) ou de forte queda da bolsa combinada com alta do dólar (no caso de vitória da Dilma).

Para a grande massa tais oscilações não significam muita coisa. No entanto, no médio e no longo prazo o maior ou menor otimismo dos investidores agora pode ser a diferença entre a necessária correção de rumo ou no mergulho de vez na crise. Leia mais

By

Na campanha mais odiosa e mentirosa da nossa história, quem tem mais culpa?

debateNosso país está divido. É um fato. Nunca as pessoas se odiaram tanto por causa da política. Nas redes sociais, em casa, no trabalho, onde quer que você vá, a política provoca acaloradas discussões que muito frequentemente terminam em agressões físicas.

Claro que para cada ação existe uma reação, de modo que para quem assiste a briga de longe fica difícil distinguir quem tem mais razão ou, pelo menos, quem agrediu primeiro. E para quem já tem nojo da política, tal acirramento é mais um motivo para ficar ainda mais distante do debate. Mas, será que ambos os lados realmente se equivalem? Será que ambos têm a mesma parcela de culpa? Vejamos.

Para quem acompanha de perto este debate desde os tempos em que o PT foi oposição, no entanto, não resta a menor dúvida que o maior responsável por este festival de aberrações é o PT. Os dados não mentem. Vejamos:

  • Dos 22 anúncios veiculado pelo PT até o momento nas inserções dos intervalos comerciais de TV, 19 são ataques a Aécio. Do lado do PSDB, dos 18 anúncios veiculados, apenas oito são ataques ao PT. (ver aqui)
  • Levantamento feito pela revista Isto É sobre o debate do SBT revela que a presidente Dilma mentiu ou deturpou dados 14 vezes, enquanto que Aécio mentiu ou deturpou duas vezes (ver aqui)
  • Dos 28 boatos que circulam na web sobre Aécio Neves 17 acusações são falsas; 2, sem provas; 5, capciosas; e 4, verdadeiras, porém com ressalvas (ver aqui). Do lado da campanha de Dilma, não consta até aqui nem de perto uma coletânea de acusações pelo menos parecida como as que circulam em relação ao Aécio. Mas não por falta de motivos para falar, e sim porque os partidários do PSDB não tem a mesma falta de escrúpulos que tem demostrado o PT. Percebam que até hoje o PSDB não usou o passado de Dilma para atacá-la. Claro que para boa parte do eleitorado do PT os crimes praticados por ela na época da ditadura (sequestros, assalto e atentados) são louváveis. No entanto, para a grande massa de eleitores do PT de hoje, das classes mais baixas, tais informações causam grande repulsa.

Leia mais

By

Revisando 28 boatos sobre Aécio

dilma_pinoquioE como já era esperado, a máquina de triturar reputações do PT já está apontada para Aécio. Não que ele seja nenhum santo (vou falar mais adiante dos assuntos que me incomodam nele), mas o número de mentiras desferido nas Internet até aqui já ultrapassaram em muito a campanha de desconstrução de Marina.

Alguns são tão despropositados que ficam restritos ao disse me disse na Internet. Se bem que a julgar pela campanha absurda contra Marina, quando o PT chegou a afirmar que se esta fosse eleita iria tirar o prato de comida da mesa dos mais pobres, não seria nenhuma surpresa se alguma dessas mentiras absurdas que circulam na Internet aparecerem também no horário da TV, principalmente na reta final da campanha, quando não houver mais tempo para resposta. Não tenho a menor dúvida de que isso vai acontecer.

Por enquanto, a campanha do PT segue com as mentiras menos escabrosas, a maior parte delas desmentidas com imagens dos próprios petistas em outra épocas defendendo justamente o que criticam agora ou vice-versa. Haja óleo de peroba para tanta cara de pau!

No dia seguinte a eleição do 1º turno, começou a circular na web uma lista da de 28 motivos para não votar no Aécio. Já conhecia boa parte das mentiras que constam ali, mas confesso que fiquei surpreso e desconcertado com algumas acusações.

Pesquisando sobre as “novidades” encontrei um outro artigo que analisa cada tópico, classificando cada item como verdadeiro,  verdadeiro com ressalvas, falso, capcioso e sem provas (ver aqui). Segundo a avaliação, 12 acusações são falsas; 4, sem provas; 5, capciosas (que parte de um fato para induzir ao erro); e 7 verdadeiras (boa parte com ressalvas).

Concordo com a maior parte da avaliação, mas tenho algumas divergências em alguns itens. Na minha avaliação 17 acusações são falsas; 2, sem provas; 5, capciosas; e 4, verdadeiras, porém com ressalvas. Falo das minhas divergências de avaliação logo mais. Leia mais

By

Comparação Lula x FHC (corrupção)

Não costumo escrever artigos específicos sobre casos de corrupção, pois não tenho o menor saco para ficar discutindo “quem roubou mais”, nem para me colocar na defesa de qualquer acusado. Não boto a mão no fogo por ninguém, pois tenho a percepção clara de que a política atrai corruptos e tende a corromper quem não tem convicções firmes, principalmente depois de muito tempo no poder.

Apesar da minha relutância ao tema, é impossível ficar indiferente à enxurrada de escândalos que surgem nos jornais a cada dia. Pior que isso é perceber que estes não mais provocam indignação como antes, a ponto de um escândalo como o do Petrolão, por exemplo, que até o que se sabe movimentou um volume de recursos 33 vezes maior que o Mensalão, não render uma única reportagem nas três edições da revista eletrônica semanal “Fantástico” da Rede Globo, desde que a revista Veja trouxe mais este escândalo à tona, há três semanas.

Ué? Mas não é a Globo que vive sendo acusada pelo PT de querer derrubá-lo? Como deixaram então passar esta oportunidade? A resposta para esta aparente contradição você encontra em um outro post do nosso blog (ver aqui).

Feitas estas divagações, vamos então ao tema deste artigo.  Observe os gráficos abaixo:

rede_escandalos_fhc_lula

Eles representam os escândalos de corrupção nos oito anos do governo FHC e nos oito anos do governo Lula. A visualização está comprometida, mas no site da revista Veja é possível visualizar em detalhes, com links, evolvidos, conexões e tudo o mais (ver aqui).

A Rede de Escândalos da Veja é bem mais abrangente que os governos Lula e FHC. Começa a partir do governo Sarney até os dias atuais. Não publiquei os demais governos porque os períodos Sarney, Collor/Itamar e Dilma são menores que os oito anos de FHC e Lula, o que pode prejudicar a comparação visual. E como a polarização política entre PSDB e PT sempre esteve mais centrada em seus maiores ícones, resolvemos então mostrar aqui apenas os gráficos dos dois períodos cuja duração é igual. Leia mais

By

Os três maiores mitos do PT

lula_e_dilma

Nestes doze anos de debates intensos na Internet algumas conclusões são consenso até mesmo entre petistas. Vejamos:

 

 

  • O governo do PT foi beneficiado por um contexto internacional favorável.
    Até mesmo Lula já reconheceu isso. Não só o crescimento mundial foi acelerado a partir de 2003, como também os países emergentes foram ainda mais beneficiados pela aceleração, tanto que, pela primeira vez na história, o conjunto do PIB dos países emergentes ultrapassou o conjunto das economias avançadas. Só para ilustrar a diferença de cenários, a renda per capta mundial, que passou os oito anos de FHC estagnada em U$ 5,2 mil, pulou para U$ 9 mil já em 2007. Os nossos termos de troca subiram de 0,8 por dólar no final do governo FHC para 1,4 de dólar já no segundo ano do mandato de Lula. Com mais dinheiro entrando com as exportações, toda a economia foi irrigada, gerando o circulo virtuoso do desenvolvimento verificado a partir de 2004. Portanto, qualquer que fosse o presidente a substituir o FHC teria sido beneficiado com o cenário externo e, portanto, teria mais dinheiro disponível para investir.
  • O governo do PT colheu os frutos das reformas implementadas pelo governo FHC.
    Até mesmo Dilma já reconheceu isso. O governo do PT foi o primeiro, desde a década de 80, a assumir sem ter como principal desafio acabar com o “dragão da inflação”. As dificuldades enfrentadas por Lula no primeiro ano de governo foram decorrentes justamente da piora dos nossos indicadores devido ao temor do mercado de que o PT mudasse a macroeconomia construída a duras penas por FHC. Ao reforçar ainda mais as metas do tripé econômico herdado, o governo do PT acalmou o mercado e os indicadores econômicos em poucos meses retornaram aos patamares anteriores a “Crise Lula”. Livre das preocupações com a macroeconomia, o governo do PT assistiu a rápida expansão dos investimentos dos setores privatizados na era FHC. As teles multiplicaram o número de celulares, telefones fixos e TVs a cabo numa velocidade duas vezes superior ao crescimento do PIB; a Petrobrás triplicou sua produção em dez anos, depois que foi aprovada a quebra do monopólio do setor, em 1997; a Embraer tornou-e a quarta maior fabricante de aviões do mundo; a Vale chegou ao posto de segunda maior mineradora do mundo, entre outros exemplos de aumento de competitividade. Portanto, qualquer que fosse o governo a substituir FHC, teria assistido a melhora significativa de tais setores, criando milhões de empregos, fortalecendo a economia e aumentando significativamente a arrecadação do governo. Com mais dinheiro em caixa, o governo do PT pode se dedicar a agenda fácil do desenvolvimento: aumentar os investimentos.
  • O governo do PT não aproveitou o cenário positivo para continuar as reformas agendadas no governo FHC.
    Quando oposição, o PT votou contra todas as grandes votações que ajudaram o país a ser apontado como um dos BRICs, em 2001. Portanto, o Brasil se tornou um Bric antes do PT chegar ao poder, simplesmente por ser um país continental que tinha efetuado reformas estruturais na década de 90 e que entravam na década de 2000 com grande potencial de crescimento. Ao abdicar aparentemente à suas posturas irresponsáveis, o governo Lula assumiu prometendo dar continuidade às cinco grandes reformas agendadas já no discurso de posse do primeiro mandato. Não fez nenhuma. O máximo que chegou foi a pequenas intervenções localizadas e à aprovação do fundo de aposentadoria complementar do setor público, que só entrou em vigor uma década depois, já no governo Dilma. Não por acaso, o famoso “custo Brasil” não reduziu um centavo na era PT, nossa estrutura tributária continua tributando muito quem emprega, reduzindo nossa competitividade, principalmente no setor da indústria. Portanto, qualquer que fosse o governo que tivesse substituído FHC e que tivesse continuado as reformas pendentes hoje estaríamos colhendo seus frutos. O PT não plantou e a consequência disso é que nossa economia cresce no governo Dilma metade da média mundial e a 1/3 dos emergentes e pobres.

Leia mais

By

A mentira vencerá?

medoAmigos, este post é mais um desabafo, pois realmente estou muito desanimado com a disputa presidencial e, por extensão, com os rumos do nosso país. Como havia previsto no meu último artigo, o escândalo do Petrolão não tirou nem um ponto da Dilma. Pelo contrário, ela até subiu nas pesquisas. Como explicar?

A primeira razão é óbvia: o povão está vacinado quanto à escândalos de corrupção. O PT os tornou tão corriqueiros que já não causam mais espanto, nem chamam mais a atenção.

A segunda também não é nenhuma novidade. Quem acompanhou por todo este tempo a desconstrução de FHC e demais adversários do PT não poderia esperar outra coisa, mesmo a atual adversária tendo vindo do próprio partido. Este fato só mostra a sordidez do PT. Se estiver com o partido, qualquer crime é justificado, até mesmo de figuras repulsivas como Maluf. Se estiver contra, qualquer um será triturado, inclusive ex-petistas ilustres como a Marina, que até bem pouco tempo era considerada uma das “reservas morais” do partido!  Pois é. Como o mundo dá voltas. A Marina hoje paga o preço de se calar quando o seu antigo partido fazia o mesmo com o PSDB. Será que ela sente remorsos?

Sim. Acho que isso ajuda a explicar o porquê de suas lágrimas, ao lamentar que nunca imaginou que o PT um dia viria tentar destruí-la.  E eis que Lula mais uma vez sai do seu silêncio conveniente em relação ao Petrolão para ironiza-la, dizendo que tais lágrimas são de crocodilo. Ele, mais uma vez, esquece de suas lágrimas quando estourou o escândalo do Mensalão, jogando toda a culpa nos “companheiros”, quando na verdade hoje todo mundo sabe que ele sabia sim de tudo, não só em relação aquele escândalo, como também em relação ao Petrolão, como a Revista Isto É desta semana comprova , mostrando os elos que ligam os casos e mais um indício de que Lula era chantageado por Janene, uma vez que este sabia demais. E este cara tem o topete de falar de lágrima de crocodilo?

Com tanta cara de pau, ainda temos que escutar este cara aos berros em comícios sustentando as mentiras veiculadas pela campanha do PT e acusando Marina do que ele é. Pior, tem o topete de reclamar do ódio dos seus “adversários” estão implantando neste país!!!

Puta que o pariu!!!! Perdoem-me meus leitores. Vocês não estão acostumados a ler palavrões por aqui. Mas, como não odiar este cara? O cara praticamente foi conduzido por FHC ao Planalto, passa todos estes anos desconstruindo seu antecessor, dividindo o país entre seus apoiadores incondicionais e seus “adversários”, mente desvairadamente, corrompe, justifica a corrupção dos aliados, reincide no crime e ainda tem o topete de vir falar da “campanha do ódio dos adversários”? A cara de pau desse sujeito não tem limites? Será que não tem nenhum peso na consciência?

Certamente não. Psicopatas não sentem remoço. Mas o mais detestável de tudo isso é ver tanta gente “bem informada” defendendo-o com unhas e dentes. Sintam-se responsáveis por este clima de guerra que está sendo instalado no Brasil. Quando começarem a surgirem movimento separatistas e a barbárie que já acontece na Venezuela chegar por aqui, lembrem-se que vocês estão sendo cúmplices de tudo isso.

Leia mais

By

Um país imune à escândalos

Petrobras-Lula-Maos-sujasE a história se repete. Mais um fim de semana com um novo escândalo de grandes proporções envolvendo o governo do PT. Em outras épocas, as revelações do ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa, que atingem mais de cinquenta políticos da base do governo do PT, provocaria, no mínimo, uma grande repercussão, o desencanto de boa parte dos seus apoiadores (eu fui um dos eleitores do PT que se desencantaram na época do Mensalão) ou até pedidos de impeachment, como aconteceu em 2004.

Só para lembrar, Collor caiu por uma acusação de caixa dois que hoje corresponderia a apenas uma fração do que o governo Dilma gasta “legalmente” via cartão corporativo, gastos estes que não podem ser revelados por causa de uma legislação específica que permite que os pagamentos não sejam públicos com a desculpa de “garantia da segurança da sociedade e do Estado”.

Pois é, posso até me surpreender desta vez já que o delator avisou que se abrisse o bico não haveria eleição. Mas até aqui a experiência nos mostra que os constantes escândalos do PT anestesiaram nossa sociedade. De tão comuns já não escandalizam, principalmente seus fiés eleitores. Vejamos:

Há quatro semanas foi a contadora do doleiro Youssef que abriu o bico e nada aconteceu. Na semana seguinte, o escândalo da farsa da CPI da Petrobrás, cujas perguntas e respostas eram ensaiadas antes das sessões de mentirinha. E nada aconteceu. Na semana passada, a PF comprovou uma das denúncias de Marcos Valério que provam o pagamento de R$ 6 milhões a um empresário que chantageava Lula com o caso Celso Daniel, caso este que deixou um saldo de oito mortes (repito OITO MORTES) no esquema de caixa dois que levou o PT ao poder em 2002 (ver aqui). Quantas pessoas ficaram sabendo deste caso?

Ora, se um caso que envolveu oito mortes não causou nenhuma grande repercussão, por que será que mais uma denúncia de corrupção na Petrobrás poderá suspender as eleições? Leia mais