Políticos e fraldas devem ser trocados de tempos em tempos. Pelo mesmo motivo (Eça de Queiroz)

Quem sou

Não tenho nenhuma pretensão política. Não sou petista, nem tucano. Sou alguém profundamente incomodado com a crise ética da nossa política.

Comunista na adolescência, vi meus sonhos de um “mundo igualitário” ruir sob regimes totalitários e definitivamente sepultado com a queda do muro de Berlim. Renovei minhas esperanças nas eleições de 1989, onde militei para eleger Lula. Sofri com sua derrota e com o governo Collor. Fui às ruas exigir sua saída. Simpatizei com o governo Itamar Franco e com o primeiro governo FHC. Fiquei um tanto indiferente à reeleição, mas passei para oposição no segundo mandato. Renovei minhas esperanças com Lula em 2002. Tive a minha maior decepção política com o PT já em 2004 com o mensalão. Fiquei apático nas eleições de 2006 e nos anos seguintes, mas não consegui continuar indiferente à escalada de descalabros que se sucederam na crise do Senado de 2008, ocasião em que nosso então presidente Lula veio a público defender o indefensável Sarney, colocando-o, inclusive, acima dos cidadãos comuns.

Sinto-me, portanto, com uma visão plural da política brasileira, uma vez que já estive em ambos os lados das duas correntes políticas que agora se digladiam.  Acredito na ética e na revolução da Internet como um importante vetor no processo de conscientização dos nossos eleitores, para que estes sejam cada vez mais críticos e seletivos quanto aos nossos representantes. Neste contexto, tento dar minha contribuição com este blog, chamando as pessoas a refletirem e tirarem suas próprias conclusões e não apenas alinharem-se cegamente a uma ou outra corrente política, como normalmente acontece.

Acredito também que a única forma de depurarmos nossos políticos é castigando-os nas urnas. Sei que o processo é lento e, certamente, terei ainda muitas decepções pela frente. Felizmente ainda temos a democracia e a esperança em um futuro onde a voz dos eleitores se faça cada vez mais ouvida na grande rede e que a verdade que brota do processo histórico ilumine nossos filhos e netos.

Amilton Aquino

amiltonaquino@yahoo.com.br

——————————————————————————–

“Políticos são como fraldas. Devem ser trocados frequentemente. Pela mesma razão” (Eça de Queiroz)

154 Responses to Quem sou

  1. Aline Leal says:

    Muito esclarecedores seus textos. Parabéns!

  2. Olá Amilton,

    Parabéns pela iniciativa e coragem.

    Já pensei como vc, é só votar na esquerda que estou contribuindo para um mundo melhor. Mas a realidade é outra. Todos os partidos são iguais: PT,PV,DEM,PMDB,PSOL e outros. Os “caciques”, os dirigentes comandam os representantes eleitos por nós e ficamos reféns da cúpulo dos partidos.

    Por isso, que temos que criar um partido, no modelo da democracia direta, sendo que TODOS os filiados irão decidir o posicionamento do representante eleito pelo partido. E não como acontece hoje.Cerca de 200 pessoas de cada partido manipulam a vontade de milhões de pessoas. A opinião pública precisa de voz para fazer as reformas que o país precisa.

    Junte-se a nós.

    Temos que inovar. Temos que pensar diferente.

    Desde já agradeço a atenção.

    Anilton Oliveira
    São Paulo-SP
    http://www.democraciadiretaja.net

  3. leu leutraix says:

    sou o leu leutraix. gostei demais desse portal. salvei nos meus favoritos tanto do explorer quanto do mozila firefox abraço continue assim,em 2010 votarei em serra, nunca votei em lula nem voto.

  4. wellington says:

    ola amilton, por acaso descobrir este espaco onde podemos expor nosso sentimento quanto a esta politica interesseira que atua no Brasil desde sua descoberta. Um pais que pleteia posicao em G8, conselho de seguranca da ONU etc… e uma piada ouvir o Sr LULA e cia falar sobre G8 os paises que fazem parte do G8 tem, estradas seguras para andarem, tem leis que sao fiscalizadas, existe punicoes para pobres e para ricos, a politica e levado a serio e com respeito o povo e rspeitado como cidadao. Um exemplo da palhacada que e nossa politica foi a noticia que li: Romário se filia ao PSB e diz que já entra no partido ‘sentado na janela’
    “Ainda não sei se vou ser candidato, mas quem sou eu pra decidir”, brincou.
    Ex-jogador comete gafe e fala em ajudar crianças carentes.
    E uma piada ou nao e ?

  5. “Há tantos burros mandando em homens de inteligência, que, às vezes, fico pensando que a burrice é uma ciência.” – Rui Barbosa

    Amilton, desejo que a cada dia possas acordar inspirado para escrever seus brilhantes artigos e nos iluminar e trazer um pouco de esperança por um Brasil melhor, com um povo mais inteligente e livre destas mazelas que nos governam, dando espaço para os homens de caráter e boas intenções. Satisfação amigo!

  6. Eu passei a seguir você no Twitter ontem, e já me deparei hoje com excelentes postagens.
    Obviamente vou ler todas as antigas no que se refere a dívida interna, pois já desconfiava de alguma coisa, por ser típico deste governo mentir.
    Abraços e bem-vindo.

  7. Ayrton Costa says:

    Meu caro, Em primeiro lugar não acredito em pessoas que mudam tanto de opinião como você, passou por quase todas as esferas do pensamento político, da extrema esquerda à direita, só faltou ir à extrema direita, talvez quem saiba… Passei em seu site por acaso e pelo besteirol que li, com tantas superficialidades e incoerências disfarçadas de neutralidade, essa de “mídia contra e a favor de Lula” eu nunca tinha escutado, nem os mais radicais como o tal do Reinaldo Azevedo teve tamanha cara de pau, o que mostra como você tenta ser o mais imparcial possível .Com certeza não perderei meu tempo novamente. Só quero que saiba… aliás não quero que saiba nada não. Já fui…

    • Meu caro Ayrton Costa, certamente vc é um discípulo de Paulo Henrique Amorin, aquele que critica a imprensa, que se diz representante do jornalismo “moderno e colaborativo”, mas que censura comentários como os meus. Por que será?

      Pelo menos aqui vc tem total liberdade para expor suas idéias. Mas, onde estão suas idéias? Vc é o retrato fiel dos seguidores do Lula: desprovidos de qualquer censo crítico. Só ouvem o que querem ouvir. Para vcs não existe o cinza: ou é preto ou é branco. Enfim, onde estão seus contra-argumentos?

      Amigo, iguais a vc, esbanjando bravatas, se achando os “informados”, já apareceram vários por aqui (basta ver os comentários), mas não resistiram ao debate e sabe por que? Porque têm medo de ver o que não querem ver. Volte quando quiser, mas, por favor, venha com argumentos, não com bravatas.

  8. Sr. Amilton Aquino, qual o endereço do seu twitter, por favor?
    Quero segui-lo para, assim, ver seus comentários os quais gostei muito.
    Luan Holanda

  9. pauloDe Boni says:

    Meu amigo,gostei muito de voce.Pensamos a mesma coisa, ou quase…visto que eu já desisti deste pais, nao tenho mais tempo para ver um Brasil Livre de corrupção e mentiras, e com Democracia.Um STF independente,tanta coisa…
    Mas, eu batalho por meus filhos e amigos.Parabéns e continue.Eu quero ter no minimo uns 30000 seguidores e tento esclarecer e repassar textos tipo o teu, e participo de muitas comunidades.Mas não tenho partido, aliás teria que começar com uma ideologia, que nenhum tem….
    Um abraço e vamos em frente….

  10. Paulo says:

    Olá amilton comecei a ler alguns de seus comentários e até levei um suste. Caramba, encontrei alguem que pensa como eu, apartidário, imparcial e em busca de um pais melhor para o povo brasileiro. Mas confesso que a medida que eu lia seus comentários fui me decepcionando. A imparcialidade é inerente aos seres humanos, normalmente exige muito esforço para evitá-la. Parece que não é diferente com voce, mas pelo menos voce demonstra intenção, espero que seja verdadeira. O lance de vc se declarar que já foi comunista e votou no Lula e está decepcionado, também, deixou-me com o pé atrás. Não é coerente com uma linha de pensamento ideológico. Ideologia, aliás, é inerente aos seres humanos, quem diz que não tem é porque não conseguiu enxergar, mas com 3 ou 4 perguntas é possível delinear.
    Sou apartidário, mas sinto desapontá-lo, mas não consigo evitar minha admiração pelo Lula, por mais que eu tente. É uma questão de lógica e eu sou (infelizmente) muito racional. Por dever de oficio acompanho “real time” tudo que acontece no Brasil e no Mundo que tem impacto na política e na Economia. Infelizmente, o cara é carismático, competente e consequentemente tem aprovação de 80% no Brasil e 100% no exterior.
    Se eu estiver enganado quanto a sua posição, mil desculpas, acho importante externar minha percepção, pois com certeza não é só minha e vale para reflexão.
    Um abraço, e parabéns pena iniciativa.

  11. Paulo says:

    Olá Amilton sou eu novamente. Desculpe ter participado de seu blog. Achei que fosse um espaço onde poderíamos discutir as questões políticas, sociais e econômicas num nível mais elevado sem contaminação, mas infelizmente errei de endereço. Após fazer a citação acima fui ler os conteudos existentes no blog. Ai percebi que, ao contrario do que vc disse, tudo está polarizado na questão Lula x FHC. Todos temos liberdade de expressão e de posição política. Mas vc declarou ser isento, imparcial, etc e todos seus artigos, gráficos, etc contem distorçoes, manipulações. Aí vc faltou com a ética compromentendo até seu carater.

    Não vou incomodar mais, desculpe novamente.

    • Paulo,

      Realmente quando criei este blog eu tinha uma posição muito mais imparcial do que eu tenho hoje. O que ocorreu é que quanto mais me aprofundo nos estudos de cada tema, mais me afasto do Lula.

      Realmente ser imparcial é difícil, amigo. Veja vc, começou dizendo ser apartidário e já no final do seu primeiro post estava falando em “100% de aprovação” do Lula!

      Mas de uma coisa tenha certeza: hoje não me iludo com ninguém. Nem com oposição nem com situação. Se hoje minhas críticas são mais direcionadas ao Lula é justamente pelo fato de que ele está no poder e, por isso mesmo, é quem deve ser julgado. O PSDB já foi julgado em duas eleições, está fora do foco.

      As comparações Lula x FHC são inevitáveis justamente para desfazer a ilusão que Lula vende a população de que tudo neste país foi feito a partir do seu governo e que nada presta fora dele. Aliás, Lula é quem estimula tais comparações toda vez que nos seus inúmeros comícios fala a famosa frase “nunca na história deste país” com o objetivo claro de se promover e, ao contrário, diminuir os seus antecessores. Se se comportasse realmente como presidente (e não como um eterno candidato) não teríamos esta polarização de hoje.

      E já que vc falou em “mal caráter”, o que dizer de uma pessoa pública que relega completamente o seu passado, defendendo hoje as idéias que antes criticava sem ao menos ter a humildade de reconhecer em público que estava errado? Ao contrário, o seu ídolo Lula tenta abafar todas as contradições desqualificando seus opositores, semeado o ódio e colocando-se num pedestal.

      Amigo, uma das principais virtudes dos grandes estadistas é a capacidade de pensar mais no país do que em si próprio. E neste quesito, pode ter certeza que a nota de Lula é baixíssima, pois todos os seus atos são pensados com o principal objetivo de ganhar votos. A maior prova disso é que nunca desceu do palanque. O país vai para o segundo plano. O problema da dívida é emblemático. O Brasil hoje poderia hoje estar com recursos sobrando se o atual governo tivesse um mínimo de responsabilidade com os recursos públicos. Mesmo com o superávit primário, continuou emitindo títulos da dívida para financiar seu projeto político, empurrando com a barriga o ciclo da ciranda financeira que antes criticava quando oposição e que leva 30% do no nosso orçamento com juros e renovações de títulos.

      O seu legado político é triste. Com seus 80% de popularidade, certamente poderia apontar para uma mudança na forma de fazer política no país. Ao invés disso, sacramenta, institucionaliza o “toma lá dá cá” e acirra mais ainda o ódio à oposição, oposição esta quase inexistente.

      Quanto aos gráficos, eles são construídos com os números oficiais citando cada uma das fontes. O que muda é interpretação de tais números. O Governo os usa da forma que convém. Minha interpretação visa justamente mostrar o lado que o Governo tenta esconder. Se vc acha que minhas interpretações são manipulações, então vamos discutir sobre o assunto nos posts específicos.

  12. Paulo says:

    Amilton:
    1) Sou apartidário sim e quem me conhece pessoalmente sabe o que estou dizendo. Sou humanista (nem sei porque, acho que independe da gente mesmo) e por isso sempre voto nessa linha, por ex o proprio FHC. Minha ideologia, meu posicionamento transcende ao PT como vc achou que me identifico. Tenho respeito e admiração pelo Lider e Estadista Lula, porque através da sua posição como presidente alguns de minhas expectativas politico-sociais puderam ser viabilizadas.
    2) Toda pessoa tem o direito de ter sua posição política, tanto eu quanto voce. Isso é livre. Mas por uma questão de ética/credibilidade, penso que voce deveria alterar o conteúdo do QUEM SOU, pois como vc mesmo disse, já não representa sua realidade.
    Boa sorte.

    • Paulo, a frase que vc contesta diz “tento ser o mais imparcial possível”. Ou seja, eu tento, mas nem sempre consigo, pois como vc mesmo afirmou (e concordo contigo nisso) ser totalmente imparcial é impossível, pois todos temos opiniões e nossos argumentos são construídos em cima das idéias que acreditamos, idéias estas que são mutáveis, como minha própria trajetória demonstra. Hoje, no entanto, o meu conceito sobre Lula é bem diferente do seu. Meus motivos estão sendo expostos em cada um dos posts publicados. Não me iludo com a melhora sensível do país nos últimos anos, pois percebo que a melhoria é fruto do contexto histórico do qual Lula atrai para si de forma cínica todos os méritos. A política econômica e o bolsa família são apenas dois exemplos de apropriação dos méritos. Se vc não lembra, quando candidato, o próprio Lula criticava as bolsas do governo FHC, assim como criticava a política econômica e a ciranda financeira (além da corrupção, claro). No poder, unificou todas as bolsas de FHC e “assumiu” a paternidade do programa, manteve a política econômica sem mudar nada (era para mudar) e mergulhou na lama da corrupção. Tudo isso com a cara mais cínica do mundo, sempre procurando se promover em cima da demonização da já capenga oposição. Todo bem que todo mundo tem o direito de mudar de opinião, mas uma pessoa pública deve, no mínimo, medir as palavras (e principalmente o tom das palavras) em respeito ao seu próprio passado e ao público. Quando alguém chega ao ponto a que Lula chegou, esquecendo a própria história e sem demonstrar um mínimo de humildade para reconhecer que estava errado, das duas uma: ou esta pessoa sofre da amnésia ou não tem um mínimo de caráter. Daí concluo que divergimos também sobre os conceitos de “ética” e “credibilidade”.

  13. Caro Aquino,Gostei de sua maneira sincera de dizer que esta decepcionado com as esquerdas. A maioria das pessoas de esquerda, mesmo sabendo-se erradas jamais o admitem. Lendo seus artigos sobre Lula e a divida me senti ate mais leve pois assimilei perfeitamente o que aconteceu. Eu nao conseguia entender a artimanha que o mesmo fez com o FMI para inventar a mentira de que havia pago o total da divida.Bem esclarecedor! Certamente visita-lo-ei mais vezes. Gostei de conhece-lo. Ah! Fraldas e o correto e nao “fraudas”, ta?

  14. Caro Amilton,
    Fiz uma leitura diagonal dos seus textos.
    Gostei, e achei muito interessante a sua iniciativa.
    Tenho uma trajetória muito semelhante a que você apresentou.
    Só votei no Lula contra o Collor.
    Gostava do Lula nos anos oitenta, mas estudei finanças, economia, orçamento público, e percebi que seu plano não era de Governo e sim de poder.
    Você lembrou muito bem do episódio em que Lula (e o PT é claro) criticava a distribuição de cestas básicas, pois fazia o povo pensar com a barriga…
    Olhe, gostaria de saber qual a sua formação acadêmica e profissional.
    Encontrei o seu site procurando séries históricas para rebater um quadro comparativo FHC versus Lula.
    Já está um pouco tarde, por isso farei contato em outro momento pk?
    Eduardo Dantas

  15. Olá Eduardo,
    Sou formado em Comunicação Social pela UFPE, mas estou afastado da carreira há mais de dez anos. Hoje sou programador. Obrigado pela visita e elogios. Abraço!

    • Oi Amilton,
      Não existe possibilidade de aprimoramento da cidadania sem um mínimo de entendimento do desempenho dos nossos governos, o que exige alguma conexão com o mundo do conhecimento.
      Fico impressionado que um profissional de Comunicação Social, sem qualquer demérito à profissão, tenha tanto domínio e fluidez em assuntos relacionados com as ciências econômicas.
      Qualquer político sério precisa de pessoas como você, e qualquer cidadão precisa ler o que você escreve para amadurecer sua cidadania, e deixar de ser cidadão torcedor.
      Será que você teria a série histórica (média mensal) do EMBI+ (Risco país), de 1994 até hoje?
      Eduardo Dantas

      • Olá Eduardo,
        Vc descreveu muito bem o momento atual com a expressão “cidadão torcedor”. Lula conseguiu piorar ainda mais este quadro ao acirrar a disputa política entre governo e oposição. Sobram discussões acaloradas na web, mas falta a razão, infelizmente.

        Sobre as séries históricas, dei uma pesquisada rápida na web e mais uma vez me surpreendi com a dificuldade de encontrar dados sobre indicadores tão falados pela imprensa. Não tenho tempo agora de me aprofundar nesta pesquisa, mas se encontrar, certamente publicarei aqui. Se vc conseguir antes, por favor, me manda por email. Abraço!

  16. Já que tocaram no assunto, irei lhe defender.
    Para encerrar de uma vez este assunto sobre a palavra “fralda”.
    De acordo com o dicionário Aurélio:
    “- Fralda: Retângulo de pano macio, ou de material equivalente, que se usa dobrado, de modo que se adapte às entrepernas e nádegas do bebê, a fim de absorver os excrementos.”
    Logo, você postou corretamente no título do seu blog a palavra “fralda”.
    Um abraço, amigo.
    Luan Holanda

    • KKKKKKKKKKK! Polêmica encerrada! “Frauda” deriva do verbo “fraudar”. Certamente o subconsciente atuou, pois a política está muito associada a este verbo. Infelizmente.

  17. Nahim says:

    Caro Amilton,
    Comecei a ler seu blog hj, depois que minha namorada disse que, não tendo nada para ver na tv, resolveu assistir a tv senado e viu um certo senador, cujo nome ela não sabia, apontar, indicando dados obtidos na internet, a farsa do pagamento da dívida externa do governo Lula, e pedindo explicações ao senador Aloísio Mercadante, que se calou diante dos dados. Curioso, fui pesquisar sobre isso na internet e cheguei a seu blog. Li todos os artigos sobre o tema (confesso que com uma certa pressa) e fiquei me perguntando: de que lado está esse cara? Os seus dados, por serem objetivos, positivos, fornecem argumentos para todos os que se declaram oposição, seja centro, esquerda ou direita. Mas me simpatizei porque, apesar de eu me colocar à esquerda, não demonizo os tucanos, acredito que no governo de FHC tivemos tanto conquistas quanto retrocessos e não santifico nem demonizo o governo Lula. Acredito que tanto a direita quanto a esquerda no Brasil, e principalmente a esquerda, defendem mais interesses de grupo do que interesses de classe, ou, o que seria mais correto nessa altura do campeonato, defender os interesses da nação. Lendo depois outros artigos, percebi que você não é nem um centro-direitista defendendo os dogmas neo-liberais e muito menos um ultra-esquerdista seguindo uma cartilha marxista (mesmo porque consegue demonstrar imparcialidade). Mas, parafraseando o que você disse, um cidadão inconformado que vê na internet um meio de informar e levantar a reflexão. Parabenizo você pela iniciativa! Não podemos ficar na conversa mole: “ah, mas no governo de FHC era assim e assado, no de Lula não tem isso”; precisamos criticar o presente em prol do futuro. Mas que futuro desejamos? A maior parte das pessoas se mantém alienadas, pouco informadas, apenas seguindo a onda. E a minoria que se diz politizada, ou é de uma obediência jesuíta, seguindo sem questionar o que dizem seus líderes partidários, ou, se tem alguma inteligência, é fisiológica e incapaz de auto-crítica e/ou corrupto. O que precisamos acima de tudo é ser críticos com todos os lados, e privilegiarmos a sinceridade.
    Um abraço e, novamente, meus parabéns.

  18. Abbud says:

    Olá Amilton, descobri seu blog pesquisando informações sobre crescimento economico FHC versus LULA, estava começando achar que estava ficando louco sozinho, estava indignado com o discurso do LULA e do PT e com a sua reciprocidade ignorante do povo, e entao encontrei seu blog e vi que não estava louco nem sozinhho.

    Comecei a pesquisar dados para confirmar o que pessoas como nós, que infelizmente é a minoria neste país,e que ainda é chamada pejorativamente de elite, só por ter conceitos diferentes de sociedade.

    Acabei entrando com vários comentários logo de cara no post FHC x LULA, e só agora deixo esta mensagem para voce.

    Me desculpo desde já pelo tamanho do texto, mas gostaria de aproveitar a oportunidade para compartilhar um pouco dos meus pensamentose e história.

    Filho de lider estudantil,que lutou contra a didatura (sem fazer querrilha e matar ninguem como futuras candidatas a presidente) sempre me interessei pelos assuntos políticos do Brasil, amo este país e sonho que um dia seremos um exemplo de sociedade para o mundo, e para isso precisamos de pessoas e iniciativas como a sua.

    Tive o privilégio de nascer no final da ditadura (1976) e acompanhar uma das evoluções mais fantásticas deste páis, do final do “milagre economico”, passando pela década perdida, a redemocratização, a abertura, a estabilização e chegando até hoje, um período de teste de democracia, política e esturuta de nosso País.

    Em 92, no impeachment do Collor, estava no segundo ano da Escola Técnica Federal de São Paulo, e apesar de muitos do meus colegas irem para as ruas com as caras pintadas , não fui um deles , pois ainda com 16 anos achava que tal movimento era puramente farra e manipulação, e de nada adiantava derrubar um presidente se o Vice e o Congresso continuassem o mesmo processo, que se confirmou em parte 12 anos depois, quando por muito menos LULA não sofreu absolutamente nenhuma pressão popular por impeachment.

    Não votava ainda em 90 mas se votasse muito provavelmente seria em Afif.

    Nas eleições seguintes, sempre votava no PT para o Legislativo e no PSDB para o executivo, acreditava que o balanço fiscalizador de um lado e executivo do outro era o ideal, so votei uma única vez no PT para o executivo, foi para prefeito quando Marta foi para o segundo Turno contra Maluf, ai não teve jeito, era o ruim contra o péssimo, pois nunca votei em branco ou nulo.

    FHC com todos os seus erros e necessidade de composições políticas para governar, foi um dos maiores estadistas que este país já teve, e poucos poderiam coduzir e arrumar a casa naquele momento como ele.

    Em 2002 nem para o legistavo votei no PT, o projeto de poder do PT já estava claro para mim.

    Em 2004 votei em Cristovao Buarque, pois acredito que é urgente um projeto educacional nacional, que na minha cabeça so vai existir quando tivermos um sistema federal de educação eficiente: Da primeira a nona série, todas as escolas passariam a ser federais, professores todos funcionários federais bem capacitados e remunerados, infraestrutura e manutenção de responsabilidade dos Estados e Transporte e Merenda de responsabilidade dos municípios (Ninguem melhor do que o prefeito para garantir que todas as nossas crianças cheguem as escolas e tenham alimentação e assitencia adequada),assim professores federais não estariam sujeitos a desmandos e interesses políticos locais, e qualquer desvio do Estado ou Município seriam punidos imediatamente com corte de repasses federais e a intervenção federal na escola em questão. Plano pedagocigo e educacional extremamente exigente e padronizado do Iapoque ao Xui, é possível é so querer!

    Só assim daqui a 20 anos poderemos ter uma sociedade realmente justa e próspera ,imune e independente de programas assistencialistas e populistas como o Bolsa Familia Eterno.

    Qualquer política social que não passe por um projeto de educação básica, não será sustentável, a história das naçoes e do mundo é uma prova mais do que clara disso.

    Parabéns Amilton e conte comigo no que precisar para realizarmos o sonho de mudarmos este país.

    Abraços

  19. Neca Boullosa says:

    Olá, Amilton.

    Realmente, lendo assim, em um primeiro momento, até parece que vc está sendo imparcial.
    Mas basta uma análise um pouco mais crítica (e nem estou falando dos números) para ver duas coisas:

    1 – Como pode alguém fazer uma análise econômica imparcial, e antes de gráfico, colocar uma charge preconceituosa? Cada charge já demonstra que não há a menor imparcialidade no que vem depois dela. Vc sempre vai “torcer” os fatos, para eles justificarem as charges.
    2 – Vc já trocou tanto de partido e de opinião na vida, que nem sei o que vc é hoje. Mas imparcial é que não é. Essa história de ex-comunista arrependido que “conhece os dois lados” é clássica. Quem garante que (assim como estava errado um monte de vezes), deve estar REDONDAMENTE ENGANADO agora? Nos seus tempos de Comunista, vc também fazia análise e gráficos mostrando que o comunismo era a melhor coisa para o Brasil?

    • Olá Neca,

      Fui bem claro na minha apresentação, onde digo que “tento” ser o mais imparcial possível. Digo que tento porque a imparcialidade absoluta não existe quando falamos de política, economia ou qualquer assunto que tenha algum viés sociológico. Todo nós temos opiniões que se aproximam ou se afastam das ideologias, conforme o momento histórico e o amadurecimento da nossa percepção.

      Claro que tenho a percepção de que minha opinião de hoje poderá mudar no futuro. Neste ponto vc tem razão. Mas certamente ela não mudará tão radicalmente quanto no passado, pois hoje a experiência não me permite mais mergulhar de cabeça nas ondas que vem em vão. Diferente do passado, hoje não me deixo mais levar por paixões políticas. Direita e esquerda tem suas porções de razão e tento extrair delas o que mais me parece racional, levanto em conta o contexto histórico e, claro, minha experiência de vida. Neste contexto, não sou esquerda nem direita, pois uma das coisas que aprendi na vida é que as idéias quanto mais radicais, mais afastadas da realidade.

      Minha posição é bem clara: combato a “lulodolatria”, pois percebo que os méritos de Lula estão inflacionados pelo bom cenário que pegou. Poderia até fazer vistas grossas se Lula não estimulasse a divisão do país entre os que apóiam sua idolatria e os que são contra. Mas meu senso de justiça não me permite ficar calado ao ver tanta manipulação, principalmente entre as classes mais populares. As comparações descontextualizadas de Lula nos seus muitos comícios de tão repetidas estão se transformando em “verdades”. Resta, portanto, aos remanescentes que não se deixaram levar pela “lulodolatria” tentar mostrar a quem interessar que as coisas não são bem assim como conta a máquina de marketing do PT.

      Claro que ao me afastar de Lula isto automaticamente me aproxima de FHC, já que este é o único contraponto que temos ao ídolo Lula. Mas, quanto mais debato sobre este assunto, mais convicto fico das idéias que defendo hoje, pois até aqui os adeptos de Lula não tem trazido argumentos consistentes, os quais não resistem ao mínimo aprofundamento das questões colocadas. Leia os debates abaixo dos pots e veja do que estou falando.

      Na ótica dos fanáticos, claro que hoje sou caracterizado como um tucano com “T” maiúsculo. No entanto, se vc acompanhar meus comentários certamente vai perceber que tenho uma visão crítica também em relação a estes. Se hoje as minhas críticas se concentram mais no PT é porque este é o partido que está no poder e que, portanto, deve ser avaliado. Pode ter certeza de que, se o PSDB ganhar as próximas eleições, certamente estarei criticando pois tenho a consciência de que o DEM (e muitos políticos desonestos do PSDB) vão mostrar suas garras novamente.

      O importante é que nos mantenhamos atentos e críticos, pois só assim poderemos melhorar a nossa representação.

      Infelizmente no quesito ética não temos muitas opções (com exceção de Marina Silva que, infelizmente, não tem muitas chances). Resta-nos, portanto, colocar em prática um dos fundamentos básicos da democracia que é alternar o poder o máximo possível, além de não reeleger figuras que nos decepcionaram no quesito mais importante: ética, pois, como o slogan do blog diz, “Político é como fralda. Deve ser trocado com freqüência. Pelo mesmo motivo”.

      Abraço

  20. David Sensu says:

    Tão experiente e tão apaixonado… Ainda não sei se você acredita no que está falando ou se está apenas montando um escudo, mas não vi nesse blog uma “luta” pela imparcialidade. E é com muita dúvida que recebo esse seu comentário “se o próximo governo for do PSDB terei uma postura de criticá-los”. Bom, mas o que mais me chamou a antenção foi a paixão: “A única opção ética seria a Marina”. Depois de tudo o que o aconteceu você ainda acredita nisso? Não há paladinos da ética, o que temos para o momento são muitos políticos, alguns corruptos outros nem tanto, e certamente seja qual for o presidente terá que governar com esses políticos. Acho um pouco injusta essa pregação de que Lula faz vistas grossas para corrupção. Vou explicar a razão: No primeiro mandato Lula mandou claramente a PF investigar seja que fosse e colocou um dos melhores diretores que a PF já teve para tocar essa nova fase da única polícia brasileira que investiga os políticos. O que acontenceu? Pessoas ligadas ao PT, e (majoritariamente) políticos não ligados ao PT (muitas vezes que compunham também a base de apoio ao PT) foram investigados e processados. Diferente do governo FHC, essa fase da PF foi digna de orgulho, parecia realmente que o Brasil tinha mudado. O que fez a imprensa e os bobos de plantão? Conforme a PF investigava e denunciava políticos, o que nunca havia sido feito com tanto ímpeto e neutralidade no Brasil, essas pessoas começaram a associar as denúncias e os processos com o governo Lula. Como se antes todos fossem uns santos e agora que os “Petralhas” assumiram o poder virou uma corrupção geral. Entendo esse pensamento dos ignorantes, mas das pessoas esclarecidas?? Só se for de má fé. Resumindo o desfecho dessa história, Lula não aguentou a pressão da mídia, tirou do cargo o chefe da PF e colocou no lugar o Dr. “Algema só em pobre”. Apesar do que você pensa, os números importam sim. Se não dá pra tirar da análise a diferença do momento histórico da economia mundial, e principalmente da economia brasileira, também é ilógico e leviando dizer que quando nosso time faz um gol devemos comemorar com a vaca por ter proporcionado o couro da bola (parafraseando um comentário que eu li de um colega hoje). Isso me remete a outra falácia muito usada por defensores do governo elitista empenhado por FHC, “o programa de distribuição de renda foi obra do FHC, Lula só continuou”. Falácia, porque primeiro evidentemente, qualquer mosquito sabe, que esse programa não foi ïnventado pelo FHC, já existia em diversos países e em diversas formas. O FHC foi o primeiro a implementar o programa no Brasil (Collor e Sarney não tiveram essa iniciativa), sendo assim fica evidente que o que importa de fato é a aplicação do programa e não quem o “inventou”. Pois bem, se é assim, o que importa de fato é como esse programa muda a vida das pessoas o número de pessoas beneficiadas. É tão irrelevante dizer que o FHC iniciou o bolsa família, quanto é comparar Charles Miller com Pelé. Sinto muito por você, mas Lula é nosso Pelé… Ele realmente deseja erradicar a pobreza, mesmo contra a elite direitista que prefere dizer que o bolsa família se trata de bolsa esmola e que não quer sustentar vagabundo. “Temos que ensinar a pescar e não dar o peixe.” Como se os filhos do Abílio Diniz nascessem com as mesmas chances obter sustento dos mares como os filhos da Dona Lindu.

    • Meu caro David,

      Com disse no comentário anterior, eu TENTO ser imparcial, mas reconheço que é difícil, pois a cada dia me sinto mais incomodado com o populismo instaurado neste país. Poderia ser mais imparcial, se hoje tivéssemos no poder um presidente que respeitasse as instituições, que não fizesse comícios descarados, que não tentasse a todo custo se promover e, ao contrário, denegrir os outros, que não estimulasse a divisão da nossa sociedade entre os que o idolatram e os que o criticam, etc. etc.

      Portanto, meu objetivo é ajudar a combater a idolatria ao deus Lula, de colocar os pingos nos “ís”, contextualizando as comparações descabidas que todos os dias são alardeadas pelo PT como se este fosse o único responsável pelo desenvolvimento do Brasil.

      Quanto a minha postura crítica a um eventual governo do PSDB não preciso lhe provar nada, pois quem me conhece desde os tempos da era FHC sabe que tive uma postura crítica também em relação a este. Ninguém é perfeito e qualquer que for o governo sempre haverá acertos e erros. O que não podemos, no entanto, é baixarmos a cabeça e comprarmos os discursos dos grupos políticos como se fizéssemos parte de torcidas times de futebol disputando um campeonato.

      Com relação a sua defesa da ética de Lula nas “investigações de políticos do PT” é para morrer de rir, amigo. Como alguém que me atribui o rótulo de “apaixonado”, alguém que crítica a minha “imparcialidade” pode ser tão apaixonado e ingênuo?

      Ora, se as denúncias do Roberto Jefferson não tivessem vindo à tona, até hoje os políticos do PT estariam ilesos. Claro que diante de uma situação destas, tentando se “descolar” do PT, o que restava ao “Não Sabia Lula da Silva” era fazer este tipo de discurso institucional, “reservando a PF a tarefa de investigar” e, claro, diminuindo a importância da CPI. Mais uma postura contrária ao que defendia quando oposição onde tudo era motivo de CPI, lembra? Igualzinho às bolsas de FHC que criticava quando oposição e que se tornou seu principal “diferencial” depois que se tornou presidente.

      Mas esta é uma questão menor. O mais importante legado que o PT poderia deixar para o Brasil (um exemplo de ética), este não aconteceu. Pior: salientou a crença de que político é tudo igual e que este é melhor porque “rouba, mas faz”. No poder, Lula não só repetiu a política do toma-lá-dá-cá, como ressuscitou figuras como Sarney, Collor e Renan. Até Maluf virou lulista!

      E tudo isso para nada, pois Lula vai terminar seu segundo mandato sem colocar em prática uma única reforma das cinco prometidas ainda no seu discurso de posse em 2003 (veja o vídeo aqui http://www.youtube.com/watch?v=eFjnQbhIGb8). Nem mesmo a famosa Reforma Agrária, bandeira histórica do PT, foi capaz de implementar.

      Aliás, esta tem sido a tônica deste governo. Tudo que desgasta, protela-se ao máximo até jogar para o próximo governo. Lembra do fator previdenciário? Pois é, na oposição o PT fez de tudo para barrá-lo no Congresso. No poder, teve oito anos para anulá-lo e não o anulou. Mais uma vez, colocou sua tropa de choque para fazer de tudo para evitar que o projeto de extinção do fator previdenciário fosse aprovado, adiando sua discussão para 2011. Ou seja, mais um exemplo de incoerência e cara-de-pau do seu “Pelé” da política.

  21. David Sensu says:

    Estou esperando os comentários…
    a) Você só vai liberar os meus posts depois de respondê-los
    b) Vai boicotar mesmo e ter a postura que tanto critica no PHA (e faço vozes com vc sobre isso, ele censura mesmo…)
    c) Está viajando para Maresias no momento e só estará de volta depois do feriado

    Ainda não sei se devo tratá-lo como um colega que precisa discutir essas opiniões ingênuas quanto ao PSDB e o PT e com debate pode perceber que não é porque o comunismo fracassou que o que temos hoje pode ser considerado um sucesso. Por que você acha que na nossa sociedade (não só no Brasil), há tantas pessoas passando fome? Por que isso é aceitável? Se é trabalhador, vagabundo, pobre, rico, negro, branco, índio, americano, brasileiro, nigeriano, por que isso é tão importante? Por que nós deveríamos aceitar que exista uma única pessoa no mundo passando fome? Por que quem acredita em Deus (mesmo quem não acredita, é que pra mim é mais absurdo ainda quem acredita), acha que pode passar pelo mundo e não tem nenhum compromisso com isso? “Eles que trabalhem…”, “Eu faço a minha parte.” Como isso é aceitável? Quem vamos eleger presidente? Pra mim tem que ser alguém que tenha um compromisso sério com a erradicação da pobreza. E vou lutar contra qualquer um que pense diferente disso. Eu não quero saber se fulano é metalúrgico e se o outro deu aula na Sorbone. Claro que eu quero como presidente alguém que mantenha o país crescendo, mas com o objetivo claro de acabar com a miséria. E sinceramente esse não é o compromisso do Serra. Ficou claro que o PT não é o grande defensor da ética, mas sinto dizer que esse posto definitivamente não pode ser ocupado pelo PSDB. Como disse antes, já deveríamos ter aprendido que não existe esse paladino, o Brasil é o como é, o presidente eleito não consegue mudar isso com um mandato. Essa mudança tem que ser construída por anos, com a redução da pobreza e o acesso à educação.

    • Olá David,

      Até fevereiro os comentários deste blog entravam direto sem necessidade de habilitação. Infelizmente tive que incluir o recurso de moderação por três motivos:
      1) Grande parte dos comentários são simples xingamentos, ataques pessoais sem qualquer argumentação;
      2) Alguns comentários são apenas repetições, alguns simples copy-paste, algo que torna o debate redundante, exigindo respostas também redundantes.
      3) Não tenho muito tempo disponível para me dedicar à política. Logo, a moderação dos comentários é também uma forma de controlar o ritmo dos meus comentários, pois, se respondo imediatamente, isto provoca réplicas, o que exige respostas e assim sucessivamente. Como não tenho nenhum ganho financeiro para estar aqui, me reservo ao direito de pelo menos definir o ritmo em que posso me dedicar a esta atividade.

      Portanto, ao contrário do PHA que tem muitos motivos ($$$$$$$$$$) para idolatrar Lula, razão pelo qual censura comentários de pessoas como eu, aqui pode ter certeza que por este motivo os seus não serão. Podem demorar um pouco para serem habilitados, pois nem sempre tenho tempo de acessar, quanto mais ler e responder a todos os comentários. Neste final de semana, por exemplo, me desliguei completamente da política. Ou seja, a alternativa citada por vc é, portanto, “C”. (rsrsrssrsrsrsr). Agora se eu libero antes ou depois de responder, aí já é um direito meu e vc não tem nada a ver com isso, pois primeiro leio os comentários que me chegam via email e só depois logo no blog para liberar todos de uma vez. Poupa-me tempo, algo que tenho muito pouco.

      Quanto ao seu comentário, concordo com a maioria dos seus questionamentos. Ao contrário do que vc pensa, não sou um direitista que acha que o mundo está lindo e tem que ser assim e ponto final. Acho que o mundo está passando por um processo de transformação, pois os países ricos chegaram a um ponto em que seus mercados internos saturaram, suas taxas de crescimento minguaram e agora as grandes corporações destes países se vêem obrigadas a procurar os mercados emergentes, daí um dos motivos do nosso crescimento nos últimos anos. Daqui a alguns anos chegaremos ao mesmo patamar dos países do primeiro mundo e aí nossas megaempresas também sofrerão com a redução do ritmo de expansão do nosso mercado consumidor e buscarão os mercados dos retardatários do desenvolvimento na América Latina e na África e assim sucessivamente. Neste processo, certamente vamos ter que mudar hábitos, ter cada vez mais uma consciência ecológica e levar em consideração a sustentabilidade da economia não só local, como mundial. O caminho é longo e árduo, mas quando comparamos o mundo atual com o de 100 anos atrás percebemos que damos alguns passos importantes. Mais recentemente as nações tem se reunido com maior frequência para discutir problemas globais. Se os resultados ainda não são palpáveis, pelo menos já temos aí mais um passo importante nesta direção.

      Discordo de vc apenas quando idolatra Lula pela redução da pobreza nos últimos anos e, ao contrário, afirma que Serra não teria compromisso com a continuação deste processo. Aí amigo entra em ação o pré-conceito dos fanáticos esquerdistas que acreditam que são os únicos capazes de promover justiça social. Nunca fui fã de Serra, mas não vejo porque vê-lo como um vampiro que quer vender e Petrobrás (como alardeia PHA) ou como um ultra-direitista que está se lixando para a miséria como pinta vc. Se vc não lembra, Serra tem um histórico que em nada tem a ver com a direita, aliás, foi vítima da ditadura. Quando ministro de FHC mostrou bastante competência e, pelo que atestam as pesquisas em SP, tem um governo aprovado pelos paulistas, apesar da imensa popularidade de Lula e da aguerrida militância de fanáticos petistas que insiste em acirrar os ânimos dos contra e a favor a sua idolatria.

      Também vale lembrá-lo que a origem do PSDB foi de uma dissidência do PMDB ainda quando este partido não tinha se tornado a grande prostituta da política nacional. Liderados por Mário Covas, os tucanos chegaram ao poder como um partido de centro-esquerda. Claro que, diante dos desafios que FHC teve que enfrentar, contando com a oposição feroz do PT, teve que fazer alianças com a outra grande prostituta da política nacional, o antigo PFL. Claro que o PT no auge da sua fase de “paladinos da ética” fizeram de tudo para caracterizar os tucanos com o rótulo de direita, ainda mais depois das privatizações. Mas, e o PT? Em que difere do PSDB no poder? As alianças com políticos corruptos, idem; privatizações, idem; política econômica “neoliberal”, idem; ciranda financeira, idem.

      Ah, mas vc e outros aqui vão dizer que o governo Lula se diferencia pela redução da pobreza. Sobre este “diferencial”, devo lembrar-lhes que este é um processo que foi iniciado na era FHC e só se intensificou na era Lula devido ao bom momento da economia mundial e a ampliação dos programas sociais lançados no governo anterior, já que o Fome Zero de Lula ficou no zero(nem mesmo a idéia da unificação é do PT. Se vc não sabe, a idéia foi de Marcelo Perillo).Ou seja, a aceleração do ritmo da redução da pobreza ocorreria com Lula ou sem Lula no poder, pois se as verbas para os programas sociais aumentaram na era Lula, isto só ocorreu porque a arrecadação do país aumentou. Só que o Bolsa Família cresceu percentualmente menos que a arrecadação.

      Claro que hoje é fácil para Lula fazer bravatas com números já que ele dispõe de um orçamento de R$ 1,8 TRILHÃO para governar para uma população de aproximadamente 200 milhões de habitantes. Queria ver se Lula teria tantos “méritos” na redução da pobreza se tivesse assumido em 1995, com um orçamento de pouco mais de R$ 100 bilhões para governar para uma população de 164 milhões de brasileiros, tendo que lutar contra a inflação e contra sucessivas crises internacionais. Isso sem falar no cenário mundial amplamente favorável a Lula, pois, se vc não sabe, depois da renda per capta mundial passar os oito anos de FHC estacionada em U$ 5,2 mil, pulou para U$ 9 mil apenas nos primeiros seis anos do Governo Lula. É mais dinheiro circulando em uma população mundial que cresce a cada ano mais lentamente. Para alguém desprovido de paixões políticas é fácil avaliar os méritos de cada um. Para os fanáticos, no entanto, só falta dizer que o mudo cresceu mais rápido por causa do “Pelé da política”. Rsssss.

  22. David Sensu says:

    Discordo profundamente de você, e realmente acho que você continua sendo apaixonado. Não tem essa de legado da ética, não existe isso no mundo todo, por que você acha que isso pode acontecer no Brasil? Eu não defendi o PT e nem falei que o Lula não sabia do mensalão, por favor, não rebata meus argumentos citando coisas que eu não disse. Disse que foram os anos mais atuante da PF no combate à corrupção. Você contesta isso? Pois foi isso que eu falei, se não for pra contestar não tem debate. Se você vai debater sozinho, simulando falas minhas para depois ridicularizá-las, realmente agora já sei qual categoria te enquadrar (eu sou assim, humano, tenho poucas informações e realmente preciso te categorizar para saber como devo tratá-lo).
    Quanto a toda essa turma que você enumerou, esquece-se que estavam todos com FHC nos dois mandatos dele? O Maluf não é aliado do PT (já se juntou ao PT tanto quando ao PSDB), está dizendo palavras de apoio obviamente para se aproveitar da popularidade do presidente, não porque faz parte da “panelinha”.
    Quanto às reformas, realmente foi uma falha (de ambos, FHC e Lula). Agora insinuar que o fator redutor foi uma “mal necessário” que o PT criticou e depois não fez nada para tirá-lo, aí é uma visão ofuscada. A reforma na previdência evidentemente precisava atacar o funcionalismo público, essa sim era impopular. Mas seu querido amigo FHC, que você diz que critica, mas que apoia uma das maiores barberagens que ele cometeu, preferiu passar a conta pro trabalhador. Aposentadoria integral pro funcionalismo público não tem problema, agora aposentado pobre ganhar 10 salários mínimos (que na época era uma quantia ridícula), isso não… Sem falar nas privatizações a preços de bananas, favorecendo amigos banqueiros… Mas principalmente, discordo de você do legado do Lula, sinceramente acho que o maior legado que ele deveria deixar era o do combate à fome, acesso à educação, salário mínimo mais decente, urbanização de favelas, desenvolver as regiões mais pobres. Eu realmente acho que esse é o legado que o nosso Pelé da política deveria ter deixado, e graças ao próprio talento e vontate (e não a vaca, aquela que fornece o couro pra fabricação da bola), ele conseguiu.

    • Meu caro David,

      O “cara” construiu sua fama falando de ética, rotulando os outros de picaretas, tentando criar CPIs e etc. Chega ao poder e repete tudo o que criticava e vc acha isso normal? Vc mais uma vez me rotula de “apaixonado”, porém, pelo que sei sobre o assunto, este é um estado (paixão) onde as pessoas só conseguem ver as qualidades da pessoa amada. Neste caso, o “apaixonado” aqui certamente não sou eu. Ora, o mínimo que se esperava de um governo que foi eleito com o discurso da ética seria uma postura diferente, ainda mais com um governo que não se deu ao trabalho de colocar em votação pelo menos uma única das reformas prometidas. FHC pelo menos teve a desculpa de promover algumas votações importantes como a Lei de Responsabilidade Fiscal e a quebra dos monopólios em um país que ainda lutava para se estabilizar numa época de instabilidade generalizada entre os emergentes. Mas, e Lula? Como explicar sua defesa incondicional a Sarney?

      Com sua imensa popularidade poderia aproveitar o momento de imensa impopularidade do Congresso e colocá-lo numa saia justa, exortando os parlamentares a fazer valer os mandados conferidos pela população para votar os projetos de interesse do pais de acordo com os méritos dos projetos e não e não de acordo com as conveniências de situação e oposição, como acontece descaradamente. O próprio Lula tem exemplos de sobra que mostram o quanto é diferente ser oposição e governo (veja suas contradições). Portanto, poderia dar um importante passo na evolução da política citando os próprios exemplos e usando sua habilidade conciliadora para chamar a oposição para um diálogo construtivo ao invés de alimentar as disputas com seus discursos inflamados e populistas. Ainda mais às vésperas de entrar no último ano de mandato, com a popularidade em alta e com uma população revoltada contra o Congresso.

      Ao invés disso, colocou sua tropa de choque em ação para esvaziar CPIs (lembra da comissão formada só com senadores biônicos?), colocou Sarney acima dos simples mortais (diferenciando-os dos cidadãos comuns sujeitos aos rigores da lei) e pior: ameaçou o Ministério Público de “supressão de poder” caso os procuradores insistissem nas investigações, justamente o MP, uma das poucas instituições atuantes do país justamente numa área onde temos mais carência, que é combate a corrupção. A ameaça surtiu efeito, pois até o MP parece ter tirado o time de campo nas investigações sobre as graves acusações contra o clã Sarney, mesmo depois das provas incontestáveis divulgadas pela imprensa. Para sepultar definitivamente o assunto, o “Pelé da Política”ainda deu uma jogada de “mestre” ao lançar o projeto de Pré-sal às vésperas do Congresso entrar de férias, justamente em um momento em que a sociedade começava a se mobilizar diante dos desmandos do Senado. Como resultado, até hoje o Estadão está censurado. E onde está o presidente que não dá um pio sobre o assunto? Justamente ele que gosta tanto de falar…

      Bom, agora que o caldo entortou na disputa pelos royalties do petróleo, mais uma vez ele muda o discurso e pede para que a discussão sobre o projeto (que foi encaminhado em regime de urgência) seja adiada para o próximo ano, já que a emenda Ibsen o colocou em uma saia justa na briga entre os estados produtores e não produtores. E ainda teve a cara-de-pau de atribuir a mundança de opinião sobre a urgência do projeto ao calendário político!!!!

      Enfim, poderíamos hoje ter um presidente isento no poder, que contribuísse para o debate do futuro do país, e não um populista que aproveita cada momento para se promover e, como sempre, atacar seu antecessor, a quem ele deve muito.

      Quanto às ações da PF de fato ela melhorou. Se o diretor que Lula nomeou é mais competente, palmas para ele. Mas isso não exime o PT das falcatruas apuradas. E o fato de vc não citar o que eu citei não significa que coloquei palavras na sua boca. Citei apenas fatos. Se vc discorda, poste aqui seus argumentos. Agora, se vc vai continuar me enquadrando e rotulando, não me incomodo. As pessoas que vem aqui que tirem suas conclusões.

      Quanto ao fator previdenciário, não entendi onde vc quis chegar, pois primeiro vc se espantou com as minhas colocações e, quando esperava pelo menos um argumento contrário, aí vc falou de injustiças cometidas por FHC (e continuadas por Lula, vale salientar), mudou de assunto descambou para as privatizações e toda aquela lenga-lenga que o PT adora citar, mas que no poder continua a repetir, mesmo depois de privatizar estradas, um dos mais lamentáveis erros de FHC.

      Por fim, amigo, todo o “legado” que vc citou do seu “Pelé” da política, quando contextualizados os méritos do governo são bem menores do que vc acredita. Se ele não tivesse esta obsessão de transformar as próximas eleições num plebiscito entre os que o idolatram e os que o combatem sua idoloatria, hoje poderíamos estar num debate mais racional e menos emotivo, poderíamos estar discutindo o futuro e não o passado, poderíamos estar discutindo idéias e não questiúnculas políticas. O medo dele (lula) é que a oposição vença as próximas eleições e o Brasil continue remando a favor do vento como nos últimos anos. Aí teríamos um outro patamar de comparação. Ou seja, tudo que Lula não quer já que isto o tiraria da categoria de “mito”. Por isso que ele tenta a todo custo lançar projetos megalomaníacos para os próximos presidentes, pois assim o sucessor entra com a responsabilidade de concretizar algo que ele já capitalizou os dividendos políticos. Se conseguir, não terá feito mais que a “obrigação” já que o “Pelé da política” deixou tudo “encaminhado”. Se falhar, claro, é porque é incompetente, o que fortaleceria sua posição de “mito”, sua verdadeira motivação em todo este processo.

  23. Abbud says:

    David, apenas para refletir sobre o seu Pelé:

    1- O que LULA fez de diferente e melhor do que FHC? que reformas LULA fez? poderia me citar uma?

    2- Por que não temos notícia de nenhum, absolutamente nenhum, ex beneficiário do bolsa familía, seria este um programa eterno de dependencia social e compra de votos? Voce sabia que no Ceará nenhuma empregada doméstica quer mais ser registrada para nao perder o beneficio do bolsa família? é este o caminho correto para uma sociedade justa?

    3- O que reduziu mais a pobreza o plano real ou o bolsa família?

    4- Voce é contra ou a favor das privatizações? Venezuela, Cuba,Argentina e Bolivia são exemplos a serem seguidos?

    5- Voce concorda com a tese de que FHC so deixou uma herança maldita e nada de bom foi feito?

    Se responder estas questões de forma imparcial verá que esta equivocado em seus comentários até agora.

    Abraços

  24. Tuiuiu says:

    Blog muito bom. Análises verdadeiras baseadas em fatos concretos (e ñ ideológicos) precisam ser feitas, para podermos entender a situação real do país e, assim, cobrarmos ações de forma correta, independente de quem esteja governando. Abaixo À lavagem cerebral e vivas a principios éticos e democráticos.

  25. Sandro says:

    Amilton, parabéns pelos textos! são de altíssima qualidade técnica! fazia horas que procurava textos comparando os governos FHC e LULA como você o fez, ou seja, contextualizando os números e comparando os projetos e as conjunturas pelos quais cada um estava inserido! Ótimo mesmo! Já estou te seguindo no twitter e te indiquei para toda a minha lista de contatos! sugiro que escreva sobre nosso futuro agora, mostrando possíveis desdobramentos de um governo Dilma ou Serra. Você é economista? Onde mora? Grande abraço e continue nos brindando com a sua lucidez!

    • Obrigado Sandro,

      Se não houvessem tantas mentiras sendo repetidas o tempo todo pelo marketing oficial, certamente meus posts seriam mais centrados no futuro. Vou tentar arranjar um tempinho para escrever o post sugerido.

      Não sou economista. Sou um jornalista de formação, mas já faz uma década que mudei de área e hoje sou programador. Moro em Olinda, PE.
      Abraço

  26. Tiago says:

    É notório que as conclusões de seu email são equivocas e cheio de vícios, não corresponde à realidade, nada BROTA DO ASFALTO! Tudo tem um motivo por trás, já imaginou se Lula fica inerte diante das dificuldades herdadas da era FHC, ou seja, não vou investir pq não temos dinheiro, não vamos aumentar o salário.. veja que a realidade hoje, com toda certeza, seria muito pior que da era FHC. Mas ele não ficou lamento e faz ações concretas que mudou a realidade do Brasil Qualquer estudioso político sério e responsável, vai apontar lula como um dos grandes presidentes que já tivemos. Acho que até o próprio FHC acha isso! FHC teve oportunidade em seu segundo mandato de fazer um bom governo, mas não o fez, por incompetência ou falta de interesse, agora através de pessoas alienadas, tenta tirar os avanços obtidos no governo lula! Realmente não consigo entender pq!!

    • Tiago,

      Entendo vc porque também já fui “doutrinado” e “cheio de vícios”. Ao contrário do que vc pensa, não sou nenhum instrumento usado pela “direita golpista” como vcs doutrinados adoram pichar todas as pessoas que criticam este personagem Lula. Sou independente, não recebo um centavo de ninguém. Portanto, as idéias que posto aqui são resultantes de muita observação, de muita decepção e do acompanhamento diário da economia e das ações do presidente e não de um alienado qualquer “formado” através dos sites financiados pelo Governo. Aliás, se tem um grupo político neste país que trabalha intensamente para alienar a população este grupo é do PT com sua incrível máquina de publicidade.

      Em uma coisa tenho que concordar com vc. Nada brota do asfalto. O dinheiro que Lula faz a festa da gastança vem do trabalho dos milhões de brasileiros que pagam uma das maiores cargas tributárias do mundo. A contrário do que vc pensa, o sucesso de Lula é decorrente do sucesso da economia brasileira, e não o contrário.

      Não se engane pelo bom momento da economia hoje. Ele é fruto de um contexto histórico onde o Brasil foi amplamente beneficiado. Em bons momentos assim o Governo deveria fortalecer os fundamentos da economia que tornariam o nosso crescimento sustentável a longo prazo. Ao invés disso, o Governo atual queima todas as fichas que tem para promover um crescimento artificial, jogando a conta para o sucessor. Uma crise vem por aí e ela vai cair nas mãos do sucesso por causa da irresponsabilidade do governo atual que pensa mais nas eleições do que no próprio país.

      Mas pode ficar tranqüilo, pois sua candidata vai vencer e então vc vai ver um filme que já vi aqui em Recife: o sucessor fabricado herda a conta da arrumação da casa depois da festa e começa a se distanciar do tutor até transformarem-se em adversários. Talvez quando este dia chegar vc lembre de alguma coisa que leu no blog do alienado aqui.

  27. Tiago says:

    Nao concorda com nada que vc fala! O seu próprio texto já respondeu tudo, esses problemas apontados foram apenas alguns que o Governo Lula deu solução. Ou você acha que eles desaparecem do nada. Veja que o próprio governo FHC tinha conhecimento dos fatos que impediam o crescimento do Brasil e permaneceu inerteSeu texto falou tudo, na era FHC não existiam condições mínimas para atrair investidores estrangeiros. Mas o Lula não permaneceu inerte e irresponsável como FHC fez durante oito anos, vendo o problema na sua frente e fingindo de galinha morta. O lula através de varias iniciativas, como: PAC, aumento significativo nos salários, projeto de habitação, diminuição do IPI em produtos que aquecerem o mercado interno quando o mercado externo estava em crise, o tão criticado por vc bolsa família, deu dignidade e fez movimentar a economia local, investimentos em infra-estruturas, entre outros diversas iniciativas tomadas pelo governo lula geraram um avanço que digo sem medo de errar, NUNCA JAMAIS VISTO! citei apenas algumas que ele concretizou para reestruturar a economia brasileira. NÃO EXISTE MILAGRE!! Além disso, sua figura carismática e seu poder de verdadeiro chefe de Estado conseguiu conquistar a confiança de vários investidores estrangeiro. ANTIGAMENTE falar em investir no Brasil era sentença de morte! Lula conseguiu mudar essa realidade o famoso Lulinha paz e amor com toda certeza conseguiu mudar isso, nos sabemos que o mercado é feito de especulação, Lula conseguiu mudar a imagem do Brasil do inferno para o paraíso, as vezes até além da realidade. Não importa, o que de fato ocorreu é que ele conseguiu passar a imagem que o Brasil da certo, que no Brasil é seguro investir, coisa que passou longe do governo FHC…
    É muito engraçado falar que no FHC não existia dinheiro para investir que a economia não era estabilizada, meu DEUSSSSS!! Mas o problema todo sabe qual é, a diferença entre o FHC e Lula é que o Lula teve capacidade de mudar essa realidade coisa que o FHC não teve, não da pra justificar a incompetência do FHC em cima da realidade que ele mesmo criou.

    • Tiago,

      Não me leve a mal, mas vou ter que ser bem didático para te passar algumas coisas bem elementares sobre economia, pois só assim vc vai entender alguma coisa dos meus posts.

      Sabe aquele ditado popular que diz “dinheiro chama dinheiro”? Pois é, difícil é começar um negócio, mas depois que as coisas começam a andar, tudo se encaminha mais rapidamente.

      Levando este pequeno exemplo do dia-a-dia para a macroeconomia, acontece algo semelhante. Lula foi o primeiro presidente a assumir depois de duas décadas sem ter como principal desafio combater a inflação. Isto significa que ele pegou a “empresa” em um momento privilegiado. Não só por herdar a tão sonhada estabilidade (condição básica para o crescimento sustentável), mas também pelo ótimo momento da economia mundial que teve seu PIB praticamente duplicado entre 2003 e 2008, isso depois de passar os oito anos de FHC praticamente estagnada.

      Citando mais um exemplo do dia-a-dia, imagine que um pai de família ganhasse R$ 1.000 em 1995 para sustentar uma família de quatro pessoas. Difícil, né? Agora imagina este mesmo pai de família 16 anos depois, agora com um salário de R$ 10.000 para sustentar a mesma família com mais um membro. Claro que teve a inflação do período que devemos considerar, mas, convenhamos, ficou bem mais fácil administrar esta família, não?

      Pois bem, foi exatamente isso que aconteceu com o Brasil. FHC pegou o Brasil com um PIB de R$ 330 bilhões e a entregou com R$ 1,5 trilhão. Por sua vez, Lula vai entregar o Brasil para o sucessor com um PIB de R$ 3,3 trilhão, enquanto que a população aumentou apenas 24%.

      Ou seja, qualquer comparação que se faça entre os dois governos deve ser contextualizada, pois as realidades, como vc pode ver, são bem diferentes.

      Agora a parte trágica da historinha: o pai de família citado, mesmo com o aumento tão expressivo do salário continua comprometendo 30% de sua renda mensal juros do cartão de crédito. Pior: sua dívida continuou crescendo na mesma proporção dos tempos mais difíceis, quando ganhava apenas R$ 1.000,00! Ou seja, um péssimo administrador, pois aumenta os gastos num ritmo superior ao aumento do salário.

      Portanto, sugiro que vc leia os posts sobre os comparativo entre FHC e Lula (http://visaopanoramica.net/category/comparacoes-lula-x-fhc/), já que parece que vc não leu nada. Se tiver um tempinho, leia também os debates com os leitores, pois vc vai ver que todos estes seus “argumentos” já foram exaustivamente debatidos.

  28. Cristhian says:

    Parabéns, Ha muito procuro textos como os seus, bem defendidos e com maestria transcrição dos fatos. Meu primeiro contato foi com o post: Comparação Lula x FHC.

    Os comentários são estarrecedores, vê-se com nitidez o que o icônico atual presidente produziu na mente do cidadão, inverdades, injurias e alienação, mais do que ele próprio supunha ser possível.

    Um forte abraço,

  29. Pingback: Tweets that mention Quem sou « Visão Panorâmica -- Topsy.com

  30. Bartolo says:

    Oi Amilton,

    “Em 2010, o Bird afirmou que o país avançou na redução da pobreza e distribuição de renda. Segundo a entidade, apesar da desigualdade social ser ainda elevada, conseguiu-se reduzir a taxa de pobreza de 40% em 1990 para 9,1% em 2006, graças à avanços perpetrados pelos governos Collor, Itamar, FHC e Lula. Os maiores motivos para a redução teriam sido a inflação baixa e os programas de transferência de renda. No mesmo ano, estudo da economista Sonia Rocha, do Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade (IETS), mostrou que o porcentual de pobres caiu de maneira sustentável no Brasil entre 2004 e 2008, durante o governo Lula. O levantamento, que teve como base os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), do IBGE, apontou que a proporção de pobres no País caiu de 33,2% para 22,9% no período pesquisado”

    Pelo que entendo você se recusa a dar crédito ao Lula pela redução da miséria e pobreza no país. Tudo seria consequência da boa cama deixada por FHC para seu sucessor.

    Perguntas a você e todos os seus seguidores: Vocês acreditam que se FHC tivesse emplacado seu sucessor pelos mesmos 8 anos que se passaram, teríamos números tão positivos nesta questão, uma vez que esse nunca foi o foco de seu pensamento, muito menos de seu governo?

    Incoerência: Se os méritos do Bolsa-Família são de FHC, porque foi tão criticado pelos tucanos nestes 8 anos de péssima oposição e porque agora o Serra fala em aumentar o número de famílias impactadas? E porque só foi implantado em 2001, em seu último ano de governo?

    A única coisa que move a oposição hoje é o medo e o preconceito. Até hoje não enguliram o fato do Lula ter feito o que fez e ter se transformado em um símbolo mundial como um dos maiores estadistas da história. A oposição, para ser boa, deve ter uma motivação maior, que altere seu estado de espírito. Algo que transcenda o indivíduo. E hoje a oposição não tem nada assim. Apenas questões mesquinhas, de méritos… De seus computadores, postados em suas cadeiras, analisam os fatos de forma fria. Vão conhecer o Brasil, entendam o porque essa devoção que o povo tem pelo presidente. Vão ver a miséria de perto, vão conversar com essas pessoas, entender suas necessidades, seus anceios. Vão ver o que eles são capazes de fazer com R$ 200,00, que muitos chamam de bolsa esmola. Até gerar emprego este dinheiro gera. Dar uma volta por aí talvez ajude a abrirem-se novas idéias, novos horizontes, mais humanos e menos técnicos.

    • Olá Bartolo,

      A citação que vc postou salienta tudo que sustentamos aqui. O progresso verificado no Brasil nos últimos anos é resultante do acúmulo de conquistas somadas nas últimas décadas, principalmente a partir da abertura da nossa economia.

      De fato, durante o governo Lula houve uma aceleração deste processo. Isto é inquestionável. Porém, tais números devem ser relativizados, pois de um modo geral, todos os emergentes tiveram expressivas reduções da pobreza nos últimos anos. Ou seja, qualquer que fosse o presidente seria beneficiado com tal cenário, turbinado com uma combinação virtuosa de valorização das commodities, seis anos e meio de estabilidade sem crises internacionais e como aporte recorde de capitais na nossa economia, principalmente a partir do momento em que fomos incluídos no grupo BRICs, além da consolidação da estabilidade, condição básica para um crescimento sustentável.

      O fato dos programas sociais que originaram o Bolsa Família terem sido implantados nos dois últimos anos de FHC tem a ver com a disponibilidade de recursos. Afinal a toda a era FHC foi caracterizada por uma luta constante contra as pressões inflacionárias, cambiais e orçamentárias, já que houve uma explosão da dívida decorrente deste processo. Para saber um pouco mais sobre este assunto, sugiro que leia a última parte da série “Lula e a dívida pública”: http://visaopanoramica.net/2009/10/31/lula-e-a-divida-publica-final/

      Sobre as promessas de Serra, tenho que concordar com vc pois ele está exagerando nas promessas. Aliás, acho lamentável todo este processo eleitoral iniciado há três anos com o lançamento da “mãe” do PAC. O ufanismo criando pela máquina de marketing do PT que faz tudo parecer muito melhor do que realmente é (e em contrapartida tudo que é da oposição infinitamente pior) levou ao PSDB a fazer esta campanha ridícula de continuidade.

      Particularmente, acho que seria mais salutar para o Brasil e para a oposição (mesmo que isso levasse a uma derrota na eleição) falar a verdade, contextualizar todas as conquistas do PT, como fazemos aqui, e não ter medo de alertar sobre os problemas futuros decorrentes da política imediatista de Lula. Por isso ninguém fala dos reais problemas do país nesta campanha, pois o Governo vai sempre pintar um mar de rosas para o futuro e a oposição não quer parecer pessimista e assim remar contra o sentimento ufanista alimentado pelo populismo lulista. E então temos este retrocesso eleitoral que assistimos agora, inclusive com um presidente se comportando como cabo eleitoral, fazendo comícios todos os dias, numa total afronta às leis e instituições. A questão ética, nem falamos mais, pois esta foi relegada ao décimo plano.

      Este é, sem dúvida, um dos principais legados de Lula. A oposição lamentavelmente está aprendendo a lutar com as armas do PT. Uma lástima!

      Ps.: se vc quiser ver quais os reais problemas brasileiros, sugiro a nova série “Os desafios do pós-lula”: http://visaopanoramica.net/2010/10/10/os-desafios-do-pos-lula-macroeconomia/

  31. David Andrade Monte says:

    Olá

    A constante tentativa de desconstrução das realizações dos governos que antecederam a trupe petista, por sí só, é forte indício de possível “mexicanização do partido único”, ou pior: a entronização e o endeusamento de “personas a la Cuba”…

    Portanto, caros, “DESCONTINUÍSMOS NELES!”

    Sds/

    David Andrade Monte

  32. Marcelo says:

    Se está preocupado com os gastos públicos e com a ética, então, deve conhecer o deputado mais votado do Brasil (proporcionalmente), JOSÉ ANTÔNIO REGUFFE, natural do Rio, e que pode puxar uma onda ética no Congresso. Ele abriu mão de salários, verbas e acessores; e diz que um mandato de qualidade não precisa de tanto dinheiro, mas sim, boas idéias.
    Melhor ainda: defende o voto distrital e financiamento público de campanha mas não entregando dinheiro na mão de partidos e candidatos. Como o dinheiro é público, defende a licitação para UMA empresa fazer os “santinhos”, outra para a produção de vídeo, e assim, TODOS OS CANDIDATOS TERIAM O MESMO ESPAÇO E IDENTIDADE VISUAL NA PROPAGANDA. A grande vantagem, portanto, é que a diferença na propaganda estará no CONTEÚDO.
    E mais, defende que uma promessa de campanha pode ser exigida em juízo, e o descumprimento da oferta implica em perda do mandato.
    Isso não passa no Congresso, mas existem mecanismos de democracia DIRETA, e se passou a ficha limpa, quem sabe a sociedade não consegue outra lei de iniciativa popular…

    Veja matéria abaixo da ISTOÉ.

    JOSÉ ANTÔNIO REGUFFE
    Um homem ficha limpa

    Dono da maior votação proporcional do País, José Antônio Reguffe chega à Câmara disposto a reduzir o salário dos deputados e o número de parlamentares no Congresso

    Adriana Nicacio, Hugo Marques e Sérgio Pardellas

    Aos 38 anos, o economista José Antônio Reguffe (PDT-DF) foi eleito deputado federal com a maior votação proporcional do País – 18,95% dos votos válidos (266.465 mil) no Distrito Federal. Caiu no gosto do eleitorado graças às posturas éticas adotadas como deputado distrital. Seus futuros colegas na Câmara dos Deputados que se preparem. Na Câmara Legislativa de Brasília, o político desagradou aos próprios pares ao abrir mão dos salários extras, de 14 dos 23 assessores e da verba indenizatória, economizando cerca de R$ 3 milhões em quatro anos. A partir de 2011, Reguffe pretende repetir a dose, mesmo ciente de que seu exemplo saneador vai contrariar a maioria dos 513 deputados federais. Promete não usar um único centavo da cota de passagens, dispensar o 14º e 15º salários, o auxílio-moradia e reduzir de R$ 13 mil para R$ 10 mil a cota de gabinete. “O mau político vai me odiar. Eu sei que é difícil trabalhar num lugar onde a maioria o odeia. Quero provar que é possível exercer o mandato parlamentar desperdiçando menos dinheiro dos cofres públicos”, disse em entrevista à ISTOÉ.

    • Marcelo,

      Já vi uma entrevista do deputado Reguffe e fiquei também muito bem impressionado. Este, pelo menos até aqui, é um exemplo a ser seguido. São posturas como estas que nos animam a continuar por aqui debatendo exaustivamente. Espero sinceramente que o deputado consiga manter-se limpo em meio a tanta sujeira que terá que se defrontar. Todos os brasileiros que esforçaram-se na aprovação do Ficha Limpa devem agora acompanhar de perto tais iniciativas do nobre deputado. Que ele seja mais um voz na defesa da ética na política.

  33. Anderson Tiago says:

    Olá Amilton;

    Parabéns pelo seu site sou um representante do mundo jovem que ainda possui um pouco de esperança em um Brasil realmente justo e menos escravo da corrupção (acho que minha pouca idade e pouca experiência ainda não foram o suficiente para apagar esse rastro de esperança…rs). Embora tenha que concordar que sai de seu site muito mais bem informado, muito mesmo por que tive respaldo em números que comprovassem o que era escrito, tenho que afirmar que também sai com uma grande impressão que seu site é Pró FHC e Contra LULA, sua imparcialidade ficou um pouco abalada, não terminei de ler todos os post, mas creio que li uma quantidade suficiente para dar tal afirmação.
    Digo-te que isso deixa seu site com menos credibilidade, mas esse é um ponto franco em meio a muitos pontos fortes, já que seus textos e mais ainda os comentários de vários internautas, fazem com que seu site se torne uma grande fonte de informação.
    Minhas congratulações pelo seu conteúdo foram de muita utilidade para mim. Estou me formando em Ciências Contábeis por uma faculdade do Tocantins e seus comentários sobre a história da nossa evolução econômica me deram mais segurança para dar a Cezar o que é de Cezar, muito obrigado por isso.

    Um forte Abraço!

    • Olá Anderson,

      “Dar a Cezar o que é de Cezar”. Isto explica o porquê tenho defendido tanto o legado de FHC e, ao contrário, combatido o populismo lulista. É uma forma de contrabalançar o marketing oficial que tenta, a todo momento, endeusar Lula e demonizar FHC.
      Obrigado pelos elogios. São leitores como vc que me dão força para continuar gastando parte do meu tempo nesta jornada.

  34. Eudalia Torres says:

    Caro Amilton, lendo tudo o que falou sobre os desafios do proximo presidente (Pós lula), que pode ser a Dilma ou o Serra, são de um conhecimento e de uma coerencia inquestionável…um “Acorda Alice” aos eleitores Brasileiros, para enxergarmos o que o futuro nos reserva… Parabéns, vou indicar seu blog aos meus amigos do Facebook …

  35. adilson carvalho says:

    Amilton, antes de agradecer você preciso agradecer o inventor da internet, depois agradecer o chefe do poder executivo que baixou o Decreto nº 2.534 de 02/04/1998 aprovando o Plano Geral de Outorgas de Serviço de Telecomunicações prestado no regime público o que nos dias de hoje permite aos brasileiros terem oportunidade de realizar suas devidas pesquisas e sair do mundo alienado da grande mídia, enfim, quero finalmente agradecer sua pessoa por criar grande oportunidade de agregar valiosa cultura sobre política econômica inclusive para aqueles que são leigos como eu,Parabéns!!!!

  36. José Emílio Gomes says:

    “Visão Panorâmica”…leitura obrigatória a partir de hoje…
    Parabéns e obrigado .

  37. yonara says:

    Postagens escalrecedoras… hj ao meio-dia discuti com um irmão por tentar fazê-lo ver que o governo Lula hj não é simplesmente um salvador da pátria como a ele se refere! Não sou pró-ninguém, sou do Brasil! E não consigo entender como certas pessoas ficam tão fanatizadas e cegas. Poxa, é evidente que o nosso país vem errando por muito tempo e não há como negar que de uns anos pra cá (leia-se Itamar e depois FHC), começamos a respirar melhor! Mas tem certas pessoas que não lêem e simplesmente preferem falar mal do FHC, por exemplo, sem argumento algum!! Eu sou a favor do Brasil e acho que tanto ele (FHC) quanto Lula, tiveram seus méritos e desméritos. O que me irrita é alguém achar que o Lula foi um cara que chegou e mudou tudo no país e por isso melhoramos tanto. Não! As mudanças começaram aos poucos, mas é difícil conversar com alguém sem ter dados. Então foi por isso que procurei a internet. Mandei o link deste blog para meu irmão pra ver se ele consegue ver com outros olhos a política brasileira que, com certeza, não ficou muito melhor somente por causa do Lula. Saliento que não sou contra o nosso atual presidente, até já votei nele mais de uma vez!! Só acho que ele não foi, definitivamente, o salvador do Brasil. Acho injusto não creidtar ao FHC, por exemplo, as boas coisas que fez. Pessoas que gritam, perdem a razão, e é isso que me incomoda em alguns petistas que sempre me parecem foras de si mesmos. Vou continuar acompanhando os fatos. Abs, Yonara

  38. Fabio CR says:

    Amilton,

    Parabéns pelo blog.

    Saiba que você realizou o que eu sempre tive vontade de fazer: uma análise detalhada de nossa história econômica recente de modo a dismistificar a auto-propaganda do governo atual.

    Faço votos de que continue nessa luta pela democracia, por um governo responsável e competente e por um país melhor para todos.

    Abraço.

  39. Amilton,

    Parabéns pelo blog. As informações contidas aqui não se encontram com facilidade nos outros lugares. É bom analisar as falácias por trás do discurso de que Lula foi responsável pelo “crescimento econômico com distribuição de renda”!

    Eu andei lendo os comentários e tive algumas dúvidas:

    1) Você disse: “Porém, 85% da divida deixada por FHC foi decorrente da resolução de problemas que vieram à tona com a queda da inflação, como o repasse de R$ 275 bilhões de dívidas dos Estados e municípios em troca da aprovação da Lei de Responsabilidade Fiscal; R$ 70 bilhões para o saneamento e fortalecimento de bancos estatais que hoje esbanjam saúde e que ajudaram o país a passar bem pela única crise que Lula enfrentou; R$ 143 bilhões dos passivos contingentes dos “esqueletos” que vieram à tona com a queda da inflação.”

    – Você pode me indicar a fonte dessa informação?
    – O que significa esse “saneamento” dos bancos? Esse dinheiro é injetado neles para quais fins precisamente?
    – O que são esses equeletos que vieram è tona com a queda da inflação?

    2) Em outro momento, você diz que a arrecadação de impostos no governo Lula é mais de 100% superior à arrecadação durante o governo de FHC.

    – você tem algum link que mostra essa evolução?

    3) É comum encontrarmos na mídia gráficos da dívida/PIB e carga tributária/PIB. Eu vejo que a variável exposta dessa forma torna-se mais “bonita” para Lula, pois o PIB esteve mais alto no seu governo. Além disso, se as riquezas do brasil são mais criadas pela iniciativa privada e as dívidas são mais provocadas pelo governo federal, vejo que me parece um pouco injustas essas variáveis.

    – Qual a sua opnião sobre isso?

    4)É frequentemente dito que a estabilidade econômica trouxe mais investidores estrangeiros para cá.

    – O que seriam exatamente esses invetidores? Mais bancos se instalaram aqui? Mais título de crédito foram cedidos? Qual a vantagem desse crédito cedido? Já não temos grupos estrangeiros que cedem créditos?
    – A iniciativa privada se dinamizou com essas medidas? De que forma? Quais setores exatamente?

    Gostaria de discutir essas questões, entre outras.

    Abraços,

    Paulo Segundo

    • Olá Paulo Segundo,

      Obrigado pelos elogios.

      Como estou sem tempo agora, vou te citar alguns links do blog onde vc vai encontrar as respostas que procura.
      Sobre o item 1) http://visaopanoramica.net/2009/10/31/lula-e-a-divida-publica-final/

      Sobre o item 2, o raciocínio é o seguinte: de 1995 até 2010 o PIB brasileiro pulou de R$ 350 bilhões para R$ 3,5 trilhão. Ou seja, aumentou 1000%, enquanto que no mesmo período a população brasileira aumentou 25% e a inflação foi de 90%. Além do mais a carga tributária em 1995 era de 29% e hoje de 38%. Ou seja, o governo hoje tem muito mais dinheiro para administrar para uma população que cresceu muito pouco.

      Sobre o item 3) http://visaopanoramica.net/2009/10/24/lula-e-a-divida-publica-parte-9/

      Sobre o item 4, houve uma verdadeira enxurrada de dólares para cá, a partir do momento em que o termo BRIC começou a ser popularizado. Para um país com as contas deficitárias como o nosso o financiamento externo é essencial, porém não deveria se estender indefinidamente. O problema é que o governo atual se acostumou com esta facilidade e andou aumentando os gastos pensando que esta bonança será para sempre. Os primeiros resultados negativos desse processo já começam a serem sentidos com o problema do câmbio os crescentes déficits das contas externas. Sugiro que leia o post “Os desafios do pós-Lula”, onde dou algumas pinceladas sobre as contradições da nossa macroeconomia atual.

      Abraço e volte sempre.

  40. Paulo Pedro Xavier says:

    Aquino.

    O texto abaixo desmonta TODOS os seus argumentos pró-FHC.

    O plano Real não derrubou a inflação e sim uma deflação mundial que fez cair as inflações no mundo inteiro. A inflação brasileira continuou sendo uma das maiores do mundo durante o seu governo. O real foi uma moeda drasticamente debilitada. Isto é evidente: quando nossa inflação esteve acima da inflação mundial por vários anos, nossa moeda tinha que ser altamente desvalorizada. De maneira suicida ela foi mantida artificialmente com um alto valor que levou à crise brutal de 1999. Outro mito é que seu governo foi um exemplo de rigor fiscal. Um governo que elevou a dívida pública do Brasil de 60 bilhões de reais em 1994 para mais de 850 bilhões, oito anos depois, é um exemplo de rigor fiscal?

    O artigo é de Theotonio dos Santos.
    (Professor Emérito da Universidade Federal Fluminense, Presidente da Cátedra da UNESCO e da Universidade das Nações Unidas sobre economia global e desenvolvimentos sustentável. Professor visitante nacional sênior da Universidade Federal do Rio de Janeiro) e também amigo pessoal de FHC.

    Leiam o artigo completo:
    http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=17113

    • Paulo Pedro Xavier,

      Este cara pode ser chamado de tudo, menos de amigo de FHC. Seu texto exala ódio e a cegueira típica dos radicais de ambos os lados desta irracional disputa eleitoral. Vamos então aos argumentos.

      Primeiro “mito” (e o mais importante que sustenta a fantástica teoria de que “o plano Real não derrubou a inflação e sim uma deflação mundial que fez cair as inflações no mundo inteiro”).

      Só para relembrar, o argumento do cidadão é que até “até 1993 a economia mundial vivia uma hiperinflação na qual todas as economias apresentavam inflações superiores a 10% e, a partir de 1994, TODAS AS ECONOMIAS DO MUNDO APRESENTARAM UMA QUEDA DA INFLAÇÃO PARA MENOS DE 10%”. Ora, primeira coisa que chama a atenção: ele NÃO fala o quanto é superior a 10%, nem tampouco o quanto é inferior a 10%. Logo, a “hiperinflação” superior a 10% pode ser 11%, da mesma forma que “deflação” pode ser 9%. Ou seja, temos aí uma variação de 2% percentuais que se encaixa perfeitamente na fantástica teoria do Theotonio e que não teria a menor interferência na nossa taxa de inflação.

      E mesmo que houvesse de fato uma drástica queda na média da inflação mundial no referido período, isto também não provaria absolutamente nada, pois os índices de inflação podem variar exponencialmente de país para país, sendo que um plano econômico bem sucedido em um determinado país, por exemplo, poderia baixar inflações de mais de 1000% ao ano para menos de 10% em poucos meses, o que, por sua vez, baixaria sensivelmente a média da inflação mundial. E nem por isso esta queda da média da inflação significaria uma queda na nossa inflação, pois cada país tem seu próprio processo inflacionário, com suas peculiaridades.

      Continuando sua “brilhante” argumentação, o “amigo” de FHC repete uma das mais manjadas retóricas petistas, a de que FHC segurou o cambio fixo para ganhar as eleições.

      Primeiro, o cambio não era fixo, e sim semi-fixo. Tanto que a paridade dólar Real que começou em 0,85 centavos de dólar variou para 1,2 no momento da mudança do regime cambial para o flutuante, em 1999. Tentando ainda confundir o leitor ele afirma o seguinte “O fato é que quando você flexibilizou o cambio o real se desvalorizou chegando até a 4,00 reais por dólar”. Ora, quando ocorreu a flexibilização do regime cambial o dólar subiu de 1,2 reais para 2 reais, bem diferente dos 4 reais que o “amigo” de FHC tenta induzir o leitor a acreditar. Os 4 reais a que ele se refere só veio a ocorrer dois anos e meio depois da mudança do regime cambial, como conseqüência da chamada “Crise Lula”.

      Segundo, FHC não precisava segurar o cambio para ganhar as eleições. Tanto é que ganhou já no primeiro turno.

      Sobre o segundo “mito”, não vou perder muito meu tempo, pois já falei demais sobre isso aqui. Sugiro que leia então o artigo http://visaopanoramica.net/2009/10/31/lula-e-a-divida-publica-final/

      Vale salientar que o “amigo” de FHC cita a dívida interna deixada por FHC no valor de R$ 820 bilhões, valor este que contabiliza também os títulos em poder do BC. Se fosse considerada a mesma metodologia na contabilidade da dívida atual (já que o governo lula mudou a metodologia em 2007) esta estaria em mais de R$ 2,3 trilhões (até agosto).

      Sobre este terceiro mito, confesso que nunca ouvi falar. Ora, a ameaça Lula só ocorreu em meados de 2002. No entanto, o nobre intelectual volta novamente a 1999 para repetir a velha bravata sobre os empréstimos do FMI. Ora, se o FMI é assim tão pernicioso, por que então Lula agora empresta dinheiro ao órgão (mesmo comprometendo o equivalente a 35% da nossa arrecadação com juros e rolagens de dívidas)? Se o FMI é explorador, então por que financiar um explorador?

      Para finalizar, o nobre intelectual admite aquilo que falamos aqui o tempo todo: estamos passando por um processo populista. Se dirigindo a FHC ele fala o seguinte: “Vocês vão ter que revisar profundamente esta tentativa de encerrar a Era Vargas com a qual se identifica tão fortemente nosso povo”. Ou seja, Lula é o novo Vargas.

      Abraço,

      • Amilton, nem precisava responder esse suposto amigo do FHC. Seus posts já responderam Theotonio dos Santos antes mesmo de ele pensar a escrever tais retóricas de palanque petista. Aqui se vê o exemplo clássico do carro na frente dos bois, ou seja, a resposta antes da pergunta.

  41. Amilton,
    Eu gostaria que você explicasse aquela ladainha de que o país “quebrou” 3 vezes no governo FHC (até o Ciro costuma falar dessas tais quebras. Pelo que eu saiba (e como vc mesmo postou no blog), o Brasil quase quebrou, mas não quebrou, passando ileso pelas várias crises que sofreu (mexicana, asiática, russa, argentina). Por que dizem? É porque no tempo das crises o governo teve que recorrer ao “maldito” FMI? O mesmo FMI que hoje Lula não só não deu calote , como o “pagou”, repassando a dívida externa pela interna, (ou seja,trocando seis por meia dúzia).

    Sugestão: Gostaria que vc fizesse um post sobre os principais governos da República (GV, JK, REgime militar, FHC, Lula), mostrando lados positivos e negativos de cada um, para termos uma ligeira visão de política macroeconômica dos últimos 100 anos, e ver o que o futuro nos espera.

    • Olá Gilx,

      Quebrar significa o país não ter condições de honrar seus compromissos, principalmente em relação à dívida pública, ou que passe por uma crise tão profunda que esta se irradie por outros países, como acontece com a Grécia hoje. Chegamos perto, mas felizmente fomos um dos poucos países emergentes que não sucumbiram e replicaram a onda de crises da década de 90. Os empréstimos que fomos obrigados a fazer na década passada foram justamente para evitar os riscos de uma moratória, o que caracterizaria de fato uma quebra.

      O caso do Ciro Gomes é parecido com o do Theotonio, que respondemos no último comentário. Puro ressentimento. Ciro, que foi ministro de FHC, esperava ser o seu sucessor. Quando foi preterido, saiu disparando, como é de costume.

  42. Leandro Maciel says:

    Oi Amilton,

    achei este blog ao acaso no google, qdo procurava um texto semelhante no wikipedia, e vou resumir o que eu achei:

    VC É FODAO!!!

    Cara, estou na mesma faixa etaria q vc, porem nao tenho todo este conhecimento q vc mostrou em alguns artigos, apesar de me interessar muito pelo assunto e ler sempre…

    Com minha decepção no governo atual, q eu ajudei a colocar la, eu quase tomei raiva de politica mas acabo voltando a me interessar e penso seriamente em entrar pra este meio, por parecer ser a unica forma de ter como fazer algo pelo brasil…

    Bom, estava na minha lista de desejos criar um blog assim, com a mesma ideia, contextualizar, visto q ate a biblia é leva a entendimentos errados, qdo nao é contextualizada…

    Vc merece meus parabens e meu voto caso se candidate a alguma coisa… precisamos de gente assim pra melhorar este pais lindo em varios pontos e terrivel na politica…

    um super abraço, de um novo fã..rs…

  43. Leandro Maciel says:

    so acrescentando.. estou desde +- 8 hrs da manha, lendo o artigo: http://visaopanoramica.net/2009/08/05/comparacao-fhc-x-lula/, pena q nao pude comentar la…

    mas ressalto o q escrevi no meu comentario anterior. gostei de ver q existem pessoas como vc e adoraria ve-los criando um novo partido “neutro”, q só pensasse no brasil… mas acredito ser utopia este pensamento..rs… pq somos humanos e nossos interesses pessoais sempre vao aparecer…

    mas concordo com várias coisas q vc postou naquele artigo… vc contribuiu muito pro meu conhecimento politico e economico… pena eu nao ter lido isto antes, pq teria espalhado para tudo qto é lado…

    tomara q estes artigos sirvam para melhorar a visao dos radicais…

    • Olá Leandro,

      Obrigado pelos elogios. Perceba que, apesar de toda a máquina de marketing do PT, existe ainda uma parcela da sociedade que percebe as manobras de Lula. Tenho orgulho de fazer parte desta parcela da sociedade e, apesar da perspectiva de mais uma vitória do PT, estou mais esperançoso quanto ao nosso futuro, pois achava que a Dilma venceria estas eleições de goleada. Pelo que podemos perceber até aqui, a disputa vai ser acirrada, o que mostra que muita gente está acordando para alguns assuntos que abordamos aqui.

      Outra coisa boa desta trágica eleição foi o surgimento da Marina como uma terceira via. Espero sinceramente que ela continue independente e que não se reaproxime do PT. Ela e o Aércio são os dois únicos nomes que vejo nas próximas eleições com alguma condição de enfrentar o PT.

      Também fico muito feliz em ver iniciativas da sociedade como o Ficha Limpa, o Transparência Brasil, o Adote um Vereador, entre outros, além do ótimo exemplo que surgiu das urnas, o deputado proporcionalmente mais votado do Brasil, o Antônio Reguffe, que chega cheio de boas idéias, principalmente em relação a nossa protelada mais urgente reforma política.

      Quanto a me candidatar a alguma coisa, lamento decepcioná-lo, mas não tenho a menor intenção. Primeiro, porque sou meio de pavio curto e certamente morreria de infarto de tanta briga que iria me meter. Segundo, porque sou tímido, não tenho o mesmo desempenho na oratória quanto na escrita. Terceiro, minha família detesta política. Vc não faz idéia do malabarismo que tenho que fazer para escrever neste blog.

      Sobre o post da comparação Lula x FHC, tive que encerrar os comentários a página ficou excessivamente lenta com o grande número de comentários. Já estou preparando uma nova versão, com novos dados.

      Abraço!

  44. Leandro Maciel says:

    amigo, vc tem duas formas de lutar:
    – estar no campo de batalha segurando armas e tomando tiros
    – ou ficar escondido traçando os planos estrategicos q podem garantir a vitoria

    sendo assim, se vc nao se considera bom “ao vivo” sua forma de colocar as coisas pode ser decisivo para ajudar a quem tem bom desempenho “ao vivo”. Sugiro q vc comece a pensar nisto… tente achar algum partido, talvez a turma da Marina, q compartilhe pensamentos seus… e se nao tiver nenhum, de repente, mesmo sem se filiar a nenhum, tente dar suas contribuicoes… eu tenho feito isto sempre q posso…

    bom, pra sua leitura, eu vi este artigo agora… pode ser uma coisa interessante pra vc pensar em escrever: http://www.domtotal.com/noticias/detalhes.php?notId=268877

    vamos juntos fazer uma oposição responsável.

    • Olá Leandro,

      Então vou ficar com a segunda opção, até porque meu coração não é dos melhores, não suportaria ficar na linha de frente. Ehehehhehhe!

      Discordo apenas da necessidade de filiação partidária. Não quero e não pretendo fazer isso porque acho que isto tiraria minha independência. Mas vou continuar por aqui, dentro da minha disponibilidade de tempo, claro, dando a minha contribuição.

      Quanto ao artigo, vou dar uma olhada com calma à noite.

      Abraço!

  45. Severino de Aracajú says:

    Um filminho para ensinar economia a você e a esses seus seguidores que você engana:
    http://www.youtube.com/watch?v=Ig9pE6qwzxw

    • Severino,

      Já conheço este videozinho, assim como tantos outros em que o PT criticava o que hoje defende. Coisas da política baixa que os eleitores conscientes deveriam repudiar, mas que infelizmente tomam partido e ficam se comportando como torcedores de futebol: só vêem o que querem ver. Ou seja, um lado da história.

      Neste caso, da marolinha, de fato a oposição (e especialmente o DEM) falhou feio. A crise de fato era grave e o governo fez bem seu papel de tentar tranqüilizar o máximo a população. Eu mesmo cheguei a mandar um email para o site do DEM criticando aquela publicidade ridícula na TV, pois via naquela atitude a mesma atitude que o PT teve quando o Plano Real foi lançado e tantas outras iniciativas do PSDB, uma dose de torcida pelo “quanto pior melhor”.

      Este é apenas mais um lamentável exemplo de oportunismo das oposições, de jogar no time do contra. O PT foi especialista nisso e, pode ter certeza, que se tivesse na oposição estaria cometendo o mesmo erro, lamentavelmente. O PSDB infelizmente parece que andou aprendendo também alguns vícios do PT. Portanto, é o sujo falando do mal lavado.

      Agora, neste episódio vale diferenciar o que é gasto e o que é investimento. O que os economistas aconselharam, e estavam corretos, foi o corte de gastos ou, no mínimo, não elevar os gastos fixos, algo bem diferente dos financiamentos essenciais em momentos de recessão. O governo fez investimentos, mas também continuou aumentando os gastos fixos, daí porque mesmo em seu melhor ano de crescimento Lula vai entregar o país deficitário e com uma dívida imensa.

      Felizmente, por aqui e em todos os demais emergentes, a crise de 2008 foi apenas um susto. Passada a fase de perplexidade inicial, tudo voltou ao normal e os emergentes voltaram a crescer forte, agora numa condição superior a da antes da crise, pois tornaram-se agora a “locomotiva” da economia mundial (puxados pela China, claro).

      Mas vc e tantos outros fanáticos preferem acreditar que a redução de impostos foi uma invenção do governo Lula, fazer o quê, né?

  46. lucia says:

    Prezado Amilton, gostei do seus textos. Você tem alguma página no TWITTER ou no FACEBOOK para que eu possa segui-lo e divulgá-lo nesses sites? Um grande abraço e obrigada

    • Amilton Aquino says:

      Olá Lúcia,
      Tenho sim, mas uso muito pouco, por falta de tempo. Apenas para divulgar quando posto um novo artigo. O twitter é @amiltonaquino. O Facebook não vale a pena divulgar, pois uso menos ainda. Abraço e obrigado pela força.

  47. Fabiano Oliveira says:

    Jovem Amilton,
    Em primeiro lugar parabéns pelo site. Como você sabe nunca gostei de política, talvez não dá política em si, mas da forma como ela é praticada em nosso país. Mas é muito bom os esclarecimentos trazidos por você. É um privilégio pra mim poder discutir todos os assuntos do deste site pessoalmente. Confesso que até consegui me interessar mais um pouquinho sobre a política no Brasil. É muito bom ter você como amigo, te desejo muito sucesso.

    • Amilton Aquino says:

      Obrigado pelo “jovem”! Kkkkkkkkkkkkk!
      Também considero um privilégio ter vc por perto. Abraço!

  48. Esta anotação foi feita em cima de um escrito:
    América Latina se aproveita da
    ‘década perdida’ dos EUA
    William Márquez
    Da BBC Mundo, em Washington
    …….
    Era FHC
    Acredito que não foi um cochilo de Tio Sam. Ele estava tão acostumado com as atitudes de submissão, por parte dos governantes do Brasil desde a década de 1930, que achou que tudo continuaria como nada estivesse acontecendo! Na verdade, nós os brasileiros comuns, votantes, descobrimos a dicotomia entre o discurso e a prática do Big Brother do Norte ajudado por nossos militares primeiro e políticos depois.Começou com a descoberta dos conchavos para que se efetuasse
    o golpe de 1964 e os consequentes problemas que o mesmo trouxe:estigmatização dos contrários ao regime, como terroristas e foi aí que começou a ser usado o termo, instituição das corrupções em todos os níveis da administração pública como sustentáculo necessário para validação do regime e consolidação de grandes
    grupos de mídia para servir de apoio ao regime, num
    relacionamento espúrio que perdura até hoje entre os políticos remanescentes e ela.
    No campo econômico, Tio Sam orquestrou o que chamam de
    globalização e ordenou, primeiro, o corte de qualquer subsídio para depois abrir a economia para os outros países. Só que isso tinha uma só mão e o mundo que comandou essa globalização,primeiro não se abriu a ela e segundo, tratou de criar empecilhos alfandegários aos nossos produtos protegendo os deles.O 11 de setembro em si não foi o causador do afastamento da América Latina e sim o que veio depois. No discurso The Big Brother
    do Norte é o paladino em defesa da democracia, dos direitos humanos e de sua soberania. Na prática, só a soberania dele é que prevalece, só a sua democracia de ocupação é correta e usar outros países para prender e torturar pretensos terroristas é defender os direitos humanos. Falácias serviram de pretexto para invasões, mortes e mais mortes de civis acima do que serviu
    de pretexto( crimes contra humanidade) e nesse caso, necessárias para estancar os genocídios(sic). Na realidade, pura e simplesmente busca de recursos naturais que não dispõe. Sem falar no endividamento enorme para enriquecer poucos de seu país.
    Era Lula

    A nossa mídia, ainda calcada nas bases pseudo liberais( pseudo por que não admite o contraditório então não é liberal)do seu fortalecimento, menosprezou o que convencionou de “aero Lula”.Pois bem, somente com ele a via econômica de volta se concretizou com negociações envolvendo os mais diversos países, abrindo mercados e expandindo nossa economia. Então não foi só a perseguição de uma vaga no Conselho de Segurança da ONU que o destacou internacionalmente. E isso é de menos, quando se
    sabe que o Big Brother do Norte, o atropela quantas vezes quiser.
    …..
    Estes escritinhos de um brasileiro comum, estão no blog
    http://ynkeesgohome.blogspot.com com o nome O Brasil com a importância que sempre teve.

    Porque sou Lula, PT, Reacionário, Subversivo e gente?
    Na alvorada de minha vida, vi minha participação política podada por um golpe de estado. Assim seco sem palavras bonitas. A um cidadão cerceado de suas prerrogativas de, ainda mais cheio de ideais e sonhos que foram roubados durante 20 anos, com limitações impostas por políticas excludentes, onde só as elites podiam estudar, ter empregos bons e vida mais mansa, só restava e resta dar apoio e base para um ideário, que se não é perfeito, é mais abrangente colocando os menos favorecidos em um patamar acima do que os neo liberalistas os colocavam.
    Só o fato de não sairmos correndo cheirar o peido do Tio Sam (figura de linguagem dos anos 70)cada vez que ele tinha gases(problemas) pode não ser importante para você, mas para mim é de grande valia. Cada vez que o Brazil(com z de FHC) ia ao FMI para equilibrar as contas, sobrava para nós brasileiros. Pleno emprego, um sistema de saúde que dia a dia fica melhor (já nem comparo com similares mundiais, porque aí é covardia, pois já está sendo copiado por outros países- comparo com nossas necessidades e com outros tempos vide o meu blog
    http://blogdosentapua.blogspot.com – Em defesa do SUS – depoimento pessoal)diminuição da corrupção (graças ao PIG
    podemos saber quem limpou mais que quem pois corrupção é marca de todos os governos no mundo todo) e por aí vai.
    Uma coisa concordo com você não dá para comparar os dois períodos FHC e Lula pela diferença de contexto!
    FHC – Neo Liberal extremado (vide no ynkeesgohome a postagem The Old Liberalism) e Lula voltado para corrigir os erros do dele.
    Você gosta de ditados. Aí vai mais um:
    O pior cego é aquele que não quer ver!

    me visite, eu continuarei a te visitar para conversar mais sobre esse assunto!

    • Amilton Aquino says:

      Caro Joel,

      Vou desconsiderar o seu tom irônico e panfletário, pois já agi assim como vc quando era petista. Portanto, entendo que vc está passando por uma fase de adolescência política e, mais cedo ou mais tarde, vai acabar amadurecendo. Pelo menos concordo com vc em uma coisa: o pior cego é o que não quer ver.

      Agora falando sério, a coisa que mais incomoda na política atual é justamente esta acirrada disputa ideológica sem razão de ser. Digo sem razão porque no poder o PT mostrou muito mais continuísmo do que ruptura com o PSDB. Vamos começar pelo famoso neoliberalismo que vc tão animadamente cita, mas que como a maioria dos críticos nem sabe o que é. Portanto, para começar, sugiro que leia o seguinte artigo http://visaopanoramica.net/2011/05/07/esquerda-x-direita-parte-9/ que faz uma comparação de cada um dos pontos da chamada “cartilha neoliberal”. Vc vai ver que das dez recomendações, o Brasil seguiu apenas sete, sendo que a maioria só foi concluída no final da era FHC (e o último já na era Lula), alguns de forma parcial. Portanto, a primeira conclusão é que, se FHC foi neoliberal, Lula também foi, pois não apenas continuou com os pontos iniciados como até reforçou alguns deles. Ah, mas aí vc vai dizer que o governo do PT parou com as privatizações, etc. e tal. Mas aí te respondo o seguinte: o PT só não privatizou tanto quanto FHC porque o primeiro concluiu o programa de privatizações. E quando o PT teve a oportunidade de voltar atrás na mais contestada das privatizações, a da Vale, rejeitou a proposta de reestatização apresentada pelo PSOL. Aliás, este viés estatizante do PT pós FHC só veio aparecer a partir da crise de 2008, quando o keynesianismo voltou à moda e cujas conseqüências a Europa está sentido agora na grave crise que enfrenta decorrente do endividamento contraído para evitar uma recessão maior na crise de 2008. Mais recentemente, o PT teve que se render a realidade ao ceder os principais aeroportos do país à iniciativa privada. E olha que a economia está bombando. Agora imagina se o PT tivesse assumido na era FHC, quando a posição dos emergentes era extremamente vulnerável, bem diferente da realidade atual?

      Voltando ao neoliberalismo, o que deu errado nos “instrumentos de dominação” dos EUA? Se a globalização se expandiu por todos os países do globo, por que os EUA não ficaram mais ricos? Se o “neoliberalismo” era uma receita do FMI para subjugar ainda mais os países do terceiro mundo, por que os governos de Esquerda que chegaram ao poder não voltaram atrás nas reformas “arbitradas” pelo famoso Consenso de Washington? E se o FMI é um instrumento de dominação dos EUA, por que o Brasil hoje empresta dinheiro à instituição?

      Os fatos mostram justamente o contrário, amigo. Ao contrário do que as esquerdas pregavam na década de 90, os países que seguiram o “receituário neoliberal” não se tornaram mais dependentes dos Estados Unidos. Muito pelo contrário, ganharam mais espaço na economia mundial, enquanto que os países ricos que só conseguiram flexibilizar as leis trabalhistas estagnaram.

      Não estou afirmado com isso que os emergentes estão crescendo única e exclusivamente porque aderiram ao neoliberalismo, nem tampouco que a Europa está em crise porque não aderiu completamente ao neoliberalismo. Afinal, em economia a não existe uma causa e sim um conjunto de causas. Mas posso te afirmar com certeza que o neoliberalismo, na prática, se resume a uma tentativa de estabilizar e integrar as economias subdesenvolvidas à globalização. Para os europeus, foi apenas uma tentativa de tornar tais economias mais competitivas, já que a intensificação do processo de globalização, com a chegada dos novos players asiáticos à disputa, colocou a Europa em situação de desvantagem competitiva, já que tais países têm altos gastos sociais e mão-de-obra cara.

      Mas o fato mais importante dos últimos anos que mudou o cenário global foi a ascensão da China e da Índia. E por que o crescimento de tais países provocou tanto impacto? Incrível como tanta gente não consegue ver o óbvio. Os dois países representam 1/3 da população mundial. Ao incorporarem milhões de pessoas que estavam abaixo da linha da pobreza aos seus imensos mercados consumidores, tais países criaram virtuoso ciclo virtuoso de desenvolvimento que tem puxado a maioria dos países emergentes, principalmente o Brasil, cujos produtos de exportação primários foram extremamente valorizados neste processo.

      Portanto, lamento lhe desapontar, mas não foi Lula que mudou o Brasil, amigo. Foi justamente a contestada globalização intensificada pela China que mudou não só o Brasil, como todos os demais latino-americanos, africanos e asiáticos. Tanto que, pela primeira vez na história, o conjunto do PIB dos países emergentes será maior que das chamadas economias avançadas. Se vc quiser ver os gráficos do crescimento do PIB das principais regiões econômicas do planeta nas últimas décadas, segue o link: http://visaopanoramica.net/2011/06/18/esquerda-x-direita-parte-13/ Vc vai ver que os seis anos iniciais da era Lula foram os anos de maior crescimento desde a era de ouro do capitalismo. Lula, claro, atribuiu tudo a sua incrível capacidade de administrar, e vc, claro, acreditou.

      “Lula fez mais isso, Lula fez mais aquilo”. Ora, é claro que fez mais e não fez mais que sua obrigação, afinal, com exceção dos períodos de crise, a tendência natural das economias é de crescimento. E quando a economia cresce, o governo tem mais dinheiro para gastar, etc. Vejamos o que aconteceu com o Brasil nos últimos 16 anos. O PIB brasileiro pulou de R$ 350 bilhões em 1995 para R$ 1,4 Trilhão em 2002. Ou seja, quadruplicou. De 2003 a 2010 o PIB pulou para R$ 3,3 trilhão. Ou seja, mais que duplicou. E, claro, tais valores foram sendo somados. No mesmo intervalo de tempo a população brasileira aumentou menos de 20%. Claro que teve uma inflação de 200% no período, mas, considerando que FHC e Lula aumentaram a carga tributária claro que hoje o governo tem muito mais dinheiro para gastar. O que não dá para entender é como tantas pessoas ainda hoje são capazes de fazer comparações entre FHC e Lula com números absolutos, sem levar em conta o fator cumulativo do crescimento do PIB e as mudanças no contexto da economia global. E mesmo com todo estes recordes sucessivos de crescimento da arrecadação, as pressões do governo para aumentar ainda mais a carga tributária continuam. Agora imagina se uma crise surgir entre os emergentes?

      E já que vc ainda está preso à ditadura. Aproveito para te perguntar como estaria hoje o Brasil se nossos “cumpanheiros” guerrilheiros tivessem vencido a guerrilha e implantado no Brasil mais uma ditadura do proletariado? Os esquerdistas seriam hoje as vítimas ou os algozes? Será que vc teria hoje a mesma opinião? Teria existido o Lula?

      Te pergunto isso porque acompanhei de perto a trajetória do ex-presidente com nome de molusco. Fui um militante como vc e te garanto que este é um produto da mídia. Acesse o site da Veja, o veículos que hoje mais se posiciona contra Lula e faz uma busca com o nome do dito cujo: http://veja.abril.com.br/busca/resultado.shtml?qu=lula

      Vc vai ver a aversão de um setor da imprensa hoje a Lula é conseqüência do acirramento ideológico imposto por este, principalmente a partir do mensalão, quando recebeu as primeiras críticas e partiu para o contra-atraque, atribuindo as denúncias do seu ex-aliado Roberto Jefferson a uma “conspiração da direita”. Foi aí que Lula falou pela primeira vez em controle da imprensa e do judiciário, acirrando ainda mais os ânimos. Portanto, qualquer reação da imprensa é mais que justificável.

      Mas já que vc está tão preso às ideologias do passado, então vou te lembrar uns detalhes da história esquecidos por vc e por todos os fanáticos apoiadores de Lula. Vejamos: o PSDB foi criado a partir de uma dissidência da ala mais à esquerda do PMDB; o PPS é o antigo PCB, o nosso primeiro e até então mais radical partido de esquerda, defensor da luta armada; o DEM foi formado de uma dissidência do PDS que se recusou a apoiar Paulo Maluf nas eleições de 1985. Portanto, onde estão as forças mais à direita deste país? Todos apoiando Lula!

      Então por que tanto acirramento? O PT do poder pouco difere do PSDB. Tudo que o PT criticava quando oposição hoje defende, até mesmo os banqueiros, quem diria! Nunca nossa política esteve tão rasteira. O “toma-lá-dá-cá” foi institucionalizado. O caixa-dois, idem. Pela primeira vez na nossa história, tivemos um ministério escancaradamente todo formado por cotas: cota de Lula, cota do PMDB, cota do PR, cota da presidente!!!!! Quem diria que um dia eu teria Collor como um bom exemplo! Pois bem, este pelo menos diminuiu o número de ministérios e escolheu a maioria dos seus ministros fora do meio político. E não custa lhe lembrar que quatro da cota de Lula já caíram. E por corrupção antes do governo Dilma, vale salientar. Mas os protetores dos corruptos logo se mobilizaram para dar um fim na “faxina” iniciada sem querer por Dilma, única e exclusivamente por pressão por pressão da “imprensa golpista”. Ah, mais aí nada que a imprensa divulga tem importância, não é mesmo? É tudo intriga da oposição!!!

      E o mais lamentável disso tudo é que hoje poderíamos ter uma disputa muito mais racional, como menos paixão e radicalismo. Ora, o PSDB tentou se aliar ao PT. Durante o governo Itamar, o PT foi convidados para participar da base de apoio do governo. Vc sabia que a formação desta base de centro esquerda só não foi possível porque Lula rejeitou o convite? Vc sabia que tal rejeição foi motivada única e exclusivamente por motivos eleitoreiros, assim como a oposição de Lula ao Plano Real e todas as demais ações do PSDB?

      Bom, agora que vc sabe o porquê do PSDB ter que se aliar o PFL. E agora Lula tem a cara-de-pau de defender os corruptos de sua base, inclusive diferenciado cidadãos de primeira e segunda classe, mas sempre dividindo o mundo entre “esquerda” e “direita”. E para que tanto apoio? Apenas para ganhar as eleições, pois nos oito anos de Lula, nenhuma das cinco grandes reformas prometidas ainda no primeiro mandato foram postas em prática. Nem mesmo a tão falada reforma agrária.

      É por causa do toma-lá-dá-cá institucionalizado pelo PT no governo que os partidos de aluguel agora tentam de todas as formas aumentar suas cadeiras no congresso, pois assim têm mais poder para trocar por cargos, mesmo que para isto tenham que colocar Tiririca para fazer propaganda partidária.

      Portanto, é por causa única e exclusiva do ex-presidente que chegamos a este ponto. É por causa dele que menos de ano após as eleições, a campanha para 2014 já está a pleno vapor. É por causa dele que milhões de pessoas que nem se conhecem se odeiam. É por causa da sua cara-de-pau que eu, que militei durante boa parte da minha vida para que ele chegasse ao poder, que briguei com minha família, hoje sou acusado de “direitista”, “neoliberal”, “tucanalha” e outros rótulos menos nobres. E aí vem vc falar de “pseudo por que não admite o contraditório”?

      Faz o seguinte. Leia pelo menos duas séries que escrevi: “Lula e a imprensa golpista” e “Direita x Esquerda”. Anote tudo o que vc discordar e poste aqui. Terei o maior prazer em debater com vc.

      Abraço

      • Pedro Vianna says:

        Senhor Amilton, tua paciência é invejável.

        Eu ainda sou jovem, 21, e ouço esse tipo de bravata numa freqüência baixa, mas mesmo assim não consigo me livrar do ódio que me corrói quando vejo, não uma visão política diferente (pois visões contrárias enriquecem), mas sim ignorância na sua forma mais seca. Te deste o trabalho de reescrever as idéias da série inteira, para alguém que com certeza não leu (se leu, tem a ignorância multiplicada por dois), e provavelmente não vai querer ler teu ponto de vista… por puro orgulho de defender um grupo político que só beneficia a si mesmo.

        Me envergonho de não ter entendido todos os conceitos apresentados na tua recente série, (minha formação é engenharia…) mas a divulgo freqüentemente, pois acredito que teus textos deveriam ser de conhecimento público. Continue escrevendo, porque eu tenho certeza que eu não conseguiria expor pontos tão importantes de forma tão concisa quanto a tua, e eu os multiplicarei (com os créditos, lógico…).

        • Amilton Aquino says:

          Obrigado Pedro! São mensagens como a sua que me motivam a continuar escrevendo. Infelizmente estou sem tempo agora, mas já estou ansioso para escrever a próxima série.
          Abraço!

  49. Não irei discutir com você tentando convencê-lo. Normalmente os teóricos são difíceis de conversar. Quando postar alguma coisa, trarei para cá também, práticas, que estão acontecendo ou aconteceram e que você não viu ou não entendeu. Não vi ironia alguma no que coloquei no teu blog, no intuito de soprar umas aragensinhas e melhorá-lo, pois diálogo de uma idéia só vira monólogo(li não sei onde). Quanto ao (odiento é o que odeia?) moço que me analisou sem me conhecer, acertou que sou burro ao cubo, já que não gosto, por opção, de seguir apenas uma linha de pensamento teórico. Leio tudo até bula de xarope, pois os dois neurônios que possuo, gostam de debater um com o outro e sempre um é pró e o outro é contra. Diferente do pensamento linear encontrado aqui e que não aceita contraditório. Mesmo com o liberalismo em derrocada não enxergar o mal que pode nos fazer é infantilismo. Quanto ao Molusco, deve estar vendo muito desenho do fundo do mar, ignorar alguns títulos Honoris Causa que nunca receberemos é ter inveja do seu desempenho. Enxerguei também pelas respostas, que posso colaborar bem mais do que simplesmente “lhe babar os ovos”. (agora e em todo o texto estou sendo irônico) Para iniciar: só agora foi institucionalizada a corrupção, por força da mídia? E quando ela diz que não viu? sic!
    Caixa 2 de Furnas de FHC

    Caixa 2 de Furnas de FHC financiou Aécio, Cerra, Alckmin e Kassab ?

    Saiu no site de Leonardo Attuch notícia inacreditável:
    Caixa 2 de Furnas: R$ 6 mi para eleição de Aécio ‘02

    Documentos obtidos com exclusividade por 247 mostram que o atual senador por Minas teria sido beneficiado, nas eleições de 2002, pelo esquema montado na estatal; “recebedor/repassador” teria sido o atual secretário de Governo Danilo de Castro

    Marco Damiani_247 – Sem despertar qualquer tipo de desmentido, a divulgação com exclusividade por 247 da “Declaração para Fins de Prova Judicial ou Extrajudicial” assinada pelo ex-presidente de Furnas Dimas Fabiano Toledo – e registrada no 23º Ofício de Notas do Rio de Janeiro, em 6 de novembro de 2008 – contém mais revelações sobre políticos que teriam sido beneficiados, nas eleições de 2002, pelo esquema de caixa dois montado na estatal.

    Há, no documento, um trecho inteiro dedicado aos benefícios em dinheiro vivo que teriam sido usufruídos pela campanha eleitoral do atual senador Aécio Neves (PSDB). Em 2002, ele concorreu e venceu as eleições para governador de Minas Gerais. A Declaração do ex-presidente de Furnas registra o seguinte:

    “Nessa vereda, o Secretário de Governo de Minas Gerais Danilo de Castro, sendo mais um recebedor/repassador e operador do esquema de desvios de recursos públicos, originados do caixa dois da empresa Furnas Centrais Elétricas S/A. Os valores ultrapassaram a cifra de R$ 38.000.000,00 (trinta e oito milhões de reais). Danilo de Castro repassou estes recursos não declarados para vários políticos do Estado de Minas Gerais, incluindo o atual Governador Aécio Neves da Cunha com o valor de R$ 6.575.980,00 (seis milhões, quinhentos e setenta e cinco mil e novecentos e oitenta reais), e para a campanha de José Serra e Geraldo Alckmin com a importância de R$ 3.000.000,00 (três milhões de reais)”.

    A Declaração prossegue:

    “Foram verbas sequer declaradas na Receita Federal e muito menos no Tribunal Regional Eleitoral, conforme constam nos relatórios que foram encaminhados pelo próprio Danilo de Castro para este declarante Dimas Fabiano Toledo”.

    247 está procurando os políticos citados para registrar suas reações.

    Para os outros textos de 247 a respeito da Declaração assinada e registrada pelo ex-presidente de Furnas Dimas Fabiano Toledo, leia nos links as notícias publicadas por 247 na sexta-feira 22:

    http://www.brasil247.com.br/pt/247/poder/9059/Fantasma-do-caixa-2-de-Furnas-assombra-Kassab.htm

    http://www.brasil247.com.br/pt/247/poder/9082/Pressionado-por-d%C3%ADvida-ex-de-Furnas-revela-caixa-2.htm

    http://brasil247.com.br/pt/247/poder/9100/Caixa-2-de-Furnas-R$-192-mi-a-Alckmin-e-Serra-em-2002.htm
    Tudo se teria passado quando Furnas fazia parte do imaculado governo de Fernando Henrique Cardoso.

    Logo, isso talvez não seja verdade.

    Embora o PiG (*) tenha ignorado a informação – o que lhe confere um grama de veracidade.

    Outro indício interessante é a informação do ex-deputado Roberto Jefferson (em quem o PiG (*) costuma acreditar) :

    Caixa 2

    Jefferson diz que recebeu de Furnas

    Alice de Salvo

    O deputado Gustavo Fruet (PSDB-PR) disse nesta quinta-feira que deve ser feita uma investigação na lista com políticos que teriam recebido dinheiro de caixa 2 de Furnas. Segundo o deputado, a lista ganhou relevância com a declaração do ex-deputado Roberto Jefferson.

    Jefferson reafirmou, em depoimento dado à Polícia Federal nesta quarta-feira, que recebeu 75.000 reais da da estatal Furnas para um caixa 2 da sua campanha eleitoral para deputado, em 2002. Jefferson é um dos cerca de 150 políticos – do PSDB, PTB, PFL, PL e PP – que constam de uma lista de supostos beneficiários de repasses irregulares para a campanha daquele ano.

    A PF investiga a autenticidade da lista, entregue à PF pelo lobista Nilton Monteiro, responsável por revelar a existência do caixa dois do PSDB de Minas Gerais. Em entrevista coletiva, Jefferson evitou falar sobre os outros nomes da lista, mas disse que, em relação a ele, a relação é verdadeira.

    “Vi a lista. Há dezenas de deputados e senadores e consta meu nome nas eleições de 2002. Falo por mim. Tudo o que eu falo, falo por mim, e os outros desmentem. Quando falei do mensalão, o Delúbio Soares (ex-tesoureiro do PT) disse que não deu e o Marcos Valério também disse que não”, disse Jefferson.

    O ex-deputado afirmou que recebeu o dinheiro do então diretor de Furnas, Dimas Fabiano Toledo, investigado como suspeito de ter sido o operador do caixa dois em Furnas – cujos colaboradores seriam empreiteiras e prestadoras de serviço. Toledo até agora não foi ouvido por CPIs nem pela PF.

    Jefferson afirmou ainda que a lista tem “lógica política” e que, na sua opinião, deve ser verdadeira. “Creio que ela é muito próxima da verdade, mas é um juízo meu porque é ela é verdade em relação a mim. Em relação aos outros, é como sempre funcionou eleição no Brasil, com caixa dois. É uma lista de caixa dois.”

    Paulo Henrique Amorim

    • Amilton Aquino says:

      Joel, se vc tivesse lido as séries que te indiquei certamente não teria publicado alguns textos que só reforçam o que tenho dito aqui. Acho engraçado como alguém consegue ver os fatos e dar uma interpretação tão equivocada.

      Como tantos que já passaram por aqui, vc repete o mesmo comportamento: primeiro ignoram a maior parte do meu texto; depois selecionam alguns trechos onde sentem-se mais confortáveis para “debater”; e por fim selecionam alguns textos publicados nos redutos de formação de rebanho da rede (PHA, Nassif, Azenha e Cia) e jogam aqui. Ou seja, todo o trabalho que tive para escrever especificamente para vc é “respondido” em poucos minutos com uma enxurrada de Control C, normalmente atirando para todos os lados e fugindo do foco inicial do debate.

      Portanto, não vou perder também muito tempo. Mas vou comentar, mesmo que de forma resumida, cada um dos seus “trunfos” e vc vai ver que minha opinião (ao contrário da sua) não está alinhada incodicionalmente a nenhuma corrente política.

      Se vc leu a comparação FHC x Lula que postei aqui, já deve ter percebido que em nenhum momento inocentei o governo FHC de corrupção. E já que vc não leu os links que te sugeri, então vou postar a minha posição clara sobre a questão ética nos governo FHC e Lula:

      “Ambos os governos decepcionaram seus eleitores do ponto de vista ético. Além das várias denúncias envolvendo personagens de diversos escalões do governo e até de familiares (a filha de FHC x filhos de Lula, por exemplo), ambos os governos praticaram o fisiologismo político, os quais se cristalizaram nos escândalos da compra de votos para a aprovação da emenda da reeleição, no governo FHC, e no escândalo do Mensalão, no governo Lula. (…) Talvez o governo FHC tenha um maior número de escândalos. Porém a decepção com o PT foi mais desastrosa, pois o partido era uma das últimas esperanças do povo brasileiro de uma política ética. Tal desilusão, portanto, afastou muita gente da política e salientou o ditado popular de que “político é farinha do mesmo saco”.”

      Portanto, nada que vc poste sobre corrupção no governo FHC pode ter certeza que não vou defender. Infelizmente este comportamento não predomina entre os fanáticos seguidores do PT que usam sempre a tática de desqualificar a oposição para justificar sua própria corrupção. Este, aliás, é um dos motivos do lastimável quadro da política atual a que chegamos.

  50. Você afirmou que não há liberalismo no pensamento livre do FHC! Querem minimizar ainda mais o estado? Mas não foi isso que ele fez? O Tio Sam (essa é da minha idade) Fez o que eles estão propondo. Lá não existe sistema de saúde sem pagamento “cash”. em outra intervenção colocarei algo sobre isso! Se permitires é claro, pois nos blogs do PIG coloca-se uma vez um contraditório que não aparece nos comentários e depois não se consegue mais!

    Endividamento público limita busca do Estado do bem estar social, diz Malan
    Economistas e ex-integrantes do governo FHC debateram no seminário Transição Incompleta e Dilemas da (Macro)Economia Brasileira
    25 de agosto de 2011 | 23h 00
    Anne Warth e Francisco Carlos de Assis, de O Estado de S. Paulo
    SÃO PAULO – A crise internacional evidenciou o fato de que a política de bem estar social, adotada pelos países europeus e almejada pelo Brasil, chegou ao seu limite. O ônus de oferecer serviços de educação, saúde, transporte e segurança apostando em um Estado capaz de socializar perdas e acomodar conquistas é o elevado nível de endividamento público.

    Esse é o consenso a que chegaram economistas e ex-integrantes do governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que participaram nesta quinta-feira, 25, do seminário Transição Incompleta e Dilemas da (Macro)Economia Brasileira, realizado na capital paulista pelo Instituto Fernando Henrique Cardoso (iFHC) e BM&FBovespa.
    Para o ex-ministro da Fazenda Pedro Malan, a crise do mundo desenvolvido levou a um processo de reavaliação dessa política, cuja implementação vem sendo desejada há décadas pelos países emergentes. “Hoje estamos em um processo de recente reavaliação. Os países estão ou fora das possibilidades dos gastos do setor público ou fora do limite que a população, pelo menos a que paga impostos, aceita como necessário ou razoável para prover os serviços esperados”, afirmou.
    Na avaliação de Malan, o Brasil, que tomou esse modelo como referência, precisa discutir os impactos dessa política sobre as contas públicas. Isso porque as tentativas de elevar impostos de forma continuada, conforme fizeram os países europeus, afetam negativamente o investimento e o crescimento econômico, destacou Malan. “O País hoje tem a mais alta proporção de gasto público em relação ao PIB comparada a qualquer país em desenvolvimento, mais alta que muitos países desenvolvidos. O Brasil também tem hoje a mais alta carga tributária entre todos os países em desenvolvimento, também mais alta que muitos países desenvolvidos. Essa discussão engatinha entre nós, mas precisa ser aprofundada”, disse.
    O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse que o Brasil vive um momento em que precisa de ideias novas e deve retomar a agenda de reformas estruturais. Isso, na avaliação dele, é o que pode garantir o crescimento econômico a médio e longo prazo. Questionado se concorda com a avaliação de Malan, de que o modelo de bem estar social está se esgotando, o ex-presidente concordou, mas ponderou que ninguém pode pensar o Brasil sem uma política social ativa. “Malan está dizendo que temos que tomar cuidado porque lá na Europa chegou-se a um momento em que ‘desbalançou’. Veja o que aconteceu na Espanha, com déficit público elevadíssimo. Isso pode chegar aqui, se nós não tivermos cuidado”, afirmou. “Se quisermos preservar a possibilidade de ter uma política social ativa, temos que olhar para isso.”
    Ilha. FHC ressaltou que o Brasil não está imune à crise. “Tudo que está acontecendo de positivo agora pode se perder se não nos preparamos para o que vai acontecer pelo mundo”, afirmou. “Todos aqui concordam que a crise global que nós estamos vivendo é grande. Ela começou em 2008 e continua, e a ideia de que o Brasil é uma ilha isolada que não pode ser alcançada está equivocada. Temos de ter já uma previsão do futuro, e isso implica em retomar uma agenda de reformas.”
    O economista Andre Lara Resende, ex-diretor do Banco Central e ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, criticou a adoção da política clássica keynesiana desde o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e que permaneceu com a presidente Dilma Rousseff. Na avaliação dele, o Brasil perdeu a oportunidade de implementar políticas econômicas que pudessem levar à redução da taxa de juros e a um maior crescimento econômico. Segundo ele, isso é fruto de um processo de transição e estabilização econômica inacabados. “A inflação foi resolvida, mas ela é apenas um sintoma. A raiz do problema é a incompatibilidade de ações. E as pressões na economia brasileira são as mesmas de sempre”, disse, em referência ao excesso de gasto público, que tem como consequência uma alta na inflação e, por conseguinte, a necessidade de uma taxa de juros elevada.
    Impostos. Sobre essa questão, Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central e sócio da Rio Bravo Investimentos, foi enfático. “A dívida de hoje são os impostos de amanhã”, afirmou, citando que o custo anual da rolagem da dívida brasileira corresponde a 17% do PIB. Para Franco, os problemas que têm levado à crise nas economias centrais não estão muito distantes do País. Ele pôs em dúvida a capacidade de o governo federal entregar o prometido corte de gastos destinado a amenizar os impactos da crise na economia, e, ao mesmo tempo, manter a base de apoio unida no Congresso. “Estamos perdendo uma grande oportunidade de cumprir uma agenda que traria a taxa de juros para patamares normais”, alertou.

    NÃO COM UM DESEMPENHO DESTE…
    sexta-feira, 26 de agosto de 2011
    ECONOMIA PARA PAGAR JUROS EQUIVALE A 78% DA META. É IMPRESSIONANTE , UM VERDADEIRO ‘CHOQUE DE GESTÃO’
    A economia feita pelo setor público para pagar os juros da dívida, o chamado superavit primário, cresceu 111% no acumulado até julho.
    Segundo dados do Banco Central, União, Estados e municípios economizaram R$ 91,98 bilhões nesse período.
    O valor equivale a 78% da meta de R$ 117,9 bilhões para o ano.
    No mês, foram economizados R$ 13,8 bilhões, maior resultado para meses de julho da série iniciada em dezembro de 2001.
    Em 12 meses, o superavit chega a R$ 150 bilhões (3,83% do PIB).
    Esse resultado, somado ao crescimento da economia, ajudou a reduzir a dívida líquida do setor público, que caiu de 39,7% em junho para 39,4% em julho (R$ 1,5 trilhão).

    GOVERNO CENTRAL

    O governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) registrou saldo positivo de R$ 66,9 bilhões nos sete primeiros meses do ano. Esse valor corresponde a 81,8% da meta para todo o ano, que é de R$ 81,7 bilhões, segundo divulgação do BC desta sexta-feira (26).
    No ano, as receitas líquidas somaram R$ 471,266 bilhões, crescimento de 20,9% ante os 18,4% registrados nos sete primeiros meses do ano. Já as despesas totais subiram 11%, ante 17,8% no ano passado.
    O resultado só foi alcançado pela redução no ritmo dos investimentos, que nos sete primeiros meses do ano apresentaram queda de 2,4% na comparação com o mesmo período do ano passado.
    Apesar do recuo, o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, afirmou que nos próximos meses os investimentos devem ter uma elevação.
    “O investimento vai acelerar. Essa é a nossa expectativa”, afirmou o secretário.
    JULHO
    Em julho, o governo central teve superavit (resultado antes do pagamento dos juros da dívida) de R$ 11,2 bilhões, contra R$ 10,6 bilhões em junho.
    O Tesouro Nacional teve saldo positivo de R$ 13,3 bilhões, enquanto o Banco Central e a Previdência Social registraram deficit de R$ 67,2 milhões e R$ 2,084 bilhões, respectivamente.
    A receita líquida total passou de R$ 69,680 bilhões em junho para R$ 77,790 bilhões em julho. O aumento da receita se deve, em parte, ao pagamento de quase R$ 6 bilhões em impostos feitos pela Vale em julho.
    Já as despesas tiveram elevação de 12% e somaram R$ 66,614 bilhões.
    Segundo Augustin, esse é o melhor resultado fiscal para os meses de julho desde o inicio da série histórica, que começou em 1997.
    Com Ana Carolina Oliveira
    Postado por APOSENTADO INVOCADO 1 às 08:06

    • Amilton Aquino says:

      Concordo plenamente com a avaliação do Pedro Malan, Gustavo Franco e FHC. A matéria que vc citou só corrobora com o que tenho afirmado aqui. Se vc tivesse lido a série “Esquerda x Direita” teria evitado esta publicação. Está tudo lá. Para vcs esquerdistas incondicionais é tudo muito simples. Está em crise, culpa do neoliberalismo! Mas quando propomos discutir cada um dos dez pontos da “cartilha neoliberal” que Lula continuou a seguir e até reforçou alguns pontos, aí então a discussão se esgota. Ou seja, não resiste ao aprofundamento. A Europa está em crise? A culpa é de quem? Do neoliberalismo, claro! Ué, mas não foi vc que postou aqui que a receita neoliberal foi seguida pelos pobres e recusada pelos ricos? Então como explicar que uma década depois os pobres estão crescendo e os ricos em recessão?

      A explicação é bem mais complexa, mas vou resumir rapidinho para vc. Durante as décadas de 50 e 60 os europeus criaram o estado de bem estar social. Sem dúvida, uma grande conquista que deveria ser seguida por todos os países do globo. O problema é que esqueceram de combinar com os asiáticos. E aí foi onde a Europa começou a afundar, pois os asiáticos começaram a inundar o mundo com seus produtos cada vez mais baratos e de melhor qualidade. Os europeus infelizmente começaram a ter déficit nas contas, já que os lucros estagnaram e os gastos sociais foram sendo acumulados nos sucessivos governos, cada um querendo deixar sua “marca”. A situação foi ainda mais agravada com a inversão da pirâmide social, tornando insustentável a previdência. E quando as contas públicas não fecham, o que acontece? Dívidas! Vc não acha estranho que os europeus estejam tão endividados? Como isso aconteceu? Agora vc sabe.

      Sobre o desempenho da economia brasileira, não se engane. Já crescemos a 13% e naufragamos. O fato é que hoje nossa economia está sendo segurada pelas commodities valorizadas e pela entrada de mais pessoas no mercado consumidor, que vão ascendendo de classe social. E mesmo assim temos um défict em conta corrente que a cada ano fica muito maior. Agora imagina se os preços das commodities desacelerarem? A médio e longo prazo, nosso bônus demográfico também vai se esgotando e aí vai sobrar o que? Uma crise semelhante à européia, com um estado endividado, uma previdência falida e uma economia estagnada. Ou seja, deveríamos estar aprendendo com os erros dos europeus, no entanto o véu ideológico não permite que algo tão óbvio seja percebido.

  51. Escrevo Para o Portal Luis Nassif e alguns dos escritos foram destacados ( há 170 destaques em seis mil publicações) o abaixo é um deles e ataca as suas falácias:

    Impostômetro: Vamos acabar com as falácias?
    Ou no governo de quem aumentou a carga tributária?
    Ou o impostômetro como quantitativo da sonegação!
    Costumo, ao ler algum comentário de qualquer natureza, verificar o maior número de informações possíveis. É assim até com assuntos mais triviais. Faço questão de ler também os contraditórios para ter um balizamento equilibrado. É do meu feitio. Por mais que não goste de alguns jornalistas, procuro ver se há algum fundo de verdade no que afirma. Quando vi o estardalhaço em torno da marca do impostômetro atingida neste mês, fui a campo. Há muitas surpresas. Assim que durante anos ouvia ministros se manifestarem sobre a sonegação (só sonegação) dizendo que para cada 1 unidade de moeda recolhida, 1 deixava de ser, numa sangria nunca estancada pelos governos Legais ou Ditatoriais. Sempre havendo um conluio empresarial/político que se sustentavam. Quem ousou quebrar isso, foi deposto ou morreu (excluindo-se Collor). Se as condições perdurassem até hoje, poderíamos afirmar que o Impostômetro é igual ao Sonegômetro.
    Mas não, a situação melhorou muito. Mas mesmo assim aquele poderá servir de base para o segundo! Há meios de verificar qual o percentual de sonegação! Tenho alguns números que irei colocar aqui. É um estudo que foi elaborado por entidade alheia ao governo e aí podemos calcular o rombo efetuado por quem mantém o impostômetro.
    Não achei estudo sobre a evasão de divisas que deve aumentar ainda mais a relação!
    >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
    ESTUDO SOBRE SONEGAÇÃO FISCAL AS EMPRESAS BRASILEIRAS
    Gilberto Luiz do Amaral
    João Eloi Olenike
    Letícia Mary Fernandes do Amaral
    Fernando Steinbruch
    05 de março de 2009
    ESTUDO SOBRE SONEGAÇÃO FISCAL
    – Sonegação das empresas brasileiras vem diminuindo, mas ainda corresponde a 25% do seu faturamento;
    – Em 2000 o índice de sonegação era de 32% e em 2004 era de 39%;
    – Faturamento não declarado é de R$ 1,32 trilhão;
    – Tributos sonegados pelas empresas somam R$ 200 bilhões por ano;
    – Somados aos tributos sonegados pelas pessoas físicas, sonegação fiscal no Brasil atinge 9% do PIB
    – Cruzamento de informações, retenção de tributos e fiscalização mais efetiva são os principais responsáveis pela queda da sonegação;
    – Contribuição Previdenciária (INSS) é o tributo mais sonegado, seguida do ICMS e do Imposto de Renda;
    – Indícios de sonegação estão presentes em 65% das empresas de pequeno porte, 49% das empresas de médio porte e 27% das grandes empresas;
    – Em valores, a sonegação é maior no setor industrial, seguido das empresas do comércio e das prestadoras de serviços;
    – Com os novos sistemas de controles fiscais, em 5 anos o Brasil terá o menor índice de sonegação empresarial da América Latina e em 10 anos índice comparado ao dos países desenvolvidos.
    – – –
    ESTUDO E PESQUISA DE RESPONSABILIDADE:
    IBPT – Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário
    Entidade criada em 11/12/92, cujo objetivo é a difusão de sistemas de economia legal
    de impostos; divulgação científica do tema; estudo de informações técnicas para a
    apuração e comparação da carga tributária individual e dos diversos setores da
    economia; e, análise dos dados oficiais sobre os tributos cobrados no Brasil.
    http://www.ibpt.com.br
    >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
    Como o PIB de 2008 foi de 3.851.490.000.000 de reais podemos calcular em 1.407.334.446.000 os impostos arrecadados (36,54%) e a Sonegação em 200.000.000.000
    Conforme tabela na página 7 do documento acima.
    1.407.334.446.000 => 100
    200.000.000.000 => x = 14,2 %
    >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
    Já sabemos então qual é o valor que o nosso Sonegômetro atingiu:
    Quase 150 bilhões de reais
    >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
    Ou no governo de quem aumentou a carga tributária?
    Agora gostaria de falar sobre o aumento da carga tributária:
    Evolução da Carga Tributária no Brasil
     Em 1947 = 13,8% do PIB;
     Em 1965 = 19% do PIB;
     Em 1970 = 26% do PIB;
     Em 1986 = 26,2% do PIB;
     Em 1988 = 26,4% do PIB;
     Em 1990 = 30,5% do PIB;
     Em 1991 = 25,21% do PIB;
     Em 1992 = 25,85% do PIB;
     Em 1993 = 25,72% do PIB;
     Em 1994 = 29,46% do PIB;
     Em 1995 = 37,3% do PIB;
     Em 1996 = 28,97% do PIB;
     Em 1997 = 29,03% do PIB;
     Em 1998 = 29,74% do PIB;
     Em 1999 = 32,15% do PIB;
     Em 2000 = 33,18% do PIB;
     Em 2001 = 34,7% do PIB;
     Em 2002 = 36,45% do PIB;
     Em 2003 = 34,92% do PIB;
     Em 2004 = 35,88% do PIB;
     Em 2005 = 37,37% do PIB;
     Em 2006 = 34,23% do PIB.
     Em 2007 = 35,3% do PIB.
     Em 2008 = 36,54% do PIB.
    Em 2009 = 34,85% do PIB.
     Em 2010 = 35,04% do PIB.
    Era Ditatorial e Transição.
    Começou com 19%, teve as maiores variações dos períodos- o que indica sonegação – e terminou com 28,97%.
    Era FHC como presidente.
    Começou com 37.3%, teve variação intensa – o que indica sonegação – e terminou com 36,45%.
    Era Lula como presidente.
    Começou com 34,92% e terminou com 35,04 %, sendo o período mais estável, com pouquíssima variação. Foi o período em que mais cresceu a arrecadação, mas com a mesma evolução do PIB, o que demonstra que o percentual (números relativos) foi mais ou menos constante! >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
    Carga tributária por países.
    Olhando a tabela de carga tributária colocada na Wikipédia, podemos deduzir que estamos na média dos encargos dos países desenvolvidos e do BRIC. Se olharmos para os que estão abaixo do valor veremos que sua situação econômica tem também desempenho abaixo do nosso! >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
    CONCLUINDO
    Falácia 1 – A carga tributária está subindo!
    Não é a carga tributária que está subindo. O valor arrecadado mostrado pelo Impostômetro está subindo por que o PIB está subindo. Está estável em números percentuais!

    Falácia 2 – O Brasil tem a maior carga de impostos do mundo (assertiva que se retira da gritaria do PIG e Empresas).
    Não há almoço grátis (alguém já disse isso). E esse almoço tem como prato principal as ajudas (socialização dos prejuízos) de empresas, agricultura e bancos. Pela tabela estamos na média.
    Falácia 3 – A culpa é do governo que aí está.
    Olhando os três períodos de governanças, o único que não subiu absurdamente foi o governo do PT.+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++
    NÃO ACREDITE EM NADA QUE LER NESTA POSTAGEM. LEIA OUTROS AUTORES, PESQUISE, SE INTERE DA REALIDADE. NÃO SOU ECONOMISTA, SÓ SOU UM CARA QUE PENSA E ENXERGA.

    • Amilton Aquino says:

      Ok. Vamos às falácias! A carga tributária no Brasil é alta? Sim. Temos uma carga tributária de país europeu, com serviços de pais latino-americano. O consumidor paga duas vezes. Paga 38% de impostos e ainda tem que pagar por fora escola, saúde e até segurança. Sabe qual a média da carga tributária da América Latina? 25%! Pelo menos nestes países eles só pagam educação e saúde uma vez.

      Quem aumentou mais a carga tributária? FHC. Ele aumentou 8%. Primeiro para segurar as contas complicadas pelo amento do endividamento (veja o porquê do endividamento em http://visaopanoramica.net/2009/10/31/lula-e-a-divida-publica-final/ antes de colar mais textos desnecessários); segundo, iniciar a rede proteção social posteriormente ampliada pelo governo Lula. Lula, por sua vez, aumentou a carga tributária em mais 2 pontos percentuais. Acontece que aqui temos um efeito cumulativo, pois o governo do PT se beneficia do ônus de FHC em ter aumentado a carga tributária. Portanto, não dá para fazer uma competição para ver quem aumentou mais a carga tributária, pois esta é cumulativa e tem um teto que não pode ser ultrapassado. Ou seja, o governo do PT não deveria aumentar ainda mais a já alta carga tributária herdada de FHC. Mas não só aumentou, como quer aumentar ainda mais, tanto que mais uma ação do governo FHC criticada pelo PT da época virou uma das principais bandeiras do PT da atualidade: a CPMF.

      A sonegação tem diminuído? Lógico. A informática de hoje é incomparavelmente superior a da década de 90. O cruzamento de informações não apenas facilita as investigações da receita como também da Polícia Federal e demais instituições. Nada mais natural. Infelizmente a politização de tudo faz com que um ponto percentual a mais ou a menos em uma década seja comemorado como mais um “indicador” na ridícula comparação de números absolutos entre os governos do PSDB e do PT!

  52. Acha que o uso do PIG é depreciativo e não condiz com a realidade? Que, usando o jargão do PIG, é teoria de conspiração? Que todos eles são os SANTOS e os DEMÔNIOS só estão no PT e base?
    Isso que coloco abaixo é para exorcizar os seus SANTOS e santificar os meus DEMÔNIOs!

    De agora em diante usarei o PIG

    Estava com pruridos para usar a designação PIG para a nossa imprensinha, mas não aguento mais é bem colocada. Em todas as minhas postagens que a desmascara, colocarei essa foto como logotipo.

    Saiu no Blog do Nassif:

    Wikileaks: carta do embaixador enfatiza colaboração com o Brasil

    Comentários do post “Wikileaks divulga carta sobre corrupção no governo Lula”, matéria do Estadão

    Por Andre Borges Lopes

    Nassif, usando a velha terminologia tipográfica, o texto da embaixada tem 8057 toques. O Estadão garimpou até achar o que lhe interessava. Ignorou quase todo o resto e fez o resumo do conteúdo com base nessa frase, de 77 toques:

    Persistent and widespread corruption affects all three branches of government.Ao pé da letra: Corrupção persistente e generalizada afeta (ou atinge) todos os três poderes do governo.

    Na sua “tradução”, o Estadão arranjou um jeitinho de colocar a expressão “governo Lula” na boca da diplomacia americana, para que o resultado ficasse assim:

    A diplomacia americana considera que a corrupção durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva era “generalizada e persistente” e atingia todos os Três Poderes.

    Na manchete, adiciona-se um pouco mais de veneno: há uma sutil substituição de “corrupção durante o governo” por “corrupção no governo Lula” e uma troca do neutro “considera” para uma ilação negativa de “mostra preocupação”. O resultado fica assim:

    Carta de embaixador dos EUA mostra preocupação com corrupção no governo Lula

    Curiosamente, na própria carta diplomática, o nome de Lula só aparece uma única vez, e dentro da seguinte frase:

    While continuing to pursue stability among Brazil’s ten South American neighbors, President Luiz Inacio Lula da Silva and Foreign Minister Celso Amorim have spent seven years aggressively reaching out to Africa, the Middle East, and Asia, as well as taking a prominent role in global trade, climate change, nuclear non-proliferation, and economic discussions.

    Em tradução livre: “Ao mesmo tempo em que continuam a incentivar a estabilidade entre os dez vizinhos sul americanos do Brasil, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o chanceler Celso Amorim passaram os últimos sete anos atuando de forma agressiva em direção a África, Oriente Médio e Ásia, bem como tendo um papel de destaque no comércio mundial, nas alterações climáticas, na não-proliferação nuclear, e nas discussões econômicas.”

    Por motivos mais que óbvios, tal frase foi solenemente ignorada pelo jornal.

    Essa matéria do Estadão merece ser emoldurada e pendurada ao lado do telegrama original na galeria dos “Anais do PIG”. É uma verdadeira aula de como funcionam os jornalões tupiniquins.

    • Amilton Aquino says:

      Pois é, com isso vc se comporta como mais uma ovelha arrebanhada pelos blogs financiados pelo governo federal. E tudo fica resolvido! Não existe cinza! Ou é preto ou é branco. Direita ou esquerda. Qualquer matéria publicada no “PIG” que tenha algum viés ideológico é capaz de colocar todo o conteúdo publicado pela imprensa no lixo, mesmo as denúncias de corrupção mais escandalosas. É uma completa inversão de valores! No seu comentário anterior vc praticamente já caracteriza o meu blog como “PIG”, questionando, inclusive, se eu habilitaria ou não o seu “trunfo”!!!!

      Pois fique sabendo que aqui não há censura, muito diferente dos blogs financiados pelo governo, onde vc tem se abastecido para vir aqui. Se vc tivesse lido a série “Lula e a imprensa golpista” que lhe indiquei saberia que fui censurado várias vezes no blog do PHA, tanto que tive que mudar de nome e “amenizar” os argumentos para poder passar pelo “filtro” dos seus ídolos. Por que será?

      Mas vamos ao seu “trunfo” sobre o “PIG”. Ora, qualquer estudante de jornalismo sabe que é impossível representar com total fidelidade o conteúdo de uma notícia no espaço reduzido dos títulos. Não precisa nem ser estudante de jornalismo. Quem usa o twitter sabe que muitas vezes o texto final nem sempre condiz com o que se quer dizer por causa da limitação dos 140 caracteres, espaço muito maior que os títulos de notícias, convenhamos. Isso acontece frequentemente com notícias de diversos assuntos. Vc lê um título, tem uma impressão e quando termina de ler a notícia percebe que não era bem aquilo que o título exprimia. Mas a informação está lá.

      Daí uma rica fonte de “informações” para publicar nos redutos de formação de rebanho, o que reforça ainda mais as teorias conspiratórias da “direita golpista”. Este caso ilustra muito bem. De fato, existe uma diferença entre focar a corrupção no executivo ou nos três poderes. No entanto, se levarmos em consideração que o nosso presidencialismo coloca o poder federal acima dos demais poderes, até que não muda muito o sentido do título publicado pelo Estadão, afinal o poder legislativo está quase que totalmente aliciado pelo governo. O judiciário, por sua vez, apesar de sofrer da mesma doença, ainda é o menos desacreditado, apesar de também receber influências do poder executivo. Só para refrescar sua memória, Lula ameaçou “castrar poderes” da procuradoria geral da república no episódio Sarney. E como era esperado, tudo foi rapidamente arquivado. Lembra?

      Eu poderia citar algumas pérolas do PHA aqui também e vc veria que este seu “trunfo” sobre o Estadão é fichinha. Mas se vc ler a série “Lula e a imprensa golpista” vai saber do que estou falando. Enfim, imparcialidade total não existe. Cabe a nós, eleitores, filtrar as informações. Agora, convenhamos, entre as publicações do veículos da grande imprensa e o tom de chacota e escancaradamente partidário que os blogs financiados pelo governo usam tem uma distância imensa!

  53. VEJA só (ironia)não sou só eu que pensa!

    40 anos depois: mais do que nunca, o mundo precisa de um “novo Bretton Woods”

    Postado por Husc em 25 agosto, 2011 · Deixe seu comentário

    Na segunda-feira 15 de agosto, completaram-se 40 anos do anúncio, pelo presidente Richard Nixon, da fatídica decisão de desvincular o dólar do ouro, que liquidou na prática os acordos monetários estabelecidos em Bretton Woods ao final da II Guerra Mundial e abriu caminho para a colossal financeirização da economia mundial, que redundou na presente crise econômico-financeira global.

    Bretton Woods foi fundamental
    Longe de ter sido um equívoco, a iniciativa resultou de meticulosas deliberações realizadas nos escalões mais elevados do establishment oligárquico anglo-americano, para os quais não interessava uma solução racional para os problemas que o sistema de Bretton Woods vinha apresentando desde a segunda metade da década de 1960, em grande medida acarretados pelas desconfianças geradas pelos crescentes déficits comerciais dos EUA e os custos da Guerra do Vietnã.
    Dali em diante, em lugar da relativa estabilidade monetária que proporcionou ao mundo do pós-guerra as três décadas de maior prosperidade da História, com importantes elevações generalizadas de níveis de vida per capita e redução das desigualdades sociais, impor-se-ia a lógica da “globalização financeira”, intrinsecamente distorcida em favor da alta finança internacional.

    O fim de Bretton Woods
    A predominância dos jogos financeiros sobre os processos produtivos da economia real foi o resultado direto do fim do sistema de Bretton Woods. Se, no início da década de 1980, os ativos monetários e financeiros mundiais ainda guardavam uma certa paridade com a capacidade produtiva dos países, refletida no PIB global, hoje, apenas os instrumentos financeiros superam o PIB combinado de todas as nações do planeta em pelo menos 20 vezes, criando uma bolha especulativa que, cedo ou tarde, irá estourar e levar com ela a disfuncional estrutura das finanças mundiais.

    As consequências
    Nos próprios EUA, os excessos especulativos dessas quatro décadas resultaram em desindustrialização e deterioração da infraestrutura, cujos impactos socioeconômicos, que se aceleraram ao longo da última década, somente podem ser descritos como catastróficos:
    ♦ desde 2000, os EUA perderam 32% da sua força de trabalho industrial; desde 2001, 42 mil unidades fabris fecharam as portas e a perda média mensal de empregos industriais atingiu a casa de 50 mil postos de trabalho;
    ♦ entre 2000 e 2010, Ohio perdeu 38% dos seus postos de trabalho industriais; a Carolina do Norte, 42%; e Michigan (um dos estados pioneiros da industrialização do país), nada menos do que 48%;
    ♦ em 2010, apenas 66,8% dos homens estavam empregados – o nível mais baixo de toda a história do país;
    ♦ em 2007, 26 milhões de pessoas dependiam de cupons alimentícios; atualmente, o número subiu para 44 milhões;
    ♦ desde 1975, apenas os 5% do topo da pirâmide de rendas tiveram rendimentos que lhes permitiram acompanhar a alta dos custos dos imóveis.

    Opiniões
    Com tais números, não admira que, em uma pesquisa feita em julho último pelo jornalWashington Post, apenas 36% dos entrevistados afirmou considerar positiva “a crescente interconexão da economia global”.
    Em um ácido comentário em sua coluna de 14 de agosto, o editor econômico do jornal londrino The Guardian, Larry Elliott, disparou:
    «Houve uma grande mudança na maneira em como os produtos do sucesso econômico têm sido divididos. Na época em que Nixon repreendia os especuladores que atacavam a vinculação ao dólar, havia um contrato social implícito, no qual o indivíduo tinha a garantia de um trabalho e um salário decentes, que subia na medida em que a economia crescia. Os frutos do crescimento eram compartilhados com os empregadores e os impostos eram reciclados em escolas, sistemas de saúde e pensões. Em troca, os indivíduos obedeciam a lei e incentivavam seus filhos a fazer o mesmo. O pressuposto era o de que cada geração teria uma vida melhor que a anterior. Este contrato social implícito foi rompido. O crescimento é menos rápido do que há 40 anos e os ganhos foram direcionados de forma desproporcional para as companhias e os muito ricos.»
    Elliott, que é um dos melhores observadores midiáticos da crise financeira global, se alinha com os que pensam que a crise do atual sistema é terminal, concluindo com um prognóstico sombrio:
    «Uma crise que tem sido alimentada por quatro décadas não será solucionada da noite para o dia. Será difícil remoldar o sistema financeiro global, de modo a assegurar que os próximos anos vejam uma recuperação gradual, em vez de uma depressão. Wall Street e a City [de Londres] resistirão a todas as tentativas de se lhes podarem as asas. Há uma forte resistência ideológica às políticas que viabilizam os salários decentes em uma economia de pleno emprego: controle de capitais, sindicatos fortes, subsídios salariais e protecionismo.»
    «Mas esta é uma encruzilhada no caminho… Juntos, os desequilíbrios globais, o comportamento maníaco-depressivo dos mercados de ações, a venalidade do setor financeiro, o aprofundamento do abismo entre ricos e pobres, os altos níveis de desemprego, o consumismo desenfreado e os motins estão nos dizendo algo. Este é um sistema com profundos problemas e esperando para explodir.»

    Economia mundial em crise
    Para complicar ainda mais o quadro, não poucas personalidades influentes, inclusive economistas de renome, estão flertando com a hipótese de um novo conflito em grande escala como uma “saída” para a crise, com a perspectiva equivocada de uma eventual repetição do efeito que a mobilização econômico-industrial para a II Guerra Mundial teve na recuperação dos EUA da Grande Depressão da década de 1930. Evidentemente, condições de guerra permitiriam ao establishment anglo-americano o pretexto perfeito para a preservação do atual sistema financeiro, mas que economistas destacados vejam algo positivo em semelhante “keynesianismo militar” indica a deterioração moral e profissional da ciência econômica na era “globalizada”.

    Retrocesso civilizatório
    Para qualquer pessoa que conheça minimente a história do progresso da Civilização e preserve um sentido moral do que significa ser humano, um conflito global, provocado por forças oligárquicas obcecadas com a preservação da sua hegemonia ameaçada, só poderá ter uma consequência: um virtual retrocesso civilizatório. Para a reconstrução da economia e das finanças mundiais, não há substituto para um novo sistema de Bretton Woods e algo como um renovadoNew Deal em escala global.
    Movimento de Solidariedade Íbero-americana

    Créditos ➞ este post é matéria apresentada no Boletim Eletrônico MSIa INFORMA, do MSIa – Movimento de Solidariedade Íbero-americana, Vol. III, No 14, de 19 de agosto de 2011. Introduzi subtítulos no texto para facilitar e incentivar a leitura.

    • Amilton Aquino says:

      A maior parte das informações que vc postou consta na série “Esquerda x Direita” que lhe indiquei, mas vc não leu. O seu problema e de todos esquerdistas fanáticos é que vcs caracterizam todas as mazelas do capitalismo como “neoliberalismo”, quando o verdadeiro câncer da economia do pós-guerra é justamente o keynesianismo.

  54. Pense nisso e bom fim de semana. No outro volto novamente.

    Comentário de JOEL BENTO CARVALHO agora mesmo
    Excluir comentárioQuando nas décadas de oitenta e noventa, começaram os movimentos de abertura total do comércio internacional, com as privatizações e sucateamentos da nossa indústria, os principais âncoras da Mídia Nacional, chegavam a babar ao falar dos tigres asiáticos. Não trouxeram, porém a público, as condições de trabalho (em navios sucateados, fundeados no mar, alojados ali mesmo e ganhando uma miséria). Babavam também quando falavam da carga horária e a ausência de impostos sobre o salário. Não comentaram que enquanto nós trabalhadores asseguramos a maioria dos impostos aqui no Brasil, enquanto as empresas, pagam uma ninharia perto do que faturam. Inverso do que acontece lá. Infelizmente os entreguistas venceram e ainda tentam voltar para o comando do Brasil. Temos mesmo que ficar atentos.

    Postado por aecio kauffmann colombo da silva em 22 agosto 2011 às 18:27
    Enviar mensagem View Blog
    ….Futuro negro pro Ocidente?

    VAMOS PENSAR SERIAMENTE NISSO? SE PUDER, ME RETORNE COM SUA OPINIÃO.
    GRATO
    ABRS.
    ARTUR

    China: futuro NEGRO

    Há 200 anos Napoleão Bonnaparte fez uma profecia, que está começando a realiza-se atualmente, ao dizer:
    “Deixem a China dormir porque, quando ela acordar, o mundo vai estremecer” .

    A China do Futuro e o Futuro é Hoje . . .
    A verdade é que agora, tudo o que compramos é Made in China .
    . . . . . . .. Eis um aviso para o futuro!
    Mas quem liga para esse aviso?
    Atualmente . . . . Ninguém !
    Agora é só . . . . . aproveitar E APROVEITAR . . . !
    E depois como será para os nossos filhos ?

    JÁ PENSOU COMO FICARÁ A CHINA DO FUTURO?

    Por Luciano Pires – Luciano Pires é diretor de marketing da Dana e profissional de comunicação . .
    Alguns conhecidos voltaram da China impressionados .
    Um determinado produto que o Brasil fabrica em um milhão de unidades, uma só fábrica chinesa produz quarenta milhões . . ..
    A qualidade já é equivalente . E a velocidade de reação é impressionante .
    Os chineses colocam qualquer produto no mercado em questão de semanas . . .
    Com preços que são uma fração dos praticados aqui .

    Uma das fábricas está de mudança para o interior, pois os salários da região onde está instalada estão altos demais: 100 dólares .
    Um operário brasileiro equivalente ganha 300 dólares no mínimo que acrescidos de impostos e benefícios representam quase 600 dólares .
    Quando comparados com os 100 dólares dos chineses, que recebem praticamente zero benefícios . . . . estamos perante uma escravatura amarela e alimentando-a . . .

    Horas extraordinárias? Na China . . . ? Esqueça!!!
    O pessoal por lá é tão agradecido por ter um emprego que trabalha horas extras sabendo que não vão receber nada por isso . . .

    Atrás dessa “postura” está a grande armadilha chinesa .
    Não se trata de uma estratégia comercial, mas sim de uma estratégia ” de poder” para ganhar o mercado ocidental .

    Os chineses estão tirando proveito da atitude dos ‘marqueteiros’ ocidentais, que preferem terceirizar a produção ficando apenas com o que ela “agrega de valor”: a marca .

    Dificilmente você adquire atualmente nas grandes redes comerciais dos Estados Unidos da América um produto “made in USA” .
    É tudo “made in China”, com rótulo estadunidense .

    As Empresas ganham rios de dinheiro comprando dos chineses por centavos e vendendo por centenas de dólares . . .
    Apenas lhes interessa o lucro ime dia to e a qualquer preço .
    Mesmo ao custo do fechamento das suas fábricas e do brutal desemprego . É o que se pode chamar de “estratégia preçonhenta” .

    Enquanto os ocidentais terceirizam as táticas e ganham no curto prazo, a China assimila essas táticas, cria unidades produtivas de altodesempenho, para dominar no longo prazo .

    Enquanto as grandes potências mercadológicas que ficam com as marcas, com os designes . . . suas grifes, os chineses estão ficando com a produção, assistindo estimulando e contribuindo para o desmantelamento dos já poucos parques industriais ocidentais .

    Em breve, por exemplo, já não haverá mais fábricas de tênis ou de calçados pelo mundo ocidental . Só haverá na China .

    Então, num futuro próximo veremos os produtos chineses aumentando os seus preços, produzindo um “choque da manufatura”, como aconteceu com o choque petrolífero nos anos setenta . Aí já será tarde demais .
    Então o mundo perceberá que reerguer as suas fábricas terá um custo proibitivo e irá render-se ao poderio chinês .

    Perceberá que alimentou um enorme dragão e acabou refém do mesmo .
    Dragão este que aumentará gradativamente seus preços, já que será ele quem ditará as novas leis de mercado, pois será quem manda, terá o monopólio da produção .

    Sendo ela e apenas ela quem possuirá as fábricas, inventários e empregos são quem vai regular os mercados e não os “preçonhentos” .

    Iremos, nós e os nossos filhos, netos . . . assistir a uma inversão das regras do jogo atual que terão nas economias ocidentais o impacto de uma bomba atômica . . . chinesa .

    Nessa altura em que o mundo ocidental acordar será muito tarde .

    Nesse dia , os executivos “preçonhentos” olharão tristemente para os esqueletos das suas antigas fábricas, para os técnicos aposentados jogando boliche no clube da esquina, e chorarão sobre as sucatas dos seus parques fabris desmontados .

    E então lembrarão, com muitas saudades, do tempo em que ganharam dinheiro comprando “balatinho dos esclavos” chineses, vendendo caro suas “marcas-grifes “aos seus conterrâneos .

    E então, entristecidos, abrirão suas “marmitas” e almoçarão as suas marcas que já deixaram de ser moda e, por isso, deixaram de ser poderosas pois foram todas copiadas . . . . REFLITAM E COMECEM A COMPRAR – JÁ – OS PRODUTOS DE FABRICAÇÃO NACIONAL, FOMENTANDO O EMPREGO EM SEU PAÍS , PELA SOBREVIVÊNCIA DO SEU AMIGO, DO SEU
    VIZINHO E ATÉ MESMO DA SUA PRÓPRIA . . . E DE SEUS DESCENDENTES

    • Amilton Aquino says:

      A China hoje é um problema para os países desenvolvidos e a locomotiva dos países emergentes. Se a China desacelerar, fatalmente entraremos em recessão. Talvez num futuro não muito distante, quando ficarmos finalmente ricos, tenhamos saudade do império yankee, infelizmente. Também a maior parte das informações postadas (com exceção do seu cabeçalho com os chavões sobre os “entreguistas” da oposição) estão também contidos na série “Esquerda x Direita”. Portanto, não vou gastar saliva com este assunto. Leia e vamos aprofundar cada assunto e vc vai ver que as informações contidas aqui não são “lineares” nem incondicionalmente partidárias. Claro que hoje tenho uma preferência pela oposição, afinal é o PT que está no poder e quem deve ser julgado. O PSDB já foi punido em três eleições. Portanto, já foi punido pelos erros que cometeu. É assim que funciona a democracia, com alternância de poder. A nós, cidadãos, cabe julgar quem está no poder, seja de esquerda, centro ou direita. Enfim, minha preferência pela oposição não ofusca meus sentidos. Vc pode conferir minhas posições na campanha eleitoral, nas séries sobre os desafios do pós-Lula, quando declarei meu voto na Marina no primeiro turno e em Serra no segundo, mesmo com algumas restrições e já reconhecendo as vantagens da eleição da Dilma. Só te peço uma coisa: poste cada assunto relacionado com o post. Quer falar de dívida, vamos falar sobre dívida. Temos dez posts sobre o assunto. Quer falar de imprensa, também temos uma série sobre o assunto, assim como neoliberalismo, globalização e todos os demais temas relacionados à economia e a política. Leia os posts e, se possível, também os comentários. Assim vc vai me poupar de responder novamente as mesmas questões.
      Abraço!

      • Leonardo says:

        “Alternância no poder”.

        Caro Amilton Aquino, estou interessado em saber sua opinião sobre algumas questões: 1)o que vc diz sobre a falta de “alternância no poder” no Estado de São Paulo, que vale lembrar já e governado pelos demotucanos há mais de 16 anos?
        2)vc considera que a redução recente da taxa de juros(Selic)em 0,5% foi uma decisão acertada do Copom ou ela deveria ter sido mantida em 12,5% como os “analistas do mercado” tinham previsto?
        3) Por que a taxa de juros no Brasil e tão alta? a quem beneficia?

        • Amilton Aquino says:

          Olá Leonardo,

          1) A alternância do poder é salutar em qualquer lugar do mundo, inclusive em São Paulo. Tenho certeza de que se um outro grupo político assumir o poder vai encontrar muita coisa errada lá também. Se a alternância fosse freqüente, certamente a apropriação da máquina pública por partidos políticos seria diminuída. No entanto, São Paulo é um dos poucos trunfos da oposição no Brasil. Perder o governo de São Paulo diminuiria ainda mais o já raquítico PSDB e aumentaria ainda mais o poder do PT, o que seria ainda mais pernicioso a nossa democracia. Entre o Brasil e São Paulo, que me desculpem os meus irmãos paulistas, mas fico com os interesses do Brasil.

          2) Os juros do Brasil estão muito além do que deveriam. Depois de bater o recorde histórico de 45% na crise de 1999, a taxa Selic iniciou uma trajetória de queda que já no início de 2002 havia chegado à casa dos 18%. Ou seja, em três anos os juros recuaram 27%! Infelizmente o cenário econômico mudou novamente e no auge da crise Lula, os juros chegaram a 25% no final do governo FHC e a 26% nos primeiros meses do governo Lula. Quando o Palloci surpreendeu o mercado aumentando o superávit primário, os juros voltaram a cair, retornando aos poucos aos 18% da do início de 2002. Quando a crise de 2008 começou, a Selic estava na casa dos 16%. Ou seja, o governo Lula passou os seis anos e meio de bonança para reduzir a Selic em 2% percentuais em relação aos 18% do início de 2002, taxa esta que teria caído ainda mais se não tivesse ocorrido a Crise Lula. Quando a crise de 2008 se aprofundou e todos os países ricos baixaram os juros para quase zero o BC não teve outra alternativa a não ser baixar sensivelmente os juros, quando finalmente saímos dos dois dígitos. Ou seja, a crise de 2008 alem de aumentar a importância dos emergentes no cenário global, ainda foi mais benéfica para o Brasil, pois trouxe nossos juros a níveis mais civilizados. O problema é que quando a crise arrefeceu o governo Lula continuou aquecendo a economia, pois estava mais preocupado em terminar o governo com o maior PIB possível e assim liquidar com as eleições no primeiro turno. Tal aquecimento elevou a pressão inflacionária, o que fez o BC reiniciar a trajetória de alta dos juros quando chegamos aos 12,5%. E aí a Dilma claramente ordenou o BC a baixar os juros. Uma decisão corajosa, sem dúvida. Porém muito arriscada, já que as pressões inflacionárias ainda são muito fortes apesar da intensificação da crise da Europa. A percepção do agravamento da crise de fato justificariam a queda dos juros. No entanto, a alta do dólar tem um efeito inverso e se persistir vai colocar ainda mais combustível no processo inflacionário. Se ela tomou a decisão certa, só o tempo vai dizer, mas que foi arriscada, isso foi. A ironia disso tudo é que a Dilma fez exatamente o que pregava Serra. Ou seja, interferir politicamente nas decisões do Banco Central. Enfim, este certamente não é o momento mais adequando para baixar os juros. Mas como nossos juros ainda são muito altos, não acho nenhum absurdo reduzir a Selic em 0,5%.

          3) O mercado financeiro se acostumou a inércia do BC, de forma que a decisão de reduzir meio ponto percentual em um cenário inflacionário foi algo absolutamente surpreendente. O mercado financeiro lucra com os juros altos? Claro. Os bancos continuam batendo recorde de lucros. E claro que existe aí também um poderoso lobby. Por outro lado, existe também a necessidade do governo de capitalizar recursos do mercado via venda de títulos públicos. Portanto, se nossa inflação beira os 7% fica difícil para o governo vender títulos a 8 ou 10%. Daí o aumento dos juros tem uma dupla função: 1) Torna os títulos do tesouro mais atraentes, o que significa mais dinheiro no caixa do governo (e infelizmente mais dívida para o futuro); 2) Ao tornar o crédito mais caro, o governo reduz a liquidez do mercado, o que, por sua vez, reduz a demanda e esta reduz a expectativa de inflação.

          Lula teve todas as condições do mundo para normalizar os nossos juros, pois contou com um longo período de estabilidade com um dólar em queda livre. Mais preocupado com a popularidade, ele fez de tudo para promover o crescimento a todo custo, endividando o estado ainda mais para promover uma aceleração artificial com o PAC. Com a aceleração, as condições favoráveis foram anuladas e o governo deixou escapar mais uma grande oportunidade: a de baixar a meta de inflação. Se tivesse baixado em pelo menos um ponto, hoje a Dilma não estaria tendo tantos problemas. A aceleração poderia ter vindo naturalmente, sem endividamento, o que reduziriam ainda mais as pressões para o aumento dos juros.

          Abraço!

  55. Por favor divulguem se gostam da internet livre, pluralista e universal…

    http://forumdainternet.cgi.br/?p=739&cpage=1#comment-194

  56. Pois bem, vamos falar da sua postagem e vamos deixar de criancices. Usei de um artifício para que você se mostrasse inteiro: sou apartidário, não militei e não milito qualquer partido político, nem fui guerrilheiro/terrorista/subversivo na acepção da palavra e sim nas conversas com colegas colocando sim contrapontos onde achava que eram necessários. Você caiu no engodo (isca, armadilha) e veio com toda a sua parcialidade para cima de mim. Lendo outras colocações sobre a sua postagem de pessoas equilibradas já havia notado.
    Sou contra, visceralmente contra a corrupção. Sei que há inúmeros problemas políticos, econômicos e, por que não de comunicação. Assim como você mesmo se coloca como humano e portanto factível de errar, todas as pessoas envolvidas nos problemas citados também o são!
    A diferença é que alguns erram deliberadamente, ou por coação, ou por falha de estrutura ética (quando acredita que o que faz é correto), ou por tudo isso junto.
    Se eu coloquei algumas postagens minhas, foi para mostrar que o que você via de um jeito, eu via de outro. Duas verdades para uma só colocação.
    Não há verdade absoluta, inclusive nas ciências mais exatas, quanto mais em análises políticas, econômicas e de informação! Por isso a necessidade imperiosa do contraditório. Se não há, vira monólogo como lhe coloquei num dos comentários, com uma só ideia vigindo como verdadeira. Nós (me coloco junto mesmo com pessoas achando que não) que temos um pouco mais de raciocínio que outros, temos de preservar isso por sermos formadores de opinião. Apesar de ter escrito muitas coisas que vão de encontro ao seu pensamento e que foi rechaçado por você, sabe , do alto da sua inteligência que não estou de todo errado. Sei também que o conteúdo de suas séries não estão totalmente erradas e aproveitarei para fazer alguma colocação e divulgação. Sou assim.
    Passei por todos os principais eventos políticos do Brasil atual, pois nasci em 1946 em uma família simples mas muito politizada. Minha mãe, no início do século passado, lia um jornal assinado pelo meu avô, no interior do Rio Grande do Sul e se inteirou de todos os principais eventos Econômico/desenvolvimentistas/políticas desde então até o seu falecimento em 1986, após publicar um livro de memórias. Meu pai analfabeto, recebeu carta de próprio punho do recém Presidente eleito Getúlio Vargas agradecendo o apoio dado à campanha em Ijuí RS. Aprendi como poucos a ouvir e ponderar sobre o que está certo e o que está errado em todos os atos de qualquer natureza, pois como o mundo é governado por pessoas humanas, sempre haverá acertos e consequentemente falhas. Não há como escapar. Sempre haverá interesses de uns (beneficiários) e prejuízos de outros (descontentes). Então como exemplo coloco um fato do FHC que corrobora exatamente o que disse: privatização das teles. Não vou colocar a parte que discordo dele ter implantado a base toda da telefonia para depois vende-la. Vou ater-me somente da necessidade ou não de privatizá-la. Agiu muito bem, porém sem o devido cuidado: não tratou de colocar freios e hoje por força legal, pagamos a maior taxa de telefonia do planeta(por favor não me diga que é a carga tributária, pois isso seria uma falácia, já que os outros países onde essas mesmas atuam têm uma alta carga tributária também). Como vê sempre há dois lados e os dois verdadeiros.
    A ÉTICA, assim maiúscula, não deve se submeter a leis humanas. (antes de tudo devo dizer que nem estudei filosofia, pois no meu tempo não havia essa disciplina no currículo que segui) A Ética deve ser atemporal ou seja vigir em qualquer espaço de tempo, independe de local, qualquer que seja o lugar e em qualquer situação, ter a mesma atitude visando sempre o acerto. Então respeitar o posicionamento do outro, seja qual for o contexto, tratar todos com a mesma cortesia, tolerância, amor, etc., etc….Isso é o que penso e , dando vasa ao contraditório , acho que está certo! (um pouco de ironia não faz mal a ninguém: viu? não sou o comedor de criancinha que pareço)

    • Amilton Aquino says:

      Olá Joel,

      Não sei ainda em qual isca caí. Simplesmente falo o que eu julgo ser o mais correto, independentemente se tais conclusões corroborem com o que convencionalmente a esquerda defende ou à direita. Daí o porquê de encontrarmos alguns pontos de convergência. Seriam estas as iscas? 😉

      Isto comprova também que não sou nenhum bitolado que só vê o que quer ver. Estou sempre aberto ao contraditório e vc pode ver pelos comentários que procuro sempre tratar a todos de forma respeitosa. Tem hora que fica difícil manter a linha, pois já estou meio cansado desta guerra sem razão de ser e principalmente daqueles que chegam aqui já armados para a guerra, pois para estes a ética, a verdade e a justiça ficam em segundo plano. O mais importante é dar a “palavra final”, ironizar, fazer chacota. Daí o porquê da minha raiva do Lula, pois foi ele quem promoveu este acirramento, além de provar, na prática, aquilo que minha família dizia o tempo todo e que eu inocentemente tentava convencê-los do contrário: que o PT era diferente.

      Vc vem de uma família com uma tradição política. No meu caso foi justamente o contrário. Sempre fui uma exceção na minha família que sempre foi indiferente à política. Desde a adolescência militei pelo comunismo, depois pelo petismo. Envolvi-me com o movimento estudantil, onde conheci pessoalmente algumas figuras eminentes do PT e do PCdoB, alguns em início de carreira, como o hoje senador Lindenberg Farias e a ex-prefeita de Olinda Luciana Santos.

      Portanto, nunca tive nem tenho pretensões políticas, apesar de ter tido oportunidade de seguir “carreira”. Escrevo única e exclusivamente por uma questão de cidadania. Como a cidadania não tem partido, então me sinto totalmente livre para falar o que realmente acredito. Se estou certo ou não o tempo vai dizer.

      Ah, sobre o setor de telefonia, o governo Lula tem uma grande responsabilidade no quadro atual, pois aparelhou também as agências reguladoras. Perceba que nem as exigências mínimas como a manutenção dos orelhões estão sendo obedecidas pelas operadoras. Proporcionalmente os investimentos do setor foram reduzidos sensivelmente desde a privatização, de forma que o setor se acomodou e o governo não fez absolutamente nada para reverter o quadro.

      Abraço.

  57. Só para lembrar ao amigo sobre o Molusco:
    Ele tem mais diplomas que nós dois juntos. Honoris causa nunca seremos, e só tem o 2º grau!
    Será que comprou? Sei não!

    Lula receberá na Bahia sexto título de doutor e na França o sétimo

    O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebe amanhã, em Salvador (Bahia), seu sexto título doutor “honoris causa”, a ser outorgado pela Universidade Federal da Bahia.

    No dia 27, Lula deve ir à universidade francesa Sciences Po para recebimento de mais um título honoris causa.

    Doutor “honoris causa” é o titulo atribuído à personalidade que se tenha destacado pelo saber ou pela atuação em prol das artes, das ciências, da filosofia, das letras ou do melhor entendimento entre os povos.

    Lula já foi laureado pela Universidade Federal de Viçosa (em janeiro), pela Universidade de Coimbra (março) e, em julho, pela Universidade de Pernambuco (UPE), Universidade Federal de Pernambuco e Universidade Federal Rural de Pernambuco.

    FRANÇA

    Lula será a 16ª personalidade –a primeira latino-americana– que receberá essa láurea desde a fundação da Sciences Po, em 1871. O último a ser titulado pela instituição foi o ex-presidente tcheco Václav Havel, em 2009.

    Na ocasião, segundo a instituição, Jean-Claude Casanova, membro do Instituto da França e presidente da Fundação Nacional das Ciências Políticas, pronunciará o “elogio do impetrante” e outorgará o título ao brasileiro na presença dos professores da universidade.

    A Universidade Sciences Po é uma instituição de ensino superior e de pesquisa em ciências humanas e sociais. A universidade tem 10 mil estudantes, dos quais 40% são estrangeiros, oriundos de mais de 130 países.

    Foram alunos da instituição os ex-presidentes franceses Jacques Chirac e François Mitterrand, além do príncipe Rainier 3º de Mônaco, do ex-secretário-geral da ONU Boutros Boutros-Ghali e do escritor Marcel Proust.

    Da Folha

    Leia mais em: O Esquerdopata: Lula receberá na Bahia sexto título de doutor e na França o sétimo
    Under Creative Commons License: Attribution

    • Amilton Aquino says:

      Estes títulos são tão significativos como ver um Sarney participar da Academia Brasileira de Letras!!! Eheheehehehe! Como isso pôde acontecer? Sinceramente não sei. Aliás, sei sim: política. Na política tudo é possível. E as universidades não estão imunes às paixões políticas. No exterior existe um componente a mais, além da clássica disputa entre direita e esquerda. Tem o charme especial da nossa democracia de ter colocado no poder um ex-torneiro mecânico. Com nosso país entrando no clube dos emergentes e o Lula nadando em popularidade por aqui, então não é nenhuma surpresa a chuva de convites para receber títulos que não tem outra função a não ser massagear o ego de pessoas influentes. Uma oportunidade para os baba-ovos tirarem fotos ao lado de tais figuras ou quem sabe trocar algumas palavras, fazer um lobby para fechar um contrato aqui, a compra de uns caças ali… Ou seja, existem muitos motivos, mas certamente os títulos que ele tem recebido não têm nada a ver nem com sua atuação em prol das artes, nem das ciências, nem da filosofia, muito menos das letras, já que Lula orgulha-se da sua condição de apedeuta, um exemplo ao contrário para os nossos jovens. E não foi por falta de oportunidade de estudar, que fique bem claro, afinal desde os anos 80 que ele vive exclusivamente de política. Contribuição por “um melhor entendimento entre os povos”? Talvez, afinal o maior talento do Lula é fazer aliados para destruir quem ele elege como inimigo, mesmo que tais aliados sejam corruptos, terroristas ou até tiranos sanguinários. E vale lembrá-lo que popularidade não é uma qualidade intrínseca aos estadistas e sim dos populistas. Hitler teve o apoio de quase todos os alemães. Passada a histeria coletiva, muitas pessoas que viveram aquela época ainda se perguntam como puderam embarcar na aventura nazista e a única explicação que encontram é a “homologação” popular, este sentimento comum a nós brasileiros nos últimos anos, onde muita gente fecha os olhos para todas as falhas de caráter do líder simplesmente por abdicaram do dever de fiscalizar seu governante já que não estão dispostos a ir de encontro à maioria ou simplesmente por comodismo já que imaginam que a maioria já o fez.

      Se eu tenho inveja de tais “títulos”? Nenhuma, pois uma das coisas mais importantes da vida é ter a cabeça erguida e mãos limpas. Isso o Lula não tem, pode ter certeza.

  58. Gilx says:

    Amilton,
    Haja paciência para ler a mesma lenga-lenga que se encontra nos blogs chapa branca. Pelo menos fica provado que aqui é um espaço democrático, inclusive para os espaçosos. rsrs
    Eu, que sou mais bobo, já tive também alguns de meus comentários solenemente ignorados no site do PHA, por exemplo.

    • Amilton Aquino says:

      Pois é, Gilx. Fiquei tão p. da vida com a censura deles que tentei mandar mensagens diretamente para o PHA questionando o seu “novo jornalismo colaborativo”, o qual ele apresentava com tanto entusiasmo na página de apresentação. Até hoje não obtive nenhuma resposta. Como todos podem ver, estes caras não resistem a um debate franco. Começam cheios de banca despejando todos os seus “trunfos”, ficam andando em círculos e no final saem de fininho. Aliás, por falar em sair de fininho, por onde anda o Alan Patric? Rsrsrsrssss

  59. Alan Patrick says:

    Olá Amilton, tudo bem?
    pela leitura que fiz do seu comentário notei que vc esta reclamando de ter sido censurado no blog do PHA. Pois é, Amilton, eu também fiquei p. da vida com a censura que sofri no blog do Reinaldo Azevedo, lá por exemplo não passa nenhum comentário que seja contrário ao pensamento do jornalista da Veja, mas se pode encontrar facilmente comentários que contenha xingamentos e insultos ao Lula, a Dilma ou ao PT. E daí eu também pergunto: que tipo de jornalismo de oposição e esse que não abre espaço para o contraditório mas que esta aberto para desqualificar o opositor? os blogs do Azenha, do Eduardo Guimaraes,da Carta Maior,do Rodrigo Viana e do Nassif não pode ser acusados de não abrir espaço para o contraditório, porque nesses blogs encontro com frequência comentários de militantes do DEM e do PSDB,quem quiser provas e só ir lá pra ver.
    No mais, tenho notado que apesar da crise financeira estar pegando fogo lá fora, o Brasil esta bem preparado para enfrentar esta crise, algo que se deve as políticas sociais do governo Lula que fortaleceu o mercado interno e reduziu desigualdade social no Brasil.
    E por essas e outras que eu e 80% da população brasileira diz: VALEU, LULA!

    • Amilton Aquino says:

      Alan Patrick, que bom ver vc por aqui. Senti sua falta.

      Mas vamos aos fatos. Se vc leu a série “Lula e a mídia golpista” deve ter visto também que eu já criticava a constatação que vc fez agora. “A parcialidade de ambos os lados fica cada dia mais evidente”. Logo, se existe parcialidade explícita, existe o acirramento político, o que, por sua vez, explica o porquê da censura, de ambos os lados. A questão que deve ser colocada, portanto, é: por que tal acirramento?

      E aí voltamos ao nosso principal personagem, o responsável direto por todo este lamentável desfile de aberrações: Lula. Foi ele quem, para se defender das acusações que mais tarde iria admitir perante ao STF (lembra do “eu não sabia?”), começou a acusar a imprensa de golpista, criando o clima de acirramento político que dividiu nossa população entre seus opositores (os elitistas inimigos da nação) e seus apoiadores incondicionais (os nacionalistas que querem o bem do país). A maioria que infelizmente engoliu este discurso se tornou também um “soldado” no combate à oposição e à imprensa. Daí o sucesso dos blogs formadores de opinião do exercito de bitolados que infesta as seções de comentários dos grandes portais com a asneira do “nunca antes na história deste país”. Lamentável.

      Sobre nossa posição em relação à crise é a mesma de todos os emergentes. Todos tiveram redução significativa da pobreza; todos têm mais reservas, afinal o dólar perdeu mais de 30% do seu valor no mundo todo nos últimos anos; todos crescem mais que os países do antigo primeiro mundo, todos estão com seus mercados internos aquecidos, com a população comprando mais produtos de bens duráveis e, principalmente, alimentos.

      Portanto, se este é um fenômeno comum aos emergentes, então te pergunto: por que será que isso aconteceu? Será que Lula ajudou a governar a China, a Africa do Sul, a Índia e todos os demais emergentes? Será que foi Lula quem mudou o mundo????

      A resposta para esta pergunta vc conhece, já que vc acompanhou a série “Equerda x Direita”. Portanto, tal progresso é fruto de um contexto histórico de mudanças rápidas na economia mundial que favoreceram os países emergentes e, por sua vez, colocaram as economias do antigo primeiro mundo em cheque. Quando vc vai ver o que de concreto o governo Lula fez para que chegássemos a tal progresso, concluímos que fez muito pouco, governou na inércia. Aliás, deixou de fazer muita coisa importante que reduziriam, no mínimo, pela metade os dilemas que a Dilma hoje enfrenta. Reformas estruturais? Nenhuma. Apenas continuidade com populismo.

      Mas para quem se sente um “soldado” na luta contra o “mal” (a direita) estes detalhes não são importantes, né? Deixa isso para os intelectuais. Para os 80%, o mais importante é que o Brasil vai realizar a copa. Custará mais que a soma de todas as outras juntas, mas vai realizar a copa!

      E por estas e outras que as mega construtoras agradecem ao Lula. Valeu Lula pela ótima oportunidade de superfaturar obras, pela novas regras de licitação e etc. etc.

  60. Alan Patrick says:

    Amilton, a “grande imprensa” como a Veja,Folha de São Paulo,Estadão e Rede Globo representam os interesses de grupos poderosos. Esses grupos não aceitam perder nenhum pouco de seus privilégios,e atacam qualquer gorverno ou pessoa que não se curvem ao seu poder. E importante lembrar um pouco da história: Estes grupos tem todo um passado de incitação e apoio ao golpe militar de 1964, golpe que vale lembrar acabou com a democracia no país e instaurou um regime autoritário e repressor que matou e torturou milhares de pessoas,concentrou renda nas mãos de poucos e destruiu a economia do país com o endividamento externo. Portanto, a grande imprensa que temos atualmente apoiou a ditadura militar e fez a propaganda ideológica do governo militar/civil golpista. Mas as coisas não param por aí,depois com a volta da democracia ao país esses grandes veículos de comunicação continuam manipulando,omitindo notícias que não correspondam aos seus interesses, e buscando eleger candidatos que defedam seus interesses de classe,tudo isso por trás das mascáras da imparcialidade e do jornalismo isento. alguns fatos de como o jornalismo da grande imprensa não e isento, pode ser visto na manipulação do debate do Lula com o Collor em 1989, quando a rede globo selecionou os melhores momentos do Callor e os piores momentos do Lula antes da eleição. Poderia citar vários outros exemplos de como a mídia golpista não é imparcial. Agora algo que deve ser destacado e o monopólio e oligopólio que a grande imprensa tem no setor de comunicação,algo que vale lembrar e proibido pela constituição federal de 1988. O que vc diz desse monopólio e oligopólio que existe no setor de comunicação, Amilton?

    • Amilton Aquino says:

      Alan,

      Não vou gastar muito saliva com este assunto, pois respondi recentemente questionamento semelhante. Segue um trecho da resposta:

      “Quanto à imprensa, vamos separar duas coisas bem distintas. Uma é o apoio que a imprensa deu ao golpe militar. Não era uma questão de opção. Quem era contrário fechava as portas. Claro que neste meio muitos veículos vestiram a camisa dos militares por questão ideológica mesmo, o que é perfeitamente compreensível já que existia a possibilidade real do Brasil ser transformado em uma enorme Cuba, o que felizmente não aconteceu. E já que vc ainda está preso à ditadura. Aproveito para te perguntar como estaria hoje o Brasil se nossos “cumpanheiros” guerrilheiros tivessem vencido a guerrilha e implantado no Brasil mais uma ditadura do proletariado? Os esquerdistas seriam hoje as vítimas ou os algozes? Será que vc teria hoje a mesma opinião? Teria existido o Lula?

      Te pergunto isso porque acompanhei de perto a trajetória do ex-presidente, fui um militante como vc e te garanto que este é um produto da mídia. Acesse o site da Veja, o veículos que hoje mais se posiciona contra Lula e faça uma busca com o nome do dito cujo: http://veja.abril.com.br/busca/resultado.shtml?qu=lula Vc vai ver a aversão de um setor da imprensa hoje a Lula é conseqüência do acirramento ideológico imposto por este, principalmente a partir do mensalão, quando recebeu as primeiras críticas e partiu para o contra-atraque, atribuindo as denúncias do seu ex-aliado Roberto Jefferson a uma “conspiração da direita”. Foi aí que Lula falou pela primeira vez em controle da imprensa e do judiciário, acirrando ainda mais os ânimos. Portanto, qualquer reação da imprensa é mais que justificável.”

      Sobre a edição do debate entre Lula e Collor pela Globo, o próprio veículo reconheceu o erro e desde então tem se comportando da forma mais imparcial possível. Digo, possível, porque é impossível ser totalmente imparcial em meio a este acirramento incitado por Lula. De qualquer forma, partidária ou não, é da imprensa que tem surgido a maior parte das denúncias de corrupção que vemos todos os dias. O que não pode acontecer é o cidadão relevar tais denúncias porque estas foram publicadas por veículos que “apoiaram a ditadura” há 40 anos atrás ou que hoje se identificam mais com a oposição. O governo já tem um marketing poderosíssimo e agora está novamente empenhado em controlar a imprensa, assim como fizeram nossos vizinhos chavistas. Se conseguirem, pode ter certeza que as coisas vão piorar ainda mais, pois por trás do discurso teórico de “democratização dos meios de comunicação” virão embutidos mecanismos reais de controle da informação. E olha que o governo já tem usado e abusado do seu mecanismo mais eficiente até o momento, que é o direcionamento de verbas publicitárias para veículos “amigos”.

      Sobre os monopólios, não vejo todo este monopólio da mídia. Apesar da supremacia da Globo, esta a cada dia perde mais espaço. Na mídia impressa, existem vários grupos concorrentes em todo o Brasil, sendo que estes disputam os cada vez mais escassos leitores, que agora contam com a opção gratuita da Internet. Muito mais graves são os monopólios de outros setores da nossa economia. Aliás, o Governo Lula esteve muito empenhando em criar monopólios, pois facilitou várias fusões de mega empresas, vale lembrá-lo. E já que os monopólios da mídia tem incomodam tanto, te pergunto então sobre os monopólios comandados por Sarney no Maranhão. Por que será que Lula, defensor incondicional de Sarney, não se incomodava com a censura explícita dos veículos de comunicação comandados pelo clã Sarney? E por que Lula com toda a sua indignação com a censura do período militar não deu um pio sobre a censura ao Estadão em relação à divulgação das investigações a um filho de Sarney?

  61. Alan Patrick says:

    Amilton,essa ideia de evitar a “revolução comunista” no país não passou de um pretexto usado pelos militares golpistas para tentar justificar o golpe de Estado que ocorreu em 1964. Golpe que volto a mencionar foi incitado e apoiado pela imprensa conservadora,venal e golpista,imprensa que aliás defende até hoje com unhas e dentes os interesses e privilégios da oligarquia burguesa,e que não pensa duas vezes para apoiar um novo golpe de Estado caso sinta que seus interesses de classe estão ameaçados. Quando vc me pergunta o que teria acontecido com o país se a esquerda tivesse tomado o poder naquela época,lhe respondo: não tenho como lhe responder esta pergunta,porque isso não aconteceu no país, o que houve de fato foi uma ditadura civil/militar de direita,apoiada e financiada pelos EUA,por grandes empresários,proprietários rurais e pela midía conservadora,venal e golpista. A principal causa do golpe de Estado de 1964 não foi uma ação preventiva contra uma suposta “revolução comunista”(como já expliquei, o governo ditatorial precisava de uma justificativa para o golpe, e esse pretexto foi utilizado pelos golpistas),a principal causa do golpe de 1964 foram as reformas de base do governo João Goulart que,tinha como objetivo “humanizar” o capitalismo selvagem. Portanto,o primeiro ponto a destacar e que as reformas de base do governo João Golart tinha como objetivo aperfeiçoar o capitalismo e não acabar com ele(o próprio João Goulart era burguês e defendia o sistema capitalista). Agora vamos as propostas contidas nas Reformas de Base que foi a principal causa da queda do Presidente reformista:Reforma agrária,reforma política,limitação das remessas de lucros pelas multinacionais para o exterior,reforma tributária etc. Claro, a burguesia brasileira e os grandes empresários das multinacionais ficaram assustados com a possibilidade de ver seus lucros e privilégios atingidos,por isso não hesitaram em apoiar e financiar a ditadura civil/militar que houve de 1964 a 1985. O jornal o Globo chegou a chamar o Golpe de “defesa da Democracia” e os militares golpista de “revolução”. Claro, o que se viu depois do golpe que tinha como pretexto defender a “democracia”,foi um governo autoritário,repressor e que adotou uma política econômica concentradora de renda e dependente do exterior(“O que e bom para os EUA e bom para o Brasil”,disse um dos ministros do governo ditatorial).Continuo amanhã…

    • Amilton Aquino says:

      Puxa Alan, fazia tempo que não ouvia falar de “burguesia”. Nem mesmo os “cumpanheiros” do PT usam mais o termo, afinal boa parte da elite empresarial deste país tornou-se “amigo do rei”, vale lembrá-lo. Que o digam os empreiteiros!

      Mas vamos aos argumentos.

      Os anos 60 foram os mais efervescentes da Guerra Fria. Além de pipocar revoluções comunistas em diversas partes do mundo (apoiadas pelos russos, diga-se de passagem), dois anos antes do Golpe Militar no Brasil, o mundo havia chegado bem perto de uma hecatombe nuclear no episódio da Crise dos Mísseis em Cuba. Além dos revolucionários que apostavam na guerrilha, havia também uma ala mais moderada que defendia uma transição para o socialismo gradual pelas vias democráticas. O marxista Salvador Alende, por exemplo, tentava se eleger presidente do Chile desde 1952, chegando finalmente ao poder em 1970. No Brasil, mesmo com os poderes de Jango limitados pelo parlamentarismo, em pouco mais de dois anos e meio seu governo dava passos largos rumo ao socialismo.

      Também não acredito que Jango fosse capaz de implantar uma ditadura comunista. Mas, a julgar pela radicalização que aconteceu em todos os países onde o socialismo foi implantando, os temores da parcela da sociedade que abominava o comunismo eram mais que justificados. Além do mais no Brasil, cujo território corresponde à metade do território da América do Sul, um país estratégico na Guerra Fria. Se os comunistas chegassem ao poder no Brasil, teriam 23 mil km de fronteiras para avançar com suas guerrilhas pelos vizinhos. Daí o interesse dos norte-americanos em neutralizar as forças de esquerda no Brasil. Portanto, a neurose comunista era uma ameaça real sim. Não viria com Jango, mas certamente ganharia muita força se não tivesse ocorrido o Golpe Militar.

      Os militares foram autoritários? Ok. Mas o que dizer dos comunistas no poder? Vc sabe quantos milhões Stalim exterminou? Vc sabe quantos caíram nos paredóns de Fidel Castro ou de Mao-Tse Tung?

      Felizmente os comunistas não chegaram ao poder por aqui. Mas se tivessem chegado, pode ter certeza que hoje o número de desaparecidos políticos no Brasil seria muito maior e nós não seríamos hoje um dos BRICS.

      Sobre a crise econômica que os militares deixaram o Brasil, vale lembrá-lo que a base da política econômica da época está sendo imitada pelo PT: mais estado na economia, mega-projetos financiados com o crédito externo fácil, nacionalismo exacerbado, etc. Não a toa, figurinhas eminentes do regime militar como Delfin Neto, Paulo Maluf e Sarney, por exemplo, hoje estão de mãos dadas com Lula. E mais uma vez acontece aquilo que criticamos aqui o tempo todo. Se está com Lula, não importa o passado. Se é adversário, até mesmo a mais remota ligação com o regime militar já é suficiente para caracterizá-lo como “representante das forças retrógradas”, da “direita golpista” ou da “direita venal”.

      E enquanto Lula toma cachaça com os seus novos amigos, os seus soldadinhos continuam repetindo a mesma ladainha.

      • Alan Patrick says:

        Como vc já me réplicou vou responder sua réplica, nos próximos dias vou tentar responder os outros pontos que vc destacou no seu cometário. Tudo bem?
        Como observei as reformas de base do governo João Goulart eram reformistas e tinha como objetivo tentar “humanizar” o capitalismo selvagem e não implantar o comunismo . Acontece que o Jango tinha apoio dos movimentos sociais da época que,aderiram ao reformismo burguês do Presidente. Claro, esse apoio da esquerda ao Presidente, somado com o medo da burguesia nacional e estrangeira de perder um pouco dos seus privilégios com as reformas de base foi o estopim para o golpe de 1964. Mas acontece que o Brasil não foi o único país a ter uma ditadura civil/militar de direita aqui na America do Sul, como vc lembrou estavamos no contexto da guerra fria,o que levou o governo dos EUA em associação com a burguesia nacional de diversos países da America Latina a financiar ditaduras militares no Chile,Argentina,Uruguai,Brasil etc tudo isso com o principal objetivo de manter e assegurar a exploração e a espoliação capitalista sobre a classe trabalhadora. E já que vc lembrou dos que foram mortos no regime comunista totalitário do Stalin e de outros governos que implantaram o comunismo, o que vc diz então da grande quantidade de pessoas mortas e torturadas pelas ditaduras civis/militares de direita implantadas na Ámerica Latina, com o apoio do imperialismo norte americano para preservar o capitalismo selvagem,espoliador e concentrador de renda? Alías, se o capitalismo e tão “bom” quanto seus arautos prega, então por que existe tanta miséria,fome,guerra e desemprego no mundo? Aliás,vale lembrar que o desemprego como consequência da crise financeira capitalista no mundo, já atinge atualmente 200 milhões de pessoas(maior do que a população brasileira,portanto!). O capitalismo,aliás, vale lembrar já produziu duas guerras mundiais, que ceifou a vida de muita gente inocente,produziu o fascismo e o nazismo(capitalismo sem a máscara da democracia), e continua até hoje concentrando renda nas mãos de poucos e espoliando a classe trabalhadora. Este sistema podre(capitalismo liberal),portanto, não e a última etapa de evolução da humanidade como disse afoitamente o ideologo Burguês Francis Fukuyama que, deve estar muito chateado devido ao seu “admiravel mundo novo”(globalização neoliberal) ter descambado numa das maiores crises de todos os tempos, o que mostra que este sistema podre além de ser irracional devido as constantes crises, também ofende a dignidade humana ao espalhar a guerra,a fome,a miséria e a destruição da natureza pelo mundo!
        Quanto ao governo Lula, vc esta equivocado ao dizer que a política econômica do governo Lula foi igual ao da ditadura militar, porque a política econômica dos governos militares estava baseada no forte arrocho salarial e no crescimento econômico com concentração de renda,tanto que a concentração de renda cresceu bastante durante aquele período de trevas e desrespeito aos direitos humanos.Já no governo Lula por outro lado foi adotado uma política econômica com base no crescimento econômico com distribuição de renda, geração de empregos e aumento real do salário mínimo etc, o que consequentemente contribuiu para diminuir a desigualdade social no país e a levar 32 milhões de pessoas para a classe média. Quanto ao Sarney,realmente,ele e um filhote da ditadura, mas esta no poder porque o povo infelizmente votou nele, por isso o governo Lula fez aliança com ele para poder manter a governabilidade…infelizmente.

        • Amilton Aquino says:

          Alan Patrick,
          Pode ficar a vontade para comentar como vc achar melhor. Só peço que não fique andando em círculos. Vamos então aos argumentos.

          A primeira coisa que me chama a atenção no seu comentário é o fato de vc classificar Jango como um “burguês”, o que prova que vc dá mais valor aos rótulos do que aos fatos. Ora, Jango em dois anos e meio de governo mostrou-se mais esquerda do que Lula nos seus nove anos de poder. Mesmo com seus poderes limitados pelo parlamentarismo, Jango tentou mudar a constituição para trocar imóveis por títulos da dívida pública com o objetivo de implementar uma reforma agrária. Lula, ao contrário, com seus 80% de aprovação, contando com toda segurança da nossa atual democracia, com apoio de empresários e de quase a totalidade dos partidos políticos não fez absolutamente nada com relação aquela que era, até antes de chegar ao poder, uma das principais bandeiras do PT: a reforma agrária.

          Um outro ponto que transborda dos seus comentários é o seu incrível apego aos chavões esquerdistas já esquecidos até mesmo por seus ídolos, sempre dividindo o mundo entre os exploradores capitalistas e os coitadinhos dos trabalhadores. Não existe meio termo. Ou é de direita ou de esquerda. E, claro, os esquerdistas são sempre os mocinhos da história.

          Para vc, o objetivo dos golpes militares era “assegurar a exploração e a espoliação capitalista sobre a classe trabalhadora”! Simples assim. Vc não consegue perceber que mesmo nas classes menos favorecidas já existiam pessoas que temiam o comunismo. E olha que naquela época ainda nem sabíamos da metade dos crimes dos comunistas ao redor do mundo.

          Os militares mataram? Claro, havia uma guerrilha no Brasil, pequena, mas que poderia crescer e se tornar um problema bem maior. Quatro anos antes, todo mundo já tinha visto como uns quatro gatos pingados em Cuba multiplicaram-se e chegaram ao poder. O saldo de mortos no Brasil, portanto, foi insignificante em relação ao número de mortos em países vizinhos, cujas guerrilhas estavam mais organizadas, como bem lembrou o Sandro. Vc só esquece que muitos dos agora vitimizados esquerdistas também mataram militares, civis e até os próprios companheiros, para não serem dedurados. Mas já que vc ainda está tão preocupado com os 425 esquerdistas mortos pelos militares, vc deveria lembrar que o comunismo vitimou milhões em todo o mundo (cerca de 94 milhões, segundo o Livro Negro do Comunismo). E mais uma vez deixo para a sua reflexão a pergunta: quantos mortos hoje teríamos no Brasil, caso o comunismo chegasse por aqui?

          Sobre o capitalismo, vc continua confundindo suas mazelas com as falhas do caráter humano. Assim, tudo que aconteceu de ruim na humanidade desde que o capitalismo surgiu, a culpa é do “sistema”. Vc esquece, no entanto, que as mesmas falhas de caráter que conduziram às guerras que vc atribui a este ente capitalista são as mesmas que conduziram o comunismo aos maiores genocídios da história da humanidade, comandados pelos mesmos “cumpanheiros” que se diziam porta-vozes das classes trabalhadoras.

          Sobre o governo Lula, em nenhum momento eu falei que sua política econômica foi igual ao da ditadura militar. Esta é mais uma deturpação decorrente da sua visão polarizada da realidade. Eu falei que o governo atual tenta imitar o estatismo do período militar e o seu nacionalismo exacerbado.

          Sobre os “méritos” do governo Lula na redução da pobreza vc sabe muito bem que estes só foram possíveis devido à mudança do contexto global (não esqueça que em todos os emergentes a pobreza diminuiu), da estabilidade macroeconômica implementada pelo governo anterior, pelos programas sociais implementados também pelo governo anterior e, por último, mas não menos importante, a necessidade de Lula cooptar as classes menos favorecidas, no momento em que perdia apoio de parte das classes mais escolarizadas, a partir do evento do mensalão.

          Sobre a manutenção da “governabilidade”, o PT não precisava chegar ao ponto que chegou. Nunca na história deste país tivemos ministérios loteados de forma tão escancarada. E para que tudo isso? Para aprovar alguma reforma importante? Não, apenas para isolar a oposição, afinal os governos de esquerda têm uma imensa dificuldade em conviver com o contraditório. Portanto, se for preciso sacrificar a democracia para se manter no poder, que ela seja suprimida. Que o digam Stalin, Fidel e todos os déspotas esquerdistas sanguinários que deixaram um rastro de sangue na história da humanidade.

          • Alan Patrick says:

            Amilton, a sua resposta ao meu comentário mostra como vc desconhece alguns fatos básicos da história. O Presidente João Goulart apenas ganhou força para propor as reformas de base quando através de um plesbicito popular o sistema parlamentarista foi reijeitado pelo povo e o sistema Presidencialista foi restituido no país. Quanto ao governo Lula vc deve saber muito bem que a maioria no congresso nacional era oposição ao governo, por isso temas como a reforma agrária sofreu(e ainda sofre) forte oposição no congresso, devido a maioria dos deputados e senadores serem grandes proprietários de terras ou aliados destes. No entanto, apesar de ter sofrido forte oposição no congresso,da mídia e de ter recebido como herança um Estado enfraquecido pelo governo FHC, o governo Lula apesar de não ter feito a reforma agrária, aumentou o crédito para a agricultura familiar e não criminalizou o MST. A criminalização do MST vale lembrar foi feita no governo FHC e continua sendo feita pela imprensa conservadora,venal e golpista que e a grande porta voz dos interesses da espoliadora,sugadora e parasitária classe burguesa brasileira. E já que vc lembrou da reforma agrária, vc e contra ou a favor dela? pelo que leio dos seus textos e comentários, a palavra reforma agrária só aparece quando vc quer emanar algumas das suas bravatas contra o governo do PT, e não para enfatizar a necessidade de se fazer a reforma agrária no país.

            Quanto ao que vc denomina “velho chavão de esquerda”, vamos aos fatos sobre o golpe de 1964 que ocorreu no Brasil:
            E fato que a imprensa conservadora,venal e golpista além de fazer intensa propaganda anticomunista no país na época, também incitava as classes conservadoras para a necessidade de um golpe de Estado que assegurasse a estrutura da sociedade capitalista. Portanto, o golpe foi dado com o pretexto de estar evitando uma “revolução comunista” no país, mas seu principal objetivo era manter a exploração e a espoliação capitalista da burguesia nacional e internacional sobre a classe trabalhadora. Por isso, o golpe de 1964 não pode ser chamado de “revolução” como denominou os militares golpistas da época, porque o golpe não visava mudar a estrutura da sociedade capitalista mas sim preserva-lá. Alguns fatos que mostra como a ditadura interessava a burguesia nacional e internacional
            esta na enorme concentração de renda que houve naquele período que, deixou os ricos(minoria) mais ricos e a classe trabalhadora(maioria) mais pobre, além da abertura econômica e benefícios que as multinacionais tiveram para explorar a classe trabalhadora e de remeter para o exterior grandes lucros.
            Em relação aos guerilheiros, eles mataram? sem dúvida. Mas eles pelo menos não torturaram milhares de pessoas inocentes como fez os militares. Os guerrilheiros lutaram pela liberdade e a democracia no país, e para isso enfrentaram um regime autoritário e repressor que, matou e torturou milhares de pessoas. Por essas e outras razões os guerrilheiros daquele tempo são verdadeiros heróis!
            Quanto ao capitalismo já lhe perguntei: se o capitalismo e tão “bom” quanto seus arautos prega, então por que tanta fome, miséria,desigualdade social e desemprego no mundo?
            A quem o sistema capitalista benefícia? apenas a pequena burguesia sugadora,espoliadora e parasitária que, vive da exploração da classe trabalhadora(que e a real produtora das riquezas). Sei que deve ser duro para a burguesia reconhecer que são uma classe parasita, mas a verdade e está.
            Quanto a imprensa, vc disse que quem não apoiava a ditadura acabava fechando. Mas por que raios será que a mesma imprensa conservadora,venal e golpista que incitou o golpe e sustentou o regime desde o começo iria ser contra seus aliados? A própria tv Globo nasceu em 1965 e como disse a Históriadora Júlia Falivene no seu livro A Invasão Cultural Norte Americana tinha a proteção dos governos militares: “Nascida de acordos assinados desde 1962 pelas organizações Roberto Marinho com o grupo Time-life(que investiu 5 milhões de dólares na sua instalação),a Globo foi denunciada por isso dois meses após ter sido inaugurada, sendo também instaurada uma comissão Parlamentar de Inquérito(CPI) para averiguar suas ligações com o grupo norte-americano.
            Embora a CPI concluísse que os acordos infringiam preceitos constitucionais que proibiam a participação de estrangeiros na orientação intelectual e administrativa de canais de tv, o governo Castelo Branco, fazendo vista grossa, rolou o processo até o período de Costa e Silva, quando se decidiu então que não houvera violação da lei e o caso foi arquivado.
            A emissora iniciava suas atividades sob proteção dos governos militares e ligada ao capital norte-americano. Transformada,nos últimos 20 anos, na mais poderosa rede de televisão brasileira, jamais desmereceu a confiança nela depositada por seus aliados”.

            Quanto a países como Cuba e fato que a questão social por lá e muito melhor do que em muitos países capitalistas que, a população se encontra por exemplo passando fome e sofrendo diversas outras necessidades.

          • Amilton Aquino says:

            Alan,

            Não sei que idade vc tem, mas pelo que vc fala dá para concluir que vc não viu o colapso do comunismo, o fato mais marcante do final do século passado. Sinceramente, estou impressionado com a sua fé no comunismo! Ora, de todas as ditaduras comunistas que mataram milhões em todo mundo, hoje só restam a coreana e a cubana, sendo que a primeira sobrevive de migalhas da China e de fazer chantagem internacional e a segunda já começa a se abrir ao capitalismo, mesmo antes da morte de Fidel. Portanto, meu teimoso amigo, vc poderia me citar uma só experiência comunista que deu certo?

            E ainda tenho que ser chamado de ignorante da história, apenas porque não citei pouco mais de um ano de governo que Jango governou no presidencialismo!!!! Isto mudaria muita coisa não é?

            Mas já estou acostumado com estas situações. Para os fundamentalistas não importam os argumentos, não importa a realidade. O debate nunca é uma fonte de conhecimentos, e sim uma mera retórica. Se puderem se apegar a qualquer detalhe para desviar o foco, ótimo. Afinal o que importa são os chavões, a explorada “classe trabalhadora”, os famigerados “burgueses”, as conspirações da “imprensa venal” com o objetivo era “manter a exploração e a espoliação capitalista da burguesia a classe trabalhadora”!!!!! Caramba, muda o disco! Acorda, o mundo mudou. Já existe até ex-comunista no grupo dos BRICs, a Polônia já está com um pé no clube dos ricos, a China se transformou no país mais capitalista do mundo e tu ainda continuas nesta ladainha!!!

            E mais uma vez vc continua confundindo as imperfeições humanas com o capitalismo. Será que é tão difícil entender uma coisa tão simples? Vou explicar mais uma vez de uma forma bem didática para ver se entra alguma coisa na sua cabeça.

            1) Ninguém inventou o capitalismo. Ele é resultado das interações humanas. Tem gente que vende, tem gente que compra. Sempre foi assim, desde que os nossos mais longínquos ancestrais começaram a trocar mercadorias. Daí apareceu o dinheiro, os bancos, etc. etc.

            2) Sendo resultado de nossas interações, portanto é natural que o seu conjunto também tenha defeitos, afinal todos temos defeitos.

            3) As pessoas são diferentes. Algumas são determinadas, outras preguiçosas; algumas são inteligentes, outras nem tanto; algumas são mais ligadas ao espírito, às artes, outras à matéria, e etc. etc. Portanto, é natural que existam diferenças. O comunismo tentou acabar com estas diferenças e qual foi o resultado da experiência? Alguns mais competentes fugiram para o ocidente; os que ficaram tiveram que se limitar pela média ou morreram nos paredóns de fuzilamento de tais regimes; alguns mais espertos encontraram na carreira política um meio de ascensão social. Lucrar mesmo com o comunismo só a classe política e os preguiçosos que encontraram na cabuetagem também uma forma de ascensão social. No final, tais países pararam no tempo, tiveram que passar por uma hecatombe econômica para se readequar ao mundo real. Era isto que vc queria para o Brasil????

            4) Ao contrário do que vc pensa, trabalho não é um atributo único e exclusivo de assalariados (“trabalhadores”). Empresários (“burgueses”) também trabalham. Alguns muito mais que seus empregados, pode ter certeza.

            5) Ninguém é obrigado a ser explorado por ninguém. Este tempo se foi com Marx. Com exceção dos lugares mais periféricos, hoje se um “trabalhador” se acha explorado pelo patrão, ele pode sair do emprego, pode entrar com uma ação na justiça, pode virar também empresário… Quem tem um espírito mais empreendedor, tem mais chance como patrão, gera riqueza, cria empregos. Quem não tem, como eu, por exemplo, tem que se contentar com o salário ou então procurar fazer um curso de empreendedorismo no Sebrae!

            6) Nunca houve uma mobilidade social tão rápida como nas últimas décadas. Gente fica rica, gente fica pobre. Novos países entram no clube dos ricos, antigos ricos entram em decadência. Empresas seculares quebram, empresas que surgem do nada se transformam em líderes de mercado. Milhões ascendem de classe social a cada ano, etc, etc. Ou seja, se ricos ficam pobres e pobres ficam ricos, então as conspirações de se eternizarem no poder não são assim tão competentes, não acha?

            Preciso ainda responder aquela sua perguntinha sobre a existência de pobreza e miséria?

            Ainda sobre a reforma agrária fantasma de Lula, não tem desculpa. “Nunca na história deste país”, um presidente teve tanto apoio político e popular. Lula é uma raposa política, meu caro. Não entra em bola dividida. Por isso não fez nenhuma reforma. Tudo que ele quer é garantir apoio para se manter no poder e, por sua vez, isolar aqueles a quem ele elegeu como inimigos (três míseros partidos). Portanto, ele passa a quilômetros de distância de assuntos polêmicos. Vai levando todo mundo no bico com uma verbinha aqui, um cargo ali… Foi assim que ele desmobilizou o MST, a UNE e centrais sindicais e quase a totalidade dos partidos. Com aliciamento.

            E como vc não consegue ver coisas tão óbvias como o fracasso do comunismo, então vou te falar de outra razão que explica a desistência do mestre das bravatas, Lula, em promover a tão falada reforma agrária. Ele percebeu o óbvio: que boa parte dos “alistados” no MST que receberam terras as venderam e retornaram para as periferias das cidades; que a medida em que a globalização avança e as classes menos favorecidas ascendem socialmente, cada vez menos existem pessoas dispostas a pegar em enxadas. Por isso o MST e outros movimentos semelhantes ao redor do mundo estão em decadência, além, claro, do descrédito que o MST conquistou com suas ações de bandidagem. Tanto que até mesmo seus aliados ideológicos jogaram a toalha. Dá uma olhada neste artigo do Ricardo Kotcho: http://colunistas.ig.com.br/ricardokotscho/2009/10/08/fim-de-linha-para-o-mst-vandalismo-furto-e-destruicao/

            “O que era justa luta pela sobrevivência virou banditismo puro e simples”. A frase é do jornalista engajado que acompanhou o movimento desde o início.

            E aí vc me pergunta qual a minha opinião sobre a reforma agrária. Te respondo que é a mesma sobre os demais programas sociais. Devem existir, mas devem existir também exigências para evitar a “indústria da transferência de renda“. Ou seja, o sujeito entra num movimento qualquer para conseguir alguma benesse. Depois vende o que recebeu e logo entra noutro e por aí vai.

            Vou te citar um caso real para tentar te trazer para a realidade. Ele mostra uma das razões porque existem ainda tantos moradores de rua e, infelizmente, continuará existindo. Há alguns anos a prefeitura do PT daqui de Recife criou um louvável programa que oferecia aos moradores de rua três refeições diárias, lugar para dormir, apoio psicológico, além de cursos de capacitação para reintegrá-los a sociedade. Eu conhecia uma funcionária deste projeto que morava perto da minha casa e de vez em quando a gente conversava no ônibus. Nesta época eu ainda era petista e via este programa com muito entusiasmo. Acontece que a cada conversa as notícias eram sempre as piores. Os cursos estavam sempre à míngua, pois a grande maioria não se interessava. Ouvir conselhos, muito menos. A única coisa que funcionava bem no projeto era a cozinha. Ou seja, na hora das refeições, todos iam para o abrigo. Logo depois voltavam para os sinais para pedir esmolas. O dinheiro que ganhavam compravam drogas. Pouco tempo depois a prefeitura desativou o projeto. Como vc pode ver, esta miséria não tem nada a ver com o capitalismo. Tem mais a ver com a natureza humana. Alguns, a minoria, conseguiram sair da miséria. No entanto, a maioria já morreu ou continua por aí nos sinais com uma penca de filhos. Moral da história: os programas sociais devem existir sim. Mas não como forma de aliciamento político, e sim como oportunidade para pessoas que realmente querem mudar de vida. Para isso, são necessários critérios de acesso e permanência a tais programas. Lula chegou a abolir as exigências que os programas originais do PSDB estipulavam, vale lembrar. Porém, diante da multiplicação de casos semelhantes aos relatados acima, felizmente teve que voltar atrás.

            Voltando a ditadura militar, se foi golpe, revolução ou contrarevolução, não importa, da mesma forma que não importa se a impressa apoiou ou não. O que importa é que o golpe evitou que o comunismo chegasse a ser instalado no Brasil, fato que teria provocado ainda mais mortes e atraso. Se eu fosse adolescente naquela época certamente eu teria sido um dos “heróis” que vc hoje cultua. Felizmente nasci um pouco depois, o suficiente para amadurecer e ver o quanto estavam equivocados aqueles jovens. Um sonho bonito, sem dúvida. Mas apenas um sonho. Aliás, um sonho que foi transformado em pesadelo pelos inúmeros tiranos em que se transformaram os “trabalhadores” que chegaram ao poder.

            Sobre a Globo, veja só mais um exemplo de que vc só enxerga o que quer ver. Tudo bem, havia uma lei que proibia a participação de capital estrangeiro nos meios de comunicação. Portanto, se infringiu a lei deve ser punido.

            Acontece que a lei refletia o acirramento ideológico da época. Os militares ganharam a guerra, o capitalismo ganhou a guerra contra o comunismo. Se numa guerra é lícito matar, imagina então burlar uma lei exagerada. Vc acha que se os comunistas tivessem assumido o poder teriam feito diferente caso um veículo qualquer tivesse apoios dos russos?

            Agora vejamos o absurdo disso tudo. Se na época foi instaurada uma CPI para investigar as ligações da Globo com a revista Times, o que dizer da Carta Capital que reproduz o conteúdo da The Economist? Aliás, o que dizer da nossa economia cada vez mais dependente de financiamento externo, já que os déficits em transação corrente ficam a cada ano maiores?

            Sobre Cuba, sem comentários. A abertura já começou e não tem mais volta. Daqui a alguns anos vc só vai ter a Coréia do Norte para citar como exemplo. E olhe lá, se a Coréia não cair antes.

            Mas já que vc citou tais países como exemplo de “justiça social” (o que não é verdade já que nestes países tem gente miserável também, além da “burguesia” local), o que dizer então do Canadá, Nova Zelândia, Austrália, Suécia, Holanda e tantos outros países capitalistas que deram certo? Se fosse possível trocar as populações que moram na Nova Zelândia pela cubana e vice-versa, será que os neozelandezes aceitariam trocar de ilha?

    • Sandro says:

      Patrick,

      Sugiro a leitura deste longo texto do Olavo de Carvalho,transcrição de uma palestra no Clube Militar em 1999. Ele era comunista de carteirinha e militante na época da ditadura:

      Reparando uma injustiça pessoal
      http://www.olavodecarvalho.org/textos/reparando.htm

      Também, assista este vídeo de 5 min, para uma opinião de forma mais rápida, em que ele afirma ser a favor do golpe mas contra o período ditatorial.

      Olavo de Carvalho explica o regime militar brasileiro
      http://www.youtube.com/watch?v=lPrcWREk5Vs

      Abs

    • Sandro says:

      Patrick,

      Em relação a não ter como responder o que teria acontecido se os comunistas tivessem tomado o poder no Brasil, indico fazer um paralelo com os países onde eles conseguiram.

      Para teres uma ideia, em Cuba, somente no golpe foram mortas 17.000 pessoas. No golpe aqui no Brasil morreram cerca de 5! Durante o nosso período militar morreram umas 500, em Cuba…

      http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/os-mortos-ditadura-mito-realidade/

      Agora, imagine se se fazer um paralelo entre Cuba e Brasil em termos de percentagem!!! Quantos seriam 17 mil pessoas de Cuba em termos nominais em relação ao Brasil?!?!? Podes colocar o número em milhões!!! Imagine agora se se fizer o mesmo cálculo para os respectivos períodos ditatoriais?!

      Abs

    • Sandro says:

      Patrick,

      Para encerrar:

      “Assim, sob qualquer ângulo que se esteja situado para considerar esta questão, chega-se ao mesmo resultado execrável: o governo da imensa maioria das massas populares se faz por uma minoria privilegiada. Esta minoria, porém, dizem os marxistas, compor-se-á de operários. Sim, com certeza, de antigos operários, mas que, tão logo se tornem governantes ou representantes do povo, cessarão de ser operários e por-se-ão a observar o mundo proletário de cima do Estado: não mais representarão o povo, mas a si mesmos e suas pretensões de governá-lo. Quem duvida disso não conhece a natureza humana.”

      Mikhail Bakunin (1814-1876) Anarquista russo do séc. XIX

      É ou não é, o que estamos assistindo?

      Abs

  62. Gilx says:

    Discordo do Alan:
    O real PIG (Partido da Imprensa Governista) é muito mais intolerante às críticas. Vejamos um pequeno exemplo: Observem como PHA e a Folha relatam uma mesma notícia (marco regulatório do pré-sal) de forma diferente através dos comentários dos internautas:
    http://www1.folha.uol.com.br/poder/844648-empresa-ouviu-serra-sobre-novas-regras-do-pre-sal-leia-em-ingles.shtml

    http://www.conversaafiada.com.br/politica/2010/12/13/wikileaks-as-conversas-de-serra-com-a-chevron-sobre-o-pre-sal/

    Como se vê, há muito mais críticas no jornal “golpista” do que no blog do “imparcial” PHA. Aliás, Paulo H. Amorim não faz mais jornalismo. Seu site é apenas para fazer um ping-pong (feedback) de chacotas com seus leitores.

    • Amilton Aquino says:

      E olha que este texto publicado no PHA é um dos melhores. Está quase jornalístico. Se fosse escrito pelo PHA, aí sim seria uma informação deturpada seguida de dez chacotas.

  63. Alan Patrick says:

    Gilx, seria mais interessante se vc comparasse o blog do PHA com o do Reinaldo Azevedo, vc vai encontrar excessos em ambas as partes. Aliás, quem diz fazer “jornalismo” isento e imparcial e a imprensa golpista(Veja,Folha de São Paulo,Globo e o jornal o Estado de São Paulo) para tentar ganhar credibilidade. Uma diferença de postura jornalistica que considerei interessante durante o período da eleição de 2010 foi a da Carta Capital e a do Estadão: a Carta Capital por exemplo escreveu um artigo explicando porque apoiava a candidata Dilma Roussef, já o Estadão( Veja,Folha de São Paulo e a Rede Globo idem) ficou escondendo sua preferencia pelo candidato Serra, dizendo que fazia jornalismo “isento” e “imparcial” na cobertura das eleições de 2010. A máscara do jornal(Estadão) só foi cair quando um dos seus colunistas, a jornalista Maria Rita Kehl escreveu um artigo elogiando os programas sociais do governo Lula, resultado: a jornalista foi demitida e o jornal declarou que apoiava o Serra, isso depois do jornal ter ficado bastante tempo fazendo militância pro serra, e se escondendo atrás da máscara da isenção jornalistica. Outro exemplo que pode ser mencionado da falta de isenção jornalistica por parte da grande imprensa, foi quando a Folha de São Paulo publicou um artigo na qual chamava a ditadura civil/militar de 1964-1985 de “ditabranda”, no sentido de tentar suavizar a expressão para aquele período de repressão e tortura. Claro, para quem tem o rabo preso com a ditatura militar como a Folha de São Paulo, “ditabranda” na dos outros deve ser refresco! Agora pergunto: Porque a Veja,a Folha de São Paulo,Rede Globo e o Estadão não falam abertamente de que lado elas estão, assim como faz a Carta Capital,o blog do Azenha,do Nassif e do Eduardo Guimarães que se posicionam claramente? A grande imprensa tem todo o direito de defender os lucros e os privilégios da minoria burguesa que ela representa,além de poder defender a ditadura civil/militar que ela incitou e apoiou de 1964 a 1985. Ela só precisa ser mais transparente com o leitor.
    Acontece que todo esse acirramento que temos hoje, se deve ao fato da grande imprensa golpista se considerar imune a crítica, se achar representante da opinião pública, coisa que ela não é! e de atacar pessoas e governos que não se curvem aos seus interesses de poder.
    Nesse vídeo esta o exemplo de uma pessoa que não se curvou ao poder da Rede globo e reagiu muito bem aos ataques dessa imprensa conservadora,venal e golpista: http://profaureliohistoria.blogspot.com/2010/06/brizola-responde-globo.html

    • Amilton Aquino says:

      Alan,
      Mais uma vez a sua visão polarizada da realidade fala mais alto. Por que diabos a imprensa ou quem quer que seja deve se rotular de esquerda ou de direita? Vc não percebe que ao se alinhar a uma dessas correntes sua visão da realidade fica ofuscada pelo véu da ideologia?

      Claro que todo mundo pende para um ou para outro lado em algum momento de sua vida. Mas existe uma diferença muito grande entre o compromisso de opinar de forma objetiva (ou pelo menos tentar) sobre aspectos da realidade que independem da ideologia ou ficar tentando encontrar conspiração em tudo, de ficar rotulando tudo como fazem os esquerdistas fanáticos ou participar de uma guerra declarada onde o que mais importa é cooptar simpatizantes, mesmo que para isso seja necessário esconder a verdade.

      A imprensa tem falhas? Claro que tem, como todos os partidos políticos, como todas as pessoas. Mas ainda assim a imprensa é uma das nossas mais respeitadas instituições, pois é a partir das denúncias da imprensa que alguns corruptos são pegos, ou pelo menos sofrem alguma sansão da sociedade, já que estes quase nunca fincam presos.

      Sobre o caso da Maria Rita Kehl, primeiro deixo bem clara a minha concordância (com algumas ressalvas) com o teor do que ela escreveu. No entanto, a bem da verdade, vou tecer alguns comentários sobre os desdobramentos deste caso. A alegação do jornal é que ela não teria sido demitida. Teria havido uma conversa com ela sobre os propósitos da sua coluna cujo objetivo era falar de psicanálise, mas que estava sendo usado de forma política. Certamente os editores que já tinham lido este último artigo antes da publicação já anteviam a repercussão que este teria, uma vez que a autora ia claramente de encontro à linha editorial do jornal, na época ainda sob censura no caso do filho de Sarney e justamente no dia da votação do 1º turno. O estranho disso é que a conversa “vazou” para a Internet e o assunto, como sempre virou motivo de disputa política entre os leitores e, claro, rendendo milhares de adjetivos nada nobres ao Estadão. Mesmo assim o artigo foi publicado na íntegra, como, aliás, ainda se encontra na versão online.

      Não me parece lógico, portanto, que o Estadão cometesse a burrice de demitir uma jornalista por motivos políticos em plena campanha eleitoral, afinal isto criaria um fato político que se voltaria contra o próprio jornal como também ao candidato de oposição. Ou seja, os possíveis efeitos do artigo ficariam em segundo plano (como de fato ficaram), e a repercussão da demissão tornar-se-ia a notícia (como também de fato aconteceu). Portanto, seria muito mais racional ao Estadão manter a jornalista (pelo menos até o final da disputa), afinal isso enfraqueceria a tese da “imprensa golpista” e evitaria a repercussão negativa que o caso causou. Além do mais, demitir a jornalista não a impossibilitaria de escrever. Apenas tornaria seus artigos ainda mais interessantes aos seguidores do lulismo.

      Portanto, me parece mais lógico que tenha ocorrido alguma discussão mais acalorada entre o editor e a jornalista que tenha desencadeado a demissão, o que é absolutamente normal em um ambiente polarizado pela disputa política. E como sempre acontece, nenhum funcionário demitido sai falando bem da empresa, principalmente quando as opiniões deste funcionário tem um peso político, como é o caso, ainda mais no dia de uma polarizada eleição. Mais uma vez aqui as coisas são bem mais complexas do que parecem.

      Sobre as relações da imprensa com os militares já debatemos bastante aqui não vou ficar rodando em círculos. Num regime ditatorial, seja ele de esquerda ou de direita, a imprensa só tem duas opções: ou ela adere ao sistema ou fecha as portas. Alguns veículos escolheram a primeira opção e fecharam, outros sobreviveram. Da mesma forma que um preso político fala sob tortura não deve ser encarado como sua real opinião, o mesmo vale para um veículo de comunicação sob um regime ditatorial. Além do mais, as minhas opiniões de 30 anos atrás não são as mesmas de hoje. As coisas mudam, as pessoas mudam, a imprensa muda, afinal ela é feita de pessoas. Vc já parou para pensar no que os russos acham do Pravda, o jornal que “enfeitava” o regime comunista?

      Bom, para finalizar vc inverte tudo e atribui o acirramento político à “imprensa golpista”. Ora, a imprensa, assim como todo empresariado, tem uma tendência adesista, afinal não é negócio para nenhuma empresa brigar com o governo (lembra das reportagens saudando o torneiro mecânico que se tornou presidente?). Portanto, quando a imprensa entra em rota de colisão com um governo, pode ter certeza que existe sim um forte motivo para isso. E certamente não é a “defesa dos lucros e privilégios da minoria burguesa”. A coisa é muito mais complexa do que a obsoleta luta de classes de Marx, vc pode ter certeza.

      No caso de Lula (mais uma vez vou ter que repetir), o acirramento começou quando este recebeu as primeiras críticas da imprensa no episódio do mensalão. Este sim, não suporta críticas. Daí a proposta de controle externo da mídia e as acusações de “golpismo” insinuadas por Lula para mudar o foco das denúncias que ele dizia que “não sabia”, apesar de reconhecer que sabia sim, já no final do seu mandato perante ao STF.

      Sobre Brizola, acho irônico ele acusar a Globo de autoritarismo, quando ele tinha como ídolo o ditador Getúlio Vargas.

  64. Gilx says:

    Alan,
    Se vc prestar atenção, verá que os textos do “tio rei” são bem escritos, fazem críticas certeiras e muitas vezes ele ataca até mesmo boa parte da imprensa supostamente unificada e golpista, como assim quer a galera que segue o PHA. A propósito, me diga uma ÙNICA reportagem da Carta Capital, do site do PHA ou do Nassif que tenha denunciado e derrubado algum ministro do governo PT? Se não fosse a “imprensa golpista”, ainda hoje Palocci, Alfredo Nascimento e outros estariam no poder, e só foram demitidos pela “faxineira” Dilma porque a sacanagem com o dinheiro público veio à tona via imprensa.
    Se vc não sabe, PHA (que fez carreira no “PIG”) era contra Lula quando este era da oposição. Só vestiu de vez a camisa do PT quando o partido chegou ao poder máximo, conforme disse Reinaldo:

    “Eu era crítico do PT quando o partido estava na oposição (aliás, era de FHC quando ele estava no governo; dentro da Folha inclusive) e continuei crítico do PT quando ele virou poder. Tive até de fechar uma revista por isso. O outro blogueiro [PHA] não gostava do Lula oposicionista. Apaixonou-se depois, pelo Lula governista. Em 1998, fez uma verdadeira cruzada contra o então candidato do PT à Presidência, acusando irregularidades na compra de seu apartamento de cobertura em São Bernardo. Lula o processou. Justiça se faça: pessoalmente, o presidente o detesta até hoje; não aprecia o modo como Paulo Henrique gosta dele. Mas a questão não é pessoal, é política.

    Tanto é política que Paulo Henrique, a exemplo de outros blogueiros governistas, tem patrocínio da Caixa Econômica Federal. Lula leva o rancor até certo ponto; até o ponto em que o dinheiro passa a ser público.”

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/eles-e-eu/

    • Amilton Aquino says:

      Gilx,
      Não costumo ler o Reinaldo justamente por causa desta polarização. Leio um ou outro artigo quando alguém me indica algum link, porém fico com medo de ficar influenciado e pender ainda mais para a direita. Ehehheee! Pois é, a neurose chegou a tal ponto que me vejo me policiando também. São resquícios do policiamento ideológico que me acompanhou por toda a vida, mas que felizmente tenho conseguido me libertar nos últimos anos.

      E olha que perfeito exemplo daquilo que falei no comentário anterior: o PHA também teve que se “adequar” ao regime militar, assim como o Reinaldo também criticava o FHC quando governo. Bom, pelo menos o Reinaldo demonstra alguns princípios que independem de quem esteja no governo. Princípios, aliás, que compartilho também. O PHA, ao contrário, tem mostrado a cada dia que seu único princípio é a babação de ovo. Afinal, no regime militar se “adequou” ao sistema; na era FHC era crítico do Lula (portanto, continuava com o poder); e quando Lula chegou ao poder, apaixonou-se perdidamente por este. Ou seja, continuou com o poder.

      No caso do Reinaldo sua posição foi sempre crítica a que está no poder. Esquerdista durante o período militar, crítico de Sarney, Collor, Itamar, FHC, Lula e agora Dilma. Portanto, Reinaldo, apesar de sua posição assumidamente polarizada, demonstra algum compromisso com os princípios do jornalismo, entre os quais o combate a mentira, algo que se tornou marca do governo do PT.

  65. Aliancaliberal says:

    Vou falar sobre as causas da revolução de 1964, na verdade uma contra revolução.
    O que nos ensinam na escola conteudo ideológico.
    os trechos são do site http://migre.me/5TmHB fala sobre Brizola, mas serve de base de nova pesquisa.

    Havia um processso de Deterioração do comando, muitos militares cooptados pelo PCB, um clima de insegurança.

    “As críticas e reivindicações populares dos militares de baixa patente aumentam de tom. Em Fortaleza, o sargento-deputado Garcia Filho afirmou que, se não houvesse uma decisão favorável à posse dos eleitos, a Justiça Eleitoral seria fechada. Pregou o enforcamento dos responsáveis pela tirania dos poderes econômicos e rotulou a instituição militar de nazista (AUGUSTO, 2001: 105).

    A 12 de setembro de 1963, há uma rebelião de sargentos em Brasília: sargentos da Marinha e da Força Aérea, liderados pelo sargento da Força Aérea, Antonio Prestes de Paula, apossam-se sucessivamente do Ministério da Marinha, da Base Aérea, da Área Alfa (da Companhia de Fuzileiros Navais), do Aeroporto Civil, da Estação Rodoviária e da Rádio Nacional (AUGUSTO, 2001: 106). Os revoltosos prenderam um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e o presidente da Câmara Federal. Na tentativa de invasão do Ministério da Aeronáutica, um marinheiro foi morto a tiro. À tarde os revoltosos já haviam sido presos.

    No dia 4 de outubro de 1963, Castello Branco, Chefe do Estado-Maior do Exército (EME), enviou documento ao Ministro da Guerra, assinalando a necessidade de providências sobre a ação ilegal, inclusive subversiva, do Comando Geral dos Trabalhadores, a agitação insurrecional promovida pelo Deputado Leonel Brizola, a conexão de atividades de políticos com o motim de Brasília e os abusos do poder econômico (TAVARES, 1977: 76). Na mesma ocasião, Castello mostrou-se contrário ao Estado de Sítio pleiteado por Goulart, para implantação de suas reformas de base.

    Sua experiência no Comando do Exército no Nordeste onde teve atritos com o governador Miguel Arraes deu a Castello visão segura de como as injustiças sociais, crônicas e chocantes, eram premeditadamente agravadas para fins políticos. Em vez de medidas construtivas, para proteger os interesses dos homens da lavoura contra a exploração dos senhores de engenho, o caminho adotado foi de mobilizá-los como agentes da subversão, alguns treinados em Cuba, para a agitação na área rural, a depredação de propriedades e os incêndios de canaviais. (…) Em Anápolis (Goiás) já funcionava, a essas alturas, um centro de treinamento para guerrilhas rurais (TAVARES, 1977: 80).

    O lado subversivo tinha uma frente bastante ampla para subversão das massas, além do PCB e da dupla Jango-Brizola: a Ação Popular (AP) atuava por meio do Movimento de Educação de Base (MEB); a União Nacional de Estudantes (UNE), por meio de seu Centro Popular de Cultura; a União dos Lavradores e Trabalhadores Agrícolas do Brasil (ULTAB), com atuação em vários Estados; e o próprio Ministério da Educação e Cultura (MEC), com as Secretarias de Educação dos Estados, por intermédio da Comissão de Cultura Popular.

    Para a formação do homem novo, a história também deve ser nova. A Coleção História Nova surgiu durante o governo Goulart, na Campanha de assistência ao estudante, do MEC, em que os livros tradicionais de história foram reformulados e os fatos interpretados sob a ótica marxista. O MEC editou também a cartilha Viver é lutar, reconhecida pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), para a alfabetização rural ou seja, alfabetização marxista. A Rádio Ministério da Educação (Rádio da Verdade) era utilizada para propaganda comunista. Nada mais que o Pravda (Verdade, em russo) em ação.

    Além dessas organizações, havia a disseminação no Brasil dos chamados folhetos cubanos, distribuídos pelo Movimento de Educação Popular (MEP), que serviam de inspiração às ações revolucionárias das Ligas Camponesas, de Francisco Julião, e aos Grupos dos Onze, de Brizola. Em tudo havia o dedo de Fidel Castro e sua Revolução Cubana: As tentativas revolucionárias de inspiração cubana em vários países da América Latina contrárias à linha política do PCB , iniciadas na década de 1960 em Honduras, Guatemala, Nicarágua, Venezuela, Peru, Colômbia, Argentina e Equador, se haviam esgotado no nascedouro ou estavam derrotadas no final de 1963 (AUGUSTO, 2001: 121). Com exceção, sabe-se hoje, da Colômbia, onde as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) já atuam por mais de 40 anos e acarretaram a morte de dezenas de milhares de patrícios.

    A reação ao estado de desordem que prosperava no País, com a complacência do presidente da República, começou a surgir de todos os lados. O apoio à democracia era exigido pela imprensa: os principais jornais do Brasil pediam o fim dos movimentos baderneiros, como os Diários Associados, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Tribuna da Imprensa, O Globo, Jornal do Brasil. Organizações civis, encabeçadas por empresários e intelectuais, passaram a promover encontros, desde o final do Governo Kubitschek, para combater a infiltração comunista, que pregava propaganda esquerdista e a estatização da economia. Assim, no final de 1961, foi criado o Instituto de Pesquisa e Estudos Sociais (IPES). Têm ainda grande influência na reação à progressão comunista o Instituto Brasileiro de Ação Democrática (IBAD), formado também por empresários e intelectuais, e a Campanha da Mulher pela Democracia (CAMDE), que surge no Rio de Janeiro em 1962, reunindo donas de casa e esposas de líderes sindicais, funcionários públicos e militares. Essas organizações produziam literatura própria e tinham ramificações em várias cidades do País. A cruzada democrática se amplia: no movimento sindical, com a atuação do Movimento Sindical Democrático (MSD); no campo, com o Serviço de Orientação Rural de Pernambuco (SORPE) que, junto com o IBAD, atuava naquela área, contrapondo-se ao método de alfabetização de Paulo Freire (AUGUSTO, 2001: 118).

    • Amilton Aquino says:

      Grande Liberal, é sempre bom vê-lo por aqui.

      Mais uma boa contribuição. E vale salientar que mesmo depois do Golpe ainda assim as mobilizações dos revolucionários continuaram. O Lamarca, por exemplo, desertou do exercito em 1969 para comandar um levante contra os militares. Se hoje, depois de duas décadas do colapso do comunismo, existe todo este acirramento ideológico, imagina como eram aqueles anos, quando o comunismo havia chegado ao auge?

  66. Aliancaliberal says:

    video muito bom sobre o PNA princípio da não agressão,a imoralidade que é a existencia do estado.

    Jorge deve ajudar

    http://www.youtube.com/watch?v=MIPq6L5GbGQ&feature=player_embedded

    • Amilton Aquino says:

      Qualquer tipo de coerção deve ser repudiada, mas bem que o Jorge poderia ajudar um pouquinho também. Acho que os valores defendidos no vídeo estão todos corretos, mas sinto falta de um pouco de fraternidade neste time.

    • Sandro says:

      Liberal,

      Qual a alternativa para o Estado?!?!?! O anarquismo!?!?

      Abs

  67. Sandro says:

    Pessoal,

    Temos discutido muito o passado aqui, nada de mal, pois é olhando para o passado que se entende o presente, por isso é tão fundamental este exercício.

    Porém, gostaria, agora, de partir desta visão de passado e tentar olhar um pouco para o futuro do nosso país! Segue uma série de videos, 10, do Roberto Mangabeira Unger, que foi nosso ministro e também um dos mais jovens professores de Harvard, em que trata do futuro do Brasil! (Saliento que o som não esta muito bom, mas com uso de fones de ouvido, fica perfeito).

    http://www.youtube.com/watch?v=GrvjpleZn3k

    Abs
    Sandro

    • Amilton Aquino says:

      Muito sensato. Não está preso a dogmas. Não concordo com tudo, como o financiamento público de campanha, por exemplo. Mas, no geral, sintetiza a necessidade de convergência, independentemente de correntes políticas, para os reais desafios do nosso país.

      Agora, aqui para nós, o cara não é nada bem falando. Se eu fosse ele, preferia ficar no texto mesmo. Eheeheeehe!

  68. Alan Patrick says:

    Puxa, Amilton! confesso que estou impressionado com a fé que vc desmonstra ter no capitalismo! Como bem observou o Frei Betto, para os neoliberais o mercado e como se fosse um ser transcedente http://observadoressociais.blogspot.com/2010/07/o-novo-transcedente.html Mas fala sério, vc acredita ainda naquela balela de que o capitalismo liberal e a última etapa da evolução humana? Pois bem, se vc acredita nesta ideia isto apenas reflete uma crença,uma vontade ou apenas uma ideologia sua, não a realidade de que o capitalismo vai ter vida eterna. Aliás, no sistema escravista e feudalista também tinha aqueles que achavam que o sistema que eles viviam era o melhor e duraria para sempre, mas nem por isso estes sistemas deixaram de cair, com o capitalismo e a mesma coisa, a minoria que se beneficia com ele, diz que ele e a última etapa da evolução da humanidade, mas esta crença não significa que este sistema não vai cair um dia, e ser substituido por outro mais evoluido(socialista).
    O prêmio nobel de Física Albert Einstein também via o Socialismo como alternativa ao capitalismo, por isso disse: “A anarquia economica da sociedade capitalista, como existe atualmente,é,na minha opinião, a verdadeira origem do mal. O capital privado tende a concentrar-se em poucas mãos. O resultado é uma oligarquia de capital privado cujo enorme poder não pode ser eficazmente controlado mesmo por uma sociedade política democraticamente organizada. Estou convencido de que só há uma forma de iliminar estes sérios males, nomeadamente através da constituição de uma economia socialista. Nesta economia, os meios de produção são detidos pela própria sociedade e são utilizados de forma planejada. Uma economia planejada, que adaptasse a produção ás necessidades da comunidade, distribuiria o trabalho a ser feito entre aqueles que podem trabalhar e garantiria o sustento a todos os homens, mulheres e crianças.”

    Em relação ao Comunismo, não é porque algumas experiências não deram certo, que isso siginifica que outras tentativas irão fracassar também. Aliás, o desejo que as pessoas sejam passivas e resignadas com o sistema capitalista, apenas interessa a minoria burguesa, que vive da exploração da classe trabalhadora, e que não quer que as coisa mude mesmo. Quanto a Cuba, vc parece desconhecer as conquistas socias obtidas por aquela pequena ilha, que vale lembrar já sofre um brutal bloqueio econômico do EUA há bastante tempo. A historiadora Júlia Falivene no livro a invasão cultural norte americana destacou muito bem as conquistas de Cuba:
    “Bastante sintomática é a ausencia de informações relevantes a respeito dos países socialistas e das lutas de libertação travadas por alguns povos do terceiro mundo.
    O que sabemos, por exemplo, a respeito de Cuba , tão próxima de nós geografica e historicamente também? Em geral apenas as dificuldades que tem enfrentado e as metas que ainda não alcançou.
    Pouquíssimos brasileiros sabem,por exemplo, que naquele país não há mais desnutrição e raquitismo, as doenças epideiológicas(inclusive a dengue) foram todas erradicadas, a mortalidade infantil é uma das mais baixas do continente , a média de vida subiu de 45 para 65 anos e todo cidadão tem assistência à saúde totalmente gratuita, devendo consultar o dentista e o médico pelo menos duas vezes por ano, em obediência aos esquemas de medicina preventiva. Poucos de nós estão informados de que o aluguel máximo cobrado em Cuba não ultrapassa 10% do salário mais alto da família , ao mesmo tempo que é convertido em prestação para obtenção da moradia, e que em regime de mutirão, mas com terreno e todo o material fornecido pelo Estado, as pessoas têm condições de construir sua própria habitação.
    Entre tantas notícias aqui divulgadas, nunca se disse que em apenas um ano (o de 1961) o analfabetismo foi erradicado daquele país, onde hoje todo adulto tem até o 6 ano de escolaridade. A meta atual é elevar esse nível em mais 3 anos. Poucas pessoas sabem, aliás, que o ensino lá é gratuito em todos os níveis, como também o são todo o material escolar dos alunos, o transporte e a hospedagem daqueles que estudam em outra cidade.
    Cuba tem o maior orçamento dedicado á educação em toda a America Latina e o Estado estimula a produção literária e artítica mantendo inúmeras escolas de formação profissional, e centros culturais, além de fornecer o material de trabalho para os artistas e organizar exposições e galerias onde suas obras podem ser admiradas e adquiridas. Nos cinemas são exibidos filmes norte-americanos, argentinos,australianos,franceses, russos, japoneses, brasileiros, cubanos etc., as pessoas têm condições de se dedicarem cada vez mais ao lazer cultural e é comum obsevá-las saindo das livrarias carregadas de livros.
    No Brasil também não somos informados de que nenhum cubano começa a trabalhar antes dos 17 anos, que todos se aposentam com 25 anos de serviço e que o trabalhador tem duas férias anuais, podendo viajar e se hospedar em qualquer hotel do país, porque as diárias são sempre proporcionais ao seu salário.
    A maioria do nosso povo desconhece também a participação de todo o povo cubano nas decisões políticas nacionais através de seus representante distritais e dos comitês de Defesa da Revolução de cada quarteirão (os CDRs), bem como que a constituição atual só entrou em vigor depois de aprovada por voto direto e secreto por toda a população.
    Afinal, tudo isso poderia ser “mau exemplo” para o brasileiro, do ponto de vista da burguesia norte-americana e da nacional.”

    Como vc já demonstrou nos seus comentários que não quer ver a podridão do sistema capitalista e até busca defender o indefensável sistema capitalista, não vou ficar me estendo muito sobre esse assunto por aqui, apenas torço para que as pessoas que lerem nossos comentários, busque pesquisar mais sobre o assunto e para que tirem conclussões próprias.
    Abraço!

    • Amilton Aquino says:

      Alan Patrick,

      As utopias são salutares para nos apontar uma direção. Os valores socialistas são louváveis. E foram eles que seduziram milhões de jovens em todo mundo, inclusive eu. No entanto, a realidade sempre prevalece e o que esta nos mostrou é que nenhum sistema consegue funcionar perfeitamente quando o conjunto das pessoas que o compõe é imperfeita. Foi a ambição humana que levou a formação de castas nos regimes comunistas, os quais mostraram-se mais cruéis que qualquer sistema em toda a história da humanidade. Portanto, o que a experiência nos mostrou foi que o comunismo não é nada mais que isso. Uma utopia.

      O capitalismo, por sua vez, não é nem nunca foi um fim a ser alcançado. Ele vem sendo construído e desconstruído a cada crise. Se será substituído algum dia por algum outro sistema, certamente não será pelo comunismo. Quem sabe algo parecido com o que hoje temos nos países nórdicos. O tempo vai dizer. Por enquanto, o capitalismo é o que temos. E se não temos nada melhor que ele, temos que tentar melhorá-lo, pelo menos.

      Em relação a Cuba, nem vou perdem tempo em refutar esta maravilha que vc citou. Daqui a pouco os norte-americanos vão chegar de balsas a ilha de Fidel para usufruir de todas essas benesses.

    • Sandro says:

      Alan,

      O capitalismo tem aspectos demoníacos, o comunismo é o demonio propriamente dito!

      O problema maior do comunismo é de natureza economica, que esta no seu cerne! Em resumo:

      “A economia comunista, a partir do momento que você estatiza todos os meios de produção ela se torna completamente inviável. Isso já foi demonstrado em 1922 pelo (economista austríaco) Ludiwig Von Mises quando ele diz o seguinte: O que é o comunismo? O comunismo é a economia planificada. Para você fazer a economia planificada você precisa fazer um negócio chamado cálculo de preço. Como é que você faz o cálculo de preço? Você faz através do mercado. Se você abole a economia de mercado, não tem preço, portanto não tem cálculo de preço, portanto não tem economia planificada.
      Então, quem quer que diga – vamos implantar aqui uma economia comunista! Não, você não vai não! O que você vai fazer é o seguinte, você vai chamar de comunismo e vai criar um capitalismo subterrâneo clandestino, que representará, como representeou na Rússia, mais de 50% da economia, e ai sim você vai maquiar com planejamento comunista, feito todinho, exatamente como foram feitas as estatísticas soviéticas, na base de dados falsificados. ” Olavo de Carvalho, OAB/SP 2004

      A respeito das maravilhas descritas por ti sobre Cuba, te colo uma frase do frances Stephane Courtouis, um dos maiores estudiosos sobre comunismo (saliento que ele é ex-maoista!!!):

      “…os regimes comunistas tornaram o crime em massa uma forma de governo”.

      Sobre a tua afirmação:

      “busque pesquisar mais sobre o assunto e para que tirem conclussões próprias”

      Te indico o blog da cubana Yoaní Sanchez, Generación Y: http://www.desdecuba.com/generaciony/

      Para encerrar, segue o anuncio publicitário, feito por uma agencia brasileira contratada pelo governo cubano, para desenvolver o turismo naquele país:

      “Se você é dos que pode entrar e sair, vá!” 😉

      Abs

  69. O Anonimador says:

    Prezado Amilton Aquino:

    Eu comecei a ler seu blog como tentativa de fugir dos blogs “progressistas” que quase me levaram pro lado deles, mas você me fez um grande favor. Aliás, aproveito essa oportunidade para fazer umas perguntas pra você no estilo daquelas provas de múltipla escolha (aliás, depois que você responder a essas questões também farei outras a você em outro estilo).

    OBS: Depois que você escolher uma das três questões, você deve dar a sua opinião sobre o assunto.

    a) Qual é sua opinião sobre as acusações que a Rede Record vem fazendo contra a Rede Globo?
    1- a Rede Record está certa pois a Rede Globo é realmente muito suja e tendeciosa
    2- a Record quer apenas obter lucros ao lado dos odiadores da tão falanda “midia má” e do governo
    3- não tenho opinião, mas vi a Record falando mal da Globo diversas e várias vezes.

    b) Qual é sua opinião sobre a usina hidroelétrica de Belo Monte?
    1- sou contra da construção, porque pode afetar todo o ecossistema da região do Xingu
    2- sou a favor da construção, porque os ambientalistas e indígenas querem vender o Brasil para os americanos e europeus
    3- não tenho opinião ainda, mas vi a visão dos dois lados

    c) Sobre os ambientalistas (pessoas que defendem o meio ambiente) o que você acha deles?
    1- são pessoas certas em alguns aspectos e erradas em outros
    2- são pessoas que querem vender nosso país aos estrangeiros
    3- não tenho opinião, mas vi vários sites de grupos ecológicos

    d) Qual é a sua visão sobre o 11 de Setembro (os fatídicos atentados às torres gêmeas nos EUA)?
    1- foram um dia que realmente mudaram todo o mundo
    2- nunca existiram, porque os EUA perpetraram o próprio ataque como desculpa para invadirem o Afeganistão, o Iraque e ajudar Israel a matar milhares de palestinos
    3- não sei dizer, pois o assunto é polêmico demais
    3-

    e) Qual é sua opinião sobre o Wikileaks?
    1- um site que abre espaço para que todos os governos do mundo tenham seus dados divulgados
    2- um site que mais parece revista de fofocas, pois a maioria de seus dados criticam apenas os EUA, em detrimento da Venezuela, Cuba, Irã e Coreia do Norte
    3- não tenho opinião ainda

    f) Sobre a teoria da conspiração, qual é sua opinião sobre isso?
    1- é uma idiotice sem tamanho nenhum
    2- é a mais pura verdade, pois os EUA estão mesmo tramando uma conspiração contra o mundo
    3- não sei dizer sobre isso ainda

    g) Quais os partidos brasileiros mais radicais segundo você?
    1- PSOL, PSTU, PCO e PCB
    2- PDT, PSDB, DEM
    3- não sei dizer muito bem

    Quando tiver tempo, responda a essas perguntas que lhe fiz. A você um muito obrigado e até a próxima prova.

    • Amilton Aquino says:

      Anonimador,
      Seja bem vindo ao nosso blog. Fico feliz quando percebo que outras pessoas conseguem ver outros tons além do preto e do branco. Aliás, encontrei outras nuances também entre as opções que vc oferece. Portanto não me leve a mal, se eu não concordar totalmente com nenhuma das alternativas oferecidas. Então vamos às questões:

      1) A razão principal dos ataques da Record à Globo é retaliação à reportagem divulgada por esta mostrando o mau caráter do “Bispo” Macedo, ensinando seus “pastores” a extorquir os fiéis. Claro que a Globo não foi movida apenas por interesses jornalísticos. Quando a Record foi comprada pela Igreja Universal, a Globo sabia que seu reinado estava ameaçado, pois a nova emissora contaria agora com um reforço de caixa de peso, isento de impostos, com milhões de adeptos sedentos por conquistar novos seguidores. Até aí a política ainda não tinha entrado no centro da briga. A partir do acirramento político promovido por Lula, a Record se aliou ao governo tentando “obter lucros ao lado dos odiadores da tão falada ‘midia má’” (item B), assim como o SBT que, para obter o socorro do governo para tapar o rombo do Panamericano, fez aquela reportagem tendenciosa em plena campanha eleitoral sobre a bolinha de papel. A Globo é tendenciosa? Sim, como todo meio de comunicação, afinal todos têm opinião. No entanto, e apesar de tudo, a emissora se esforça para tentar não ser enquadrada pelos seus odiadores. Tenta inclusive se redimir dos erros do passado através de campanhas educativas, Criança Esperança, Telecurso, etc. etc.

      2) A usina de Belo Monte é um mal necessário. Todas as formas de geração de energia têm um ônus e a de Belo Monte é bem alto, mas ainda assim justificável. O que não é justificável é a forma como a usina está sendo financiada. Uma verdadeira privatização às avessas, onde o governo entra com o dinheiro e com o risco e a iniciativa privada apenas com bônus. Portanto, apesar de ser importante para evitar um colapso energético no futuro, talvez conseguíssemos o mesmo resultado explorando outras fontes de energia limpa, utilizando os mesmos recursos previstos para serem gastos na usina e contando, de fato, com o capital da iniciativa privada.

      3) Sobre os ambientalistas a maioria é idealista. Às vezes ingênuos, às vezes radicais, na maioria das vezes conscientes, mas muitas vezes manipulados. Não acredito em todas as pesquisas alarmistas que aparecem a cada dia. No entanto, para qualquer pessoa acima de quarenta anos é fácil notar que existe uma mudança no clima, sim. Quem imaginaria na década de 90 que houvesse seca na Amazônia? E as secas cada vez mais constantes no sul do país? E as montanhas de gelo que a cada dia ficam menores? Talvez isso seja apenas parte de uma era onde a Terra fica mais quente e que retorne posteriormente às condições iniciais ou até quem sabe uma nova era glacial. Talvez à longo prazo até o aumento da temperatura da Terra torne habitável outras áreas do planeta. Enfim, não tenho certeza sobre as divergências entre cientistas sobre o tema, mas tenho certeza que precisamos educar melhor nossa população a pelo menos poluir menos. Neste ponto sou também ambientalista.

      4) O 11 de setembro dividiu a história do nosso tempo. A queda das torres foi um tapa na cara dos norte-americanos, um golpe na auto-estima do império, a comprovação de que, apesar de todo investimento em defesa, ninguém está 100% seguro quando o assunto é terrorismo. Aliás, o 11 de setembro marca o início da decadência do império norte-americano, o aumento do anti-americanismo com a invasão do Iraque e do Afeganistão, a elevação da dívida pública norte-americana a níveis inimagináveis. Portanto, se o 11 de setembro foi planejado pelos próprios norte-americanos, o plano foi suicida. Eheheehehhe!

      5) O Wikileaks é mais um produto do nosso tempo. Não acredito que o principal objetivo do seu fundador seja trazer a verdade, e sim aparecer, usando um exército de hackers manipulados. Se as principais denúncias envolvem os EUA, acredito em dois motivos principais: 1) Os EUA são a nação mais rica e importante do planeta; 2) O anti-americanismo acirrado ainda mais com os erros do governo Bush.

      6) Sobre a teoria da conspiração, existem várias, mas não acredito em nenhuma. A menos fantasiosa é a defendida por Olavo de Carvalho, a qual insinua uma conspiração das grandes corporações mundiais para governar o mundo. Ora, estes caras que têm bilhões de dólares não tem outro objetivo a não ser ultrapassar seus desafetos em cifras. Eles já têm mais que o suficiente para esta vida (a única que acreditam). Dedicar suas vidas para criar algo ainda maior para seus filhos usufruírem seria altruísmo demais para estes caras. Além do mais sempre existem as exceções. A cada dia vão surgindo mais exemplos de bilionários que resolve doar parte de suas mega fortunas, como o Bill Gates e o Warren Buffet, por exemplo. Se houvesse uma conspiração de fato, as informações já teriam vazado, o Wikileaks já teria entrado em ação, etc. etc. Sobre a teoria dos Illuminati, acho uma grande bobagem. Impérios sempre existiram. Uns caem outros sobem. Se estes caras passaram gerações e gerações para criar um governo mundial através dos EUA, mais uma vez o tiro está saindo pela culatra, pois os EUA estão mais fracos como nunca estiveram, desde que assumiram o comando da economia mundial no pós-guerra.
      7) Sobre os partidos políticos mais radicais do Brasil, na minha opinião é o PCO. PDT, PSDB e DEM são fichinha perto da ala radical da esquerda.

      Abraço e até a próxima!

  70. O Anonimador says:

    Olá novamente, Amilton.

    Nas questões que apresentei, disse que também faria umas outras perguntas de um outro jeito. Então, resolvi apresentar essa primeiro:

    Nessa semana, o Big Brother Brasil (se você quiser saber, é aquele reality show que passa na Rede Globo) exibiu (na internet e na TV Paga, aliás) uma imagem que pode ser considerada indicio de estupro (se quiser saber mais, consulte a internet ou então a Rede Record). Terça, uma ONG de Direitos Humanos resolveu acusar a Globo de omissão de socorro (internet, por favor). E agora, o Ministério das Comunicações estuda se vai retirar o sinal da Globo por 24 horas ou para sempre, o que pode ser considerado uma vitória dos bispos idiotas da Igreja Universal (desculpe o termo), da Rede Record, e dos blogs “progressistas” (PHA e Azenha, por exemplo).

    Na realidade, eu acho que deviam fazer a Globo ficar 24 horas fora do ar e cancelar o BBB (assim como no caso de João Kléber e da RedeTV!). E você, concorda com isso ou não.

    OBS: EU VOLTAREI (se não for essa semana, na outra pelo menos), e seu 2º post do balanço do governo Dilma, vai ficar pronto quando (isso é, se você não tiver algum imprevisto).

    • Amilton Aquino says:

      Pois é Anonimador, como tudo neste país, este assunto surreal também já está sendo politizado. É um desfile de absurdos. Todo mundo sabe o histórico de aberrações que já aconteceram nestes programas mundo afora. Todo mundo sabe das regras, principalmente os participantes que assinam termos de responsabilidade antes de entrarem no programa. Não é de hoje que acontecem estas cenas picantes sobre os edredons. A novidade deste caso é a acusação de estupro. Se foi ou não, não vou entrar no mérito da questão, mas a própria polêmica em torno disso já desqualifica a acusação de “omissão de socorro”. Como os monitores da Globo iriam parar uma coisa que é permitida nas regras do programa apenas com a suposição de que estaria havendo um “estupro” se até bem pouco tempo ambos estavam trocando carícias consentidas, como a própria maria-chuteira admitiu? Se ela estava dormindo ou não, é a que fica restrito toda a polêmica, pois se ela tivesse acordada, seria apenas mais um caso entre tantos. Como ela disse não lembrar, eis que surge mais um trunfo dos odiadores da Globo, com forte apelo aos puritanos de plantão. O interessante é que a emissora ouviu a moça e tomou a decisão de expulsar o rapaz do programa, decisão esta que também tem sido muito contestada. Ou seja, qualquer coisa que a Globo faça, sempre vai ter um exército policiando. A questão vai muito além do puritanismo. Tem religião misturado com política e, claro, a disputa pela audiência.

      Apesar de todo o escarcéu, não acredito que a Globo venha a ser punida, pelo menos por este caso. Também não concordo que a emissora tire do ar o programa, pelo menos por causa deste caso.

      Sobre o novo post, publico no próximo sábado. Abraço.

  71. O Anonimador says:

    Olá, Amilton!

    Eu ainda mais algumas perguntas pra você, mas desta vez sobre suas “perspectivas” de vida: OBS: Além das perguntas também darei minha opinião sobre o assunto.

    1) Você tem religião ou você é ateu?
    PS: Eu sou evangélico, mas não pertenço à Igreja Universal e nem tenho preconceito para com outras religiões, que as respeito muito bem. Se você for ateu, não estou nem aí (Não sou como Igreja Universal e Igreja Mundial que ficam por aí exorcizando ateus e homossexuais).

    2) Você, por ser de Pernambuco (região Nordeste deste país), você acredita que a mídia do Sul e do Sudeste vem fazendo uma campanha de preconceito para com os nordestinos?
    PS: Não acho que exista, pois até hoje minha avò (que veio da Bahia, na mesma região Nordeste) não reclama disso. Aliás, pra você saber, meu estado é o de São Paulo, mas não posso sair por aí criticando você só por ter saído de um Estado que não o meu.

    • Amilton Aquino says:

      Olá Anonimador,

      1) Atualmente não tenho religião. Mas já fui católico na infância, evangélico na adolescência, ateu e espírita kardecista na idade adulta. Mas em todas estas experiências nunca tive certeza de nada. Daí porque alterno momentos em que sou mais propenso ao ateísmo e em alguns momentos torço para que exista realmente algo melhor que nossa sofrida Terra. Seja lá o que for, não acredito em um Deus tirano, que vai punir pessoas por toda eternidade, simplesmente porque em alguns poucos anos vivendo nesta Terra, estas pessoas não conseguiram acreditar literalmente em um livro que já foi escrito e reescrito em várias línguas, com inúmeras adulterações, propositais ou não.

      2) Não, eu não acredito que a mídia do sul e sudeste promova nenhuma campanha contra os nordestinos. Isto é coisa de quem enxerga conspiração em tudo e tem o objetivo explícito de desmoralizar a imprensa.

  72. O Anonimador says:

    Olá, amilton!

    Continuando as perguntas feitas a você:

    3) No questionário, você disse que, apesar da usina hidroelétrica de Belo Monte ser necessária para evitar um colapso energético no futuro, talvez conseguíssemos o mesmo resultado explorando outras fontes de energia limpa. Com isso você quer dizer que não é como os defensores de Belo Monte (vide PHA e alguns nacionalistas), que, para justificar o apoio a usina, fazem uma campanha difamatória (ou quase, sei lá) dos ambientalistas e dos contrários ao projeto (vide o movimento Gota d’Água e alguns indígenas), acusando-os de serem agentes da CIA e de serem hipócritas (dizem até que muitos ambientalistas já tem energia elétrica em casa, mas que não querem dá-la aos mais “desafortunados”).
    OBS: Eu ainda não tenho opinião sobre o assunto mas eu já vi a opinião dos dois lados.

    4) Já soube do bairro do Pinheirinho, que fica em São José dos Campos, Estado de São Paulo. Se você já soube, então já deve ter visto a opinião da tal “esquerdopatia” (ainda não sou totalmente crítico da ideologia, por isso peço um pouco de tempo para me acostumar). Quer dizer, tudo bem que são moradores que precisam de habitação, mas não será pela ideologia que irão conseguir o feito da igualdade habitacional.
    OBS: Eu moro justamente em São Paulo (não na cidade do Pinheirinho, mas na zona leste da capital) e numa casa que não é grande coisa (toda cheia de goteiras e com mais de 50 anos).
    OBS 2: Eu sei que isso não foi bem uma pergunta, mas uma opinião. E tenho outra em relação a isso: se sua casa também não é uma coisa que se diga “que bonita, que charme que é essa casa”, pelo menos nós dois temos um teto (velho, mas teto é teto) e não somos usados como “soldadinhos” pela esquerda fanática (PSOL e PSTU).

    Quando a desocupação de Pinheirinho foi feita, começaram as vaias ao PSDB (principalmente ao governador de SP, Geraldo Alckmin), chamando estes de neo-liberais e afirmando que, se não fosse pelo neo-liberalismo e pelas privatizações, a população do bairro não teria sido desalojada. Além do que, segundo li, também há a afirmação de que o território onde fica o bairro era do especulador Naji Nahas (você deve se lembrar dele). Aliás, quero lembrar que isso talvez não tenha sido o discurso da aliança PSOL-PSTU (nem sei qual foi o de verdade), mas só coloquei isso talvez como uma opinião. Agora, quero desafiar você (no bom sentido da palavra) a fazer um discurso fictício da esquerdopatia brasileira sobre um assunto em especial, hoje Mahmoud Ahmadinejad querendo varrer Israel da história (ou do mapa, sei lá eu).

    PS: Também estou querendo uma opinião sua sobre o Fórum Social Mundial (FSM) dessa semana, no qual a presidente Dilma Rousseff disse que o povo brasileiro estava vacinado contra o neoliberalismo.

    Até mais (de novo).

    • Amilton Aquino says:

      Olá Anonimador,

      3) O PHA e todos os demais blogueiros financiados pelo governo petista defendem qualquer coisa que venha do PT e denigrem qualquer idéia contrária ao deus Lula. É para isso que eles são financiados. Nem oito, nem oitenta. Ambos os lados tem um pouco de razão na questão de Belo Monte: ambientalistas e governo. O problema é que tudo neste país passou a ser politizado ao extremo por causa de Lula. E quanto o extremismo entra em campo, a razão vai para o décimo plano.

      4) O caso do Pinheirinho é mais um exemplo dessa polarização. Na minha opinião, o governo de São Paulo não teve a menor habilidade para lidar com o caso. Todo mundo sabia que o PT faturaria politicamente, mas mais uma vez deixaram os “cumpanheiro” fazerem a festa. Todo mundo sabe que estas invasões são comandadas por “líderes” de esquerda e que estes, depois de instalar as famílias, passam a cobrar taxas dos moradores e comerciantes. Mas o fato de existirem estes aproveitadores disfarçados de “revolucionários”, existem também famílias que não têm outra opção a não ser se render a tais chantagistas. Somando a tudo isso o fato das terras serem de um especulador, então a coisa ficou bem complicada para o PSDB, mais uma vez.

      Sobre o Fórum Social Mundial, este foi criado por esquerdistas como um contraponto a Davos. E como tudo nesta luta ideológica, a razão é substituída pelo discurso de ocasião. Mas a verdade é que enquanto a cúpula de Davos está atordoada sem saber o que fazer para tirar o primeiro mundo da crise, os esquerdistas continuam cuspindo no prato do capitalismo e da globalização, apesar de assistirem milhões e milhões de pessoas cruzarem a linha da pobreza nos países emergentes como nunca ocorreu na história da humanidade. Dilma, querendo fazer média com os esquerdistas, preferiu ir ao Forum Social Mundial fazer discursinho de efeito e sem nenhum resultado prático, do que discutir realmente alguma solução para a crise.

  73. O Anonimador says:

    Continuando as questões:

    5) Quando você se deixou levar pela ideologia comunista de esquerda, já te passou pela cabeça alguma vez a ideia de viajar para Cuba (que muitos comunistas dizem ser o paraíso)?

    6) Ainda sobre Belo Monte, vejo pela opinião expressada na questão 4 que desde sua decepção ao sonho comunista, você nunca se deixa levar pelos exageros da direita e da esquerda. Você talvez se enxergue como um Mario Vargas Llosa?
    PS: Não é só a esquerda de PHA pró-Lula que critica os que criticam Belo Monte. Os blogs de direita (Azevedo, por exemplo) dizem que os ambientalistas são apenas pessoas que acreditam que o mundo vai acabar neste ano. E você, o que acha disso?

    Até a proxima.

    • Amilton Aquino says:

      Olá Anonimador,

      5) Não, nunca me passou pela cabeça ir para Cuba.

      6) Mario Vargas Llosa? Não, não chegaria tanto. Mas temos em comum o fato de ser realistas e vacinados contra as lorotas dos fanáticos.

      Sobre os ambientalistas, eles são alarmistas sim. Mas alguém tem que fazer este papel. Certamente eles estejam errados em muitos pontos, mas, em todo caso, é melhor prevenir do que remediar.

  74. O Anonimador says:

    Olá, Amilton. Ainda tenho mais questões pra você:

    7 – Seu blog tem como parceiro o Instituto Millenium, acusado pelo blog de PHA de ser expoente da tal “direita má e anti-pobre do país que não gosta do Lula. Você alguma vez já chegou a sofrer uma acusação caluniosa por parte de eleitores fanáticos do Lula por causa disso?

    8 – Qual é a sua opinião sobre o PSOL e o PSTU?
    PS: Sobre o PSOL, vi em muitos sites que talvez esse partido seja muito melhor que a canalhice que o PT se transformou desde a chegada ao poder. Agora sobre o PSTU, vi em alguns sites que o partido tende a ser um pouco radical, principalmente depois do caso de Pinheirinho (que chegaram a falar que, na reintegração, houve várias mortes, depois desmentidas pelos blogs de Reinaldo Azevedo, por exemplo).

    • Amilton Aquino says:

      Anonimador,

      7 – Desde que criei o blog que aparecem adoradores do Lula ofendidos por aqui me xingando de todas as maneiras. Procuro não baixar o nível e responder até mesmo a quem não merece. E o resultado é que em todas as vezes que me envolvi em debates com os fanáticos adoradores de Lula estes saíram de fininho, o que salienta ainda mais minhas convicções. Sobre as acusações do PHA para mim não têm nenhum crédito. O pessoal do Instituto Millenium gostou do conteúdo do meu blog e me convidou para me tornar parceiro do instituto. Li os valores defendidos pelo site e concordei. Se isto me classifica como de “direita”, não tem a menor importância. Minha opinião sobre a dicotomia “esquerda x direita” está bem expressa na série de 19 posts que escrevi sobre o assunto. Mais importante que os rótulos são os fatos e os valores que preso. O resto é discursinho fácil de oportunistas.

      8 – Sobre o PSTU, PSOL e demais partidos nanicos de esquerda, eles são o PT de vinte anos atrás. Discursos efusivos, defesa intransigente das “classes trabalhadoras”, reforma agrária, etc. etc. Tais partidos vivem totalmente fora da realidade. E como não conseguem eleger nenhum representante para o executivo (duvido que queiram de fato), então se dão ao luxo de ser “pedra”. Se algum dia tornarem-se “vidraça”, pode ter certeza que vão passar por uma metamorfose semelhante a do PT.

  75. Aliancaliberal says:

    Amilton reparou que freses como estas “Lá não existe sistema de saúde sem pagamento “cash”” do Joel Bento é que justificam a estatolatria de alguns brasileiros.
    Como podem ainda neste século alguém acreditar que exista almoço de graça.
    Eles pensam que a saúde é realmente gratuita.

    • Amilton Aquino says:

      É realmente espantoso. Estava vendo agora as últimas notícias da Grécia. Putz! O país está em queda livre. As contas não fecham. As razões todos sabem: o excesso de paternalismo do estado que ainda hoje emprega 20% da população. Não existe outra solução. Eles têm que reduzir os estado, mas não se convencem. Preferem jogar a culpa no “neoliberalismo” e “resistir” com greves. Certamente também acreditam que o estado é uma fonte inesgotável de recursos.

  76. O Anonimador says:

    Olá novamente, Amilton. desta vez farei você dar sua opinião sobre os eventos que os movimentos de esquerda dizem ser “trágicos” ou “caluniosos”. Então, qual a sua opinião sobre:

    a) O golpe de Honduras em 2009

    b) O “massacre” do Pinheirinho

    c) A invasão da USP

    d) Cuba e Fidel Castro

    e) O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, e seus aliados bolivarianistas (Evo Morales na Bolívia, Rafael Correa, no Equador e Cristina Kirchner, na Argentina)

    Até mais.

    • Amilton Aquino says:

      a) No caso de Honduras, o Brasil cometeu um dos maiores equívocos da história da nossa diplomacia. A defesa intransigente do presidente deposto não tinha nada a ver com a defesa da democracia, e sim a defesa de um político alinhado com Chaves que, como seu mentor, queria também se perpetuar no poder. O golpe “justificado” pela constituição teve apoio popular e o Brasil acabou isolado na sua posição intransigente, a ponto de ser hoje uma das poucas nações a não reconhecer um governo democraticamente eleito pelo povo hondurenho.

      b) Já falei antes sobre este assunto. O caso do Pinheirinho não pode ser visto apenas pela ótica da legalidade. Existe uma questão social envolvida que não poderia ter sido ignorada pelo governo de São Paulo, apesar do fato de existirem aproveitadores esquerdistas na comunidade que cobram mensalidades dos moradores. O governo do PSDB, portanto, mostrou uma inabilidade incrível neste caso. Fez exatamente o que os partidos de esquerda queriam.

      c) Os policiais de qualquer estado do Brasil são mal pagos numa função onde suas vidas são colocadas em cheque a cada dia. Como exigir um sensatez e equilíbrio de tais pessoas, quando todos dias estes assistem aos políticos aumentarem seus super salários ao bel prazer? E aí junta o fogo e a pólvora: a truculência de policiais com a paranóia esquerdistas dos estudantes da USP. Neste contexto, a questão da maconha é apenas mais um ingrediente neste caso. O fato concreto é que a USP continua a ser uma ilha de esquerdistas lunáticos.

      d) Cuba é o penúltimo remanescente do mundo comunista. O repasse do bastão para o irmão promover as reformas na direção do capitalismo é o reconhecimento oficial de Fidel de que sua revolução foi um grande equívoco.

      e) Hugo Chaves foi um dos maiores falastrões esquerdistas da história. Beneficiado pelo aumento do preço do petróleo, a base da economia venezuelada, o caudilho deitou e rolou. Quanto o preço do petróleo recuou um pouco, a economia venezuelana mergulhou na crise e o caudilho teve que se recolher a sua insignificância. Os seus aliados “bolivarianos” (inclusive Lula) são mais alguns dos beneficiados pelo boom econômico mundial puxado pela China nos últimos anos. Governam na inércia tentam atrair para si todos os méritos do boom do capitalismo e da globalização, da mesma forma que Lula e Chaves.

  77. Sandro says:

    Amilton,

    Sobre o estado grego empregar 20% da população, informo que vi há um tempo um dado que apontava que no Brasil cerca de 120 milhões de pessoas dependiam do Estado, entre funcionários públicos, aposentados e pensionistas e aqueles que recebem bolsa-família, seguro desemprego… Não lembro a fonte. Se este dado estiver correto, e considerando a nossa população em 192 milhões de habitantes, logo, são 62,5% de cidadãos brasileiros que dependem do estado para sobreviver! Vi dados outros dados também, que na URSS que mais de 50% da economia era informal, devido àquela impossibilidade provada por Mises de se estatizar tudo pelo fato de não se ter como formar preços, e logo ter uma economia! Nesse sentido, o nosso estado é mais “comunista” do que o da antiga URSS!!!

    Abs

    • Amilton Aquino says:

      Sandro,

      Também lembro destes números a que vc se refere. Também não lembro o autor do artigo, mas lembro que era resultado da multiplicação do total de pessoas que de alguma forma recebiam algum dinheiro do estado multiplicando pela média de cinco pessoas por família. É um raciocínio válido para alertar sobre o poder de influência do presidente no resultado de uma eleição, mas daí a comparar com a antiga URSS…

  78. Sergio.Jr says:

    Uma pena que tenha parado de escrever.

    Textos excelentes! Me tornaria assinante hoje.

  79. edilson belo says:

    Primeiramente boa tarde Amilton

    primeiro, acheio bem interesante a sua pagina porem percebi, que apesar de se dizer contrario a todos os partidos percebo que tens um muito de PSDB no sague latino, não.
    Estou aqui, não pela defesa do Partido dos trabalhadores mas sim para esclarecer alguns ponto que seu blog tende a se esquecer. Como todo bom Brasileiro.
    te mando esta tabela para que possa tirar suas proprias conclusões.
    Observando a tabela é possível perceber que durante o governo FHC, nos anos de 1999 e 2002, se descontarmos a inflação do período, o Salário Mínimo não só não aumentou, como perdeu seu valor: -4,32% e -1,42% respectivamente. Fato que não se repetiria durante os oito anos de governo Lula, e nem nos dois primeiros anos do governo Dilma.

    Outra análise possível é observar que no ano em que Fernando Henrique Cardoso assume seu mandato (1995), o Salário Mínimo valia R$ 100,00 e, no ano de sua saída (2002), o mesmo valia R$200,00, o que demonstra um crescimento de 100% no período, sendo que desse aumento, se descontarmos a inflação dos oito anos, averiguamos um aumento real de 21,89% no Salário. Por sua vez, Lula assume o mandato em 2003 com o Salário Mínimo valendo os R$ 200,00 deixados por FHC. No ano de sua saída (2010), o mesmo salário valia R$ 510,00, caracterizando portanto um aumento de 155% em relação ao valor do início de seu mandato, e 53,6% de aumento real, descontando-se a inflação. Já nos dois primeiros anos do mandato de Dilma Rousseff, o Salário Mínimo passou de R$510,00, deixado pelo governo Lula, para R$622,00 no ano de 2012, o que representou um aumento de 22% em dois anos de governo, dos quais 8,61% de aumento real.
    Para você pode até não parecer la grande coisa mas se compararmos o valor do Salário Mínimo em relação a cesta básica, por exemplo, veremos que durante o governo FHC, um Salário Mínimo comprava 1,15 cesta básica no primeiro ano de seu governo (1995) e 1,54 no último ano (2002), o que caracterizou um aumento de 34,37% de aumento do poder de compra do trabalhador em relação a cesta básica. Durante o governo de Lula, um Salário Mínimo comprava 1,47 cesta básica no primeiro ano (2003), e 2,27 cestas no último ano de seu governo (2010), aumento de 53,73% no poder de compra em relação a cesta básica. Já no governo de Dilma, nesses dois primeiros anos observa-se uma pequena retração em relação ao período Lula, sendo que um Salário Mínimo comprava 2,09 cestas básicas no primeiro ano (2011) e 2,18 cestas no segundo ano (2012), como demonstra a tabela ao lado.

    Além disso, durante os oito anos do governo FHC, o Salário Mínimo teve um crescimento real pouco superior ao crescimento do PIB brasileiro no período. A soma dos índices mostram que houve 21,89% de aumento real do Salário Mínimo, enquanto o PIB cresceu 18,4% (diferença de 3,49%). Já durante os oito anos do governo Lula, o Salário Mínimo tem um aumento de 53,60%, enquanto o PIB no mesmo período cresceu 32,5% (diferença de 21,1%). Como não poderia deixar de ser, Dilma segue o caminho traçado por Lula, sendo que nos dois primeiros anos de seu governo o Salário Mínimo teve um aumento real de 8,61%, enquanto o PIB no período cresceu 3,7% (diferença de 4,91% pró Salário Mínimo), conforme demonstra o gráfico abaixo.

    Gráfico comparando o crescimento do Salário Mínimo em relação ao PIB durante os governos FHC, Lula e Dilma – por José Rogério Beier. *Os números do governo Dilma são relativo apenas aos dois primeiros anos de seu mandato (2011-2012).

    A comparação realizada no gráfico acima, permite perceber que durante o governo Lula, o Salário Mínimo, além de ter um significativo aumento real em seu valor (53,60%), também teve um crescimento relevante em relação ao PIB brasileiro (32,5%). Tal observação demonstra cabalmente o modo pelo qual o governo de Lula conseguiu içar da linha da miséria dezenas de milhões de brasileiros. Além disso, o gráfico também demonstra uma melhor distribuição de renda no Brasil durante o governo Lula e a continuação dessa política no governo Dilma (que em apenas dois anos de governo, já fez com que o Salário Mínimo crescesse 4,9% a mais do que o PIB do período. Marca superior aos oito anos da gestão FHC).

    Vale ainda observar que, embora alguns setores tenham amargado um encolhimento nesse período, grande número da população, que vive a base do Salário Mínimo, viu seu rendimento crescer substancialmente durante o governo Lula. Em 2009, por exemplo, enquanto o PIB brasileiro amargou uma queda de 0,3% em função da crise que assolou Estados Unidos e Europa, o Salário Mínimo teve um aumento real de 7,74% . Talvez isso ajude a explicar um pouco do ódio que boa parte da classe média nutre contra o Lula e seu partido, entre estes, você deve estar incluido, não.

    Diferentemente do que ocorrou com outros historiadores, quando eu olho para números como estes, constato como o Brasil mudou na última década. Uma mudança há muito esperada e tantas vezes adiada. Há muito ainda o que melhorar, sem dúvida, mas a direção de combater a miséria e tornar digna a vida de boa parte de nossa população é, sem dúvida alguma, uma decisão acertada de nosso governo. Esses números demonstram cabalmente como, durante a última década, essa batalha vem sendo vencida e, diante deles, jamais poderíamos considerar esta década como perdida.

    • Amilton Aquino says:

      Olá Edilson,

      De fato prefiro o PSDB. Muito me incomoda no PT esta postura populista de pensar mais nas próximas eleições do que realmente no futuro do Brasil.
      Como vc deve ter percebido o blog está quase todo bloqueado para comentários. Voltei neste fim de semana e pretendia colocar algumas recomendações sobre a política de comentários com o objetivo de disciplinar os debates. Entre as recomendações, uma delas é que os comentários sejam relativos aos assunto abordados no post, pois com o acirramento político que houve no nosso país nesta última década os debates se repetem (e sempre fogem do tema do post), retornando sempre para pontos que já foram exaustivamente discutidos, o que exige de mim um esforço descomunal para atender a toda demanda.

      Pretendo iniciar uma nova série nas próximas semanas sobre o legado de Lula, onde pretendo expor meu ponto de vista e discutir com os leitores sobre cada assunto abordado de uma forma organizada, sem fugir do tema em questão.

      Portanto, vou liberar o seu comentário em respeito ao seu tempo dispensado, afinal ainda não publiquei a nova política de comentários.
      Já debati este tema várias vezes e, para ser sincero, acho que este debate está superado. De fato, o salário mínimo aumentou mais na era Lula. Ponto final. E não podia ser diferente, afinal o PIB mundial saltou de US$ 33 trilhões, em 2003, para U$$ 60 trilhões em 2008, depois de passar os oito anos de FHC quase estacionado (pulou de US$ 29 para U$ 33 trilhões). Além do mais os produtos de exportação brasileiros dobraram de valor no mercado internacional. Enfim, um outro cenário totalmente a favor possibilitou uma melhora mais substancial do mínimo na era Lula. Mas o que até agora foi um ganho, aos poucos está se tornando um grande problema para o país. O problema é a resolução que atrela o mínimo ao crescimento do PIB com um aumento real é insustentável. Aliás, este é um dos motivos da nossa perda de competitividade. Dilma logo que assumiu já percebeu que tinha que abolir tal regra, mas teve que voltar atrás diante da reação do seu próprio partido. Mas é fato que alguém vai ter que mudar isso, caso contrário, vamos nos tornar cada vez mais importadores, como aliás já está ocorrendo. Além do mais, parte muito expressiva da nossa população está na economia informal. O aumento do mínimo, portanto, só aumenta o fosso que existe entre quem está inserido no sistema e quem vive à margem. Abraço e aguardo vc para discutirmos nos próximos posts.