Políticos e fraldas devem ser trocados de tempos em tempos. Pelo mesmo motivo (Eça de Queiroz)

By

Ana Júlia, o perfeito exemplo da doutrinação marxista nas escolas

ana_julia-600x300

Nesta semana a esquerda ganhou uma nova estrela: a chorosa Ana Júlia, que hoje sabemos ser filha de um funcionário e militante petista. Por sua desenvoltura retórica não resta dúvida de que sua carreira política está garantida, mas, por enquanto, parece que o tiro está saindo pela culatra. O fato é que, no dia seguinte ao “comovente” pronunciamento na Assembléia Legislativa do Paraná, não param de surgir memes desmentindo cada uma das conhecidas mentiras esquerdistas repetidas pela adolescente “bem informada” e “apartidária”.
 
Não vou repetir aqui cada uma das refutações já conhecidas, mas vou me concentrar apenas em uma das mentiras que revelam duas facetas mais comuns da cultura marxista: 1) a capacidade de sobrepor narrativas à realidade; 2) as constantes tentativas de culpar os adversários por tudo de errado que fazem.
 
Vejamos: no ápice do discurso, quando Ana Júlia se gaba de ter ido ao velório do aluno assassinado por um de seus próprios colegas (vale salientar), mas desvia o foco da tragédia da qual são co-responsáveis para os… deputados adversários do PT, pelo simples fato de não comparecerem ao velório!!!
 
E pasmem! Ela foi aplaudida como se tivesse marcado um gol! Pior: a estudante teve a cara de pau de acusar os deputados ali presentes de terem as mãos “sujas de sangue” do aluno assassinado! E mais uma vez foi… aplaudida! No final do pronunciamento chegou a ser abraçada coletivamente por alguns deputados, esquerdistas, claro.
 
É uma total inversão dos fatos e valores que lembram muito o genial George Owell em seu clássico “1984” que mostrava como um partido com uma ideologia hegemônica pode ser capaz de criar narrativas que podem chegar ao extremo de inverter até o significado das palavras.
 
Na vida real, a palavra “austeridade” é um desses exemplos. Em outros tempos era sinônimo de disciplina, rigor, firmeza. Hoje, graças às esquerdas, a demonização da políticas responsáveis que tentam implementar o óbvio (ou seja, impedir que governos gastem mais do que arrecadam) austeridade passou a ser algo mau, algo a ser combatido. Por isso, Ana Júlia brada contra a PEC 241 e qualquer outra iniciativa que tente colocar algum freio nos déficits que se acumulam e ameaçam nos jogar novamente no caos hiperinflacionário dos anos 80.
 
Mas eis que a realidade sempre bate a porta. Hoje surge mais um vídeo que só reforça o que todos já sabem: a doutrinação nas escolas é um fato. O tal movimento é, sim, partidário, liderado pelas principais legendas de esquerda. No vídeo abaixo, um deputado petista doutrina os alunos com a velha retórica maniqueísta dos malvadões da direita que só pensam em tirar dos pobres para dar aos ricos! Os esquerdistas, claro, são os mocinhos da história. Daí o gérmen totalitário que se entranha nas mentes da maioria dos jovens, fechando suas mentes para qualquer argumento contrário.
 
Entre os “argumentos” do deputado petista, uma mentira velha e repetida pela ONG Auditoria Cidadã da Dívida que diz que gastamos METADE do orçamento com a dívida! Ele só esquece de dizer que tal percentual é praticamente o mesmo deixado pelo governo do PT. Por que não mudou isso em 14 anos de poder? Óbvio, porque o deputado sabe que a realidade é bem diferente da narrativa que ele está passando aos alunos. Mas não importa. O importante é a guerra política e, para isso, vale tudo, inclusive aliciar menores.
 
Agora que estão de volta à oposição, o PT retoma o discurso fácil e irresponsável que fez a fama de Lula, segundo o qual basta um calote na dívida para resolver todos os nossos problemas. E é esse discursinho que a Ana Júlia e outros estudantes “bem informados” estão repetindo por aí.
 
Doutrinados? Não! Dirá a choroso Ana Júlia! Os estudantes estão provando que são conscientes e que sua única bandeira é a educação! Acredite se puder.

 

 

Posts relacionados:

3 Responses to Ana Júlia, o perfeito exemplo da doutrinação marxista nas escolas

  1. Pingback: nopc-20161031-all | News Archive

  2. Pingback: lde-20161031-all | News Archive

  3. Pingback: lde-20161031 | News Archive