Algumas conclusões sobre os grampos de Jucá, Renan e Sarney

lula_dilma

O que mais me impressiona no debate político é a seletividade da interpretação dos fatos. Claro que posso ser acusado da mesma coisa, mas estou aberto ao debate com qualquer um que queira me provar que estou errado. Sobre as revelações da semana, quase nenhuma novidade. Apenas as confirmações do que boa parte dos bons analistas políticos afirmam há muito tempo. Vamos então as conclusões:
1) Ao contrário do que muito governista vinha alardeando por aí nos primeiros dias do governo Temer, a Lava-jato segue firme. O governo do PT tentou e agora o PMDB tenta, mas sem sucesso.

2) Os políticos morrem de medo de Sérgio Moro. Todos querem foro especial para manter distância de Curitiba;

3) Lula sabe que pode ser preso a qualquer momento. Ele sabe que provas não faltam;

3) PMDB e PP são os parceiros de crime do PT. Portanto, o PT tentou melar a Java-jato e o PMDB vai continuar tentando no novo governo;

4) Quando o grampo do Jucá foi efetuado ele ainda era governista. Decidiu abandonar o barco só quando percebeu que não havia mais salvação para Dilma. Logo, se houvesse alguma possibilidade de salvação com o PT, estaria contra o impeachment. Portanto, não houve o “golpe” alardeado pelos petistas. Houve sim, o cálculo do “mal menor” pelas raposas do PMDB. E neste cálculo as manifestações pró-impeachment foram decisivas;

5) O mesmo plano do PMDB que descartou Dilma tentou salvar Lula;

Leia mais