Políticos e fraldas devem ser trocados de tempos em tempos. Pelo mesmo motivo (Eça de Queiroz)

By

Algumas coisas que a imprensa não fala sobre Mandela

mandelaNunca senti um desconforto tão grande para falar sobre um assunto como este de hoje. É difícil passar uma vida inteira vendo uma pessoa de um ângulo e, de repente, vê-la de um outro, que mostra nuances bem diferentes daquilo que acreditávamos e que gostávamos de acreditar. Na verdade, gostamos de ter ídolos e heróis. E é esta tendência humana uma das responsáveis por transformar tantas figuras polêmicas (alguns verdadeiros psicopatas) em modelos a serem seguidos. Com Mandela infelizmente não foi diferente. Longe de ser o herói celebrado com quase unanimidade entre os líderes de todo mundo, seu passado inclui algumas passagens que chocam quem não as conheciam, como eu. Sim, ele tem seus méritos. Amadureceu, perdoou, acabou com o Apartheid. Mas seus méritos não devem passar uma borracha no lado obscuro do seu passado.

A mudança do meu conceito sobre Mandela foi decorrência da leitura de um artigo publicado no Instituto Mises Brasil recentemente (ver aqui). É um artigo longo, com uma vasta referência bibliográfica, cuja maioria dos livros citados nem sequer foram publicados no Brasil. Claro que o fato de uma informação constar em um livro não a torna necessariamente verdadeira, mas é óbvio que dá mais peso a informação, afinal geralmente alguém que escreve um livro é um especialista no assunto, mesmo que seu ponto de vista tenha um forte teor ideológico, que precisa sim ser filtrado pelo leitor, mas que não deve ser totalmente desconsiderado.

Desde já adianto que não pude checar cada uma das dezenas de fontes citadas. Então vou procurar ser um pouco menos incisivo nos comentários, focando mais no que me parece irrefutável, a partir de algumas pesquisas que fiz via Google.

Uma das coisas que primeiro chamam a atenção no caso de Mandela é que nas inúmeras matérias especiais divulgadas nos últimos dias pela imprensa quase nada falam do seu passado antes de ser preso. A história é sempre a mesma. Um herói negro que lutava contra o odioso regime do Apartheid, que foi preso, passou 25 anos na prisão e, depois de solto, perdoou a todos e promoveu a reconciliação de negros e brancos da África do Sul. O que aconteceu antes não importa, assim como a crescente violência na África do Sul nos últimos anos.

Qualquer coisa que o herói tenha feito é justificado pela opressão imposta pelos brancos. Portanto, devido às dificuldades em checar as informações sobre o passado mais remoto de  Mandela, vamos deixar de lado as passagens obscuras da sua fase comunista, com todos os típicos casos de atentados terroristas, torturas, sequestros, assassinatos (inclusive de companheiros), conexões com a KGB russa, etc. Nada diferente do que sabemos hoje sobre tantos outros “heróis” de esquerda que estão por aí nos parlamentos do mundo todo. Vamos então focar em dois casos mais recentes que pude comprovar. Segue um trecho do artigo:

Março de 1994. Cerca de 20 mil membros do Partido da Liberdade Intakha, que defendia a autonomia de KwaZulu (uma minoria étnica negra que sempre rejeitou o comunismo pregado por Mandela), protestaram pacificamente contra as eleições até o Shell House, o quartel general do CNA. Sob ordens de Mandela, homens armados do CNA abriram fogo contra a multidão matando 53 zulus. O incidente ficou conhecido como Massacre de Shell House. Dissidentes políticos capturados foram torturados, inclusive uma criança.

O massacre consta na versão inglesa do Wikipedia (ver aqui). Segundo a publicação, um ano depois do massacre, o próprio Mandela confirmou que tinha dado a ordem para defender a sede do partido, mesmo que para isso o braço armado do CNA tivesse que matar pessoas. O que teria de tão importante na sede de tal partido para ser resguardado mesmo que às custas de dezenas de vidas? Onde estava o espírito conciliador de Mandela capaz de fazer amizade com tiranos da estirpe de Muammar al-Gaddafi, Fidel Castro, Saddam Hussein, Ali Khamenei, Hafez al-Assad, entre outros? Como agora criticar os governos brancos se, no poder, Mandela fez o mesmo com seus irmãos de raça?

No mesmo ano, Mandela foi formalmente acusado de assassinato no caso Shell House. No entanto, como quase sempre acontece em acusações contra presidentes populares em países do mundo subdesenvolvido, o processo não deu em nada. Posteriormente, a Comissão Verdade e Reconciliação instalada por Mandela concedeu anistia a 11 acusados, inclusive a ele próprio.  E aqui cai um dos maiores mitos sobre Mandela, segundo o qual a Comissão Verdade e Reconciliação instaurada em seu governo teria o nobre objetivo de apenas resgatar a verdade, não punir. Por acaso ele não estaria legislando em causa própria já que também tinha crimes pós-prisão a responder?

Este caso revela também a diferença de repercussão dos dois principais massacres de civis do passado recente da África do Sul.  No caso do massacre promovido por brancos, na década de 60, os 67 negros mortos são sempre lembrados. As imagens em preto e branco fazem parte da história de Mandela. Por outro lado, nada se fala sobre os 53 negros da etnia zullu mortos já sob o governo de Mandela, apesar deste último ter ocorrido já na era da globalização.

Uma outra constrangedora passagem da vida de Mandela, pode ser vista neste vídeo.

A maioria dos presentes (com exceção de Mandela e alguns poucos, vale salientar) cantam uma música popular na África do Sul que incita o ódio contra os fazendeiros brancos. O refrão é enfático: “matem os brancos”. Mandela, apesar de não cantar, acompanha as várias repetições do refrão odioso com o punho levantado. A música faz referência também ao Umkhonto we Sizwe (MK), que significa “Lança da Nação”, o braço armado do CNA que luta por uma revolução comunista no país, como preconizava a agenda soviética para o continente africano. Ora, este lamentável evento não aconteceu nos anos mais radicais de Mandela. Ele já havia se tornado mito. Uma palavra contrária dele quanto àquele odioso ode à violência seria suficiente para dar um basta no já tradicional “hino” racista naquela e em outras ocasiões. Mas ele não o fez. Onde estava o espírito pacificador de Mandela?

O resultado da omissão pode ser visto no número de fazendeiros brancos assassinados na última década, que já ultrapassa a marca dos 4.000, além de 70 mil assassinatos de africâners brancos nas cidades. Ou seja, Mandela adquiriu aquele status de mito onde nada de negativo cola nele. A imprensa não se sente confortável em noticiar fatos como estes, pois além de ferir o imaginário popular, o veículo que dispuser a mostrar este outro lado de Mandela será imediatamente rotulado de racista, direitista, fascista e demais adjetivos usados pelo politicamente correto esquerdista para criar o círculo do silêncio, preconizado por Georg Lukács, um dos grandes teóricos do Marxismo Cultural que domina as universidades e a imprensa desde os anos 60.

Enfim, a romaria de personalidades de todo mundo à África do Sul nos últimos dias é mais um capítulo da história da hipocrisia humana. Muitos dos que estão ali sabem muito bem de alguns dos fatos citados aqui, mas fazem vistas grossas pois, no fundo, estão nadando a favor da maré, tentando colher um pouco da popularidade do mito agora definitivamente envernizado pela morte, esta indesejável companhia que, surpreendentemente, faz as pessoas parecerem melhores do que elas realmente foram.

Para quem quiser saber mais sobre o mito Mandela e sobre a África do Sul, segue novamente o link do artigo do Paulo Kogos: http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1758. No final há um intenso debate com respostas do próprio autor aos questionamentos dos leitores sobre as fontes.

Posts relacionados:

8 Responses to Algumas coisas que a imprensa não fala sobre Mandela

  1. Gilx says:

    Amilton, eu também fiquei meio chocado ao saber, alguns meses atrás, através de um comentário do Olavo de Carvalho no True Outspeak. O problema é que a mídia vendia (e continuará vendendo) a imagem de um “pobre” negro de cabelos grisalhos e olhar tímido/triste.
    Pouco se divulga sobre seu passado obscuro. No máximo, eufemismos tais como de “um idealista guerrilheiro que tinha simpatia pelo comunismo”. O Mandela jovem, robusto, alto (1,83 m) e cheio de ódio psicótico, é varrido pra debaixo do tapete.
    Se a velhice fez tão bem ao mito Mandela, a morte se torna a “cereja do bolo”.

    • Amilton Aquino says:

      Já me emocionei ao ouvir o Simple Minds, nos anos 80, cantando em sua homenagem, assim como tantos outros artistas. Foi aí que foi construído o mito. Depois de liberto, ficou intocável. Mesmo depois de fatos tão lamentáveis como vimos no artigo do Mises. Lamentável.

  2. Vânia Luz says:

    De maneira nenhuma devemos acreditar na mídia esquerdista, se fosse pela dita cuja, eu teria Mandela como um libertador…
    Gostaria de ter esse texto em meu blog, com referencia do original é claro. ?

    • Amilton Aquino says:

      Pode ficar à vontade, Vânia. Relutei um pouco em escrever este texto, pois tenho muitos outros assuntos mais urgentes e importantes. Foi doloroso, mas o fator decisivo foi justamente porque ilustra muito bem algo que tentamos mostrar aqui o tempo todo. A imprensa está dominada pelo “politicamente correto”, uma das várias faces do marxismo cultural que se instalou nas universidades do mundo todo a partir da década de 60.

      • historiador says:

        Voce ta falando serio ou eh um post pegadinha do malandro?? Vc ta falando serio que escreveu um post baseado em um artigo e verificaçoes no google?? Quantos livros, artigos e trabalhos cientificos o senhor leu sobre este assunto. O que que o senhor leu sobre Mandela e, mais importante, o que leu sobre a Africa do Sul? Mandela antes da prisao havia cometido assassinatos e sequestros??cite um,apenas um! Mandela lutou por mais de 15 anos de forma total pacifista e defendendo o pacifismo mesmo dentro de um regime assassino e criminoso. Foi preso varias vezes e sofreu fisica e psicologicamente por anor,apenas por participar de manifestaçoes que,mesmo pacificas, foram proibidas! Sua casa foi invadida durante a madrugada por diversas vezes e “estourada” pela policia em ralis noturnos quase semanalmente na frente de filhos pequenos e suas mulher. Seus companheoros foram mortos e presos por manifestaçoes pacificas e se voce conseguor me mostrar uma, apenas uma vitima de morte causada por este periodo de mandela eu tiro meu chapeu e paro de discutir aqui. Vc faz a minima noçao o que era serum.negro na africa do sul. Imagine ver seu pais sendo invadido por pessoas que se dizem racialmente superiores e verem estas pessoas dominarem seu pais e marginalizarem seus compatriotas. Segregarem, matarem, prenderem, baterem etc etc etc. engraçado que para voce regime de esquerda cubano eh criminoso, mad nao o apartaid. Se o brasil fosse tomado por uma ditadura comunista e vc fosse a luta nas ruas contra esse ditafor ai vc seria heroi, mas qdo um de esquerda sai as ruas ele eh bandido. Vc nao eh de direita, voce eh de extrema direita e conversar com voce eh o mesmo que comversar com pessoas de extrema esquerda, eh impossivel. Quanto a mandela decidiu partir para “guerrilha” depois de anos e anos de manifestaçoes pacificas nao deram em nada e o regime se.tornar mais restrito e violento, onde se foi negado a mande,inclusive, sair de casa,onde nenhum tipo de manifestaçao era permitido e num mundo onde negtos nao podiam votar nem mesmo.em seu proprio pais. Nesta fase, apesar da resistecia da maior partr o partido, ele decidiu partir para a açao com um.pequeno grupo e praticou alguns pequenos atentabdos que aconteceram apenas a predios publicos e durabte a madrugada, antes sempre tendo inspecionado o local para verificar se aida nao tinham funcionarios, sendo que, uma vez especifica, uma missa foi abortadar por que havia funcionarios no.predio, faxineiros. Uma unica vitima destes atebtados foi um.proprio membro da “guerrilha” que teve uma bomba mal armada e que explodiu nele.mesmo, tamanho o amadorismo das pessoas envolvias. Mandela nao foi um.santo, com.certeza fez coisas erradas, mandela foi um.ser humano que viveu numa.epoca de merda e num pais de merda. Vc age como a extrema esquerda, cria herois e cria viloes. O que mandela fez foi pouco. A forma como ele segurou o odio que os.negors sentiam depois de tanto tempo de opressao foi formidavel e, para voce ter uma noça9, qdo o.mandato dele estava acabando e ele com mais de 80 anos decidido a nao mais fazer politica,os brancos se desesperarm com medo de terem um presidente negro que nao fosse mandela, tamanho a moderaçao exercida por mandela nos anos como.presidente. Sinceramente mesmo que o mandela tivesse explodido pessoas ao meio ainda assim seria entendivel,nao justificavel, mas entendivel. Padsar por tudo que eles passaram e o cara subir no palanque e pedir paz? O cara eh foda! E voce antes de vir.julgar um cara deste deveria saber mais, estudar mais e entender melhor o que voce fala. Nunca baseie um.post tao grande em um artigo e pesquisas do google que voce corre o risco de passar por um.imbecil, como fez agora.

        • Amilton Aquino says:

          Historiador, não apele para a falácia do apelo a autoridade. Não é porque não li todos os livros que vc acha que eu deveria ler que não possa falar do meu desconforto ao saber de fatos nefastos do passado de Mandela. As fontes estão todas lá no artigo em que me baseei e te adianto que é vasta. Como não li nenhum e nem pretendo ler, então me restringi apenas aos dois fatos que pude checar e comprovar, um em vídeo e outro que é bastante documentado, no episódio que ficou conhecido como o Massacre de Shell House, onde 53 zulus foram assassinados pelo CNA, sob ordens de Mandela. Para mim tais fatos são suficientes para quebrar a aura de herói que ele tinha para mim até então, imagem esta cultivada pela mídia, uma vez que fatos como estes dificilmente são reportados justamente porque se chocam com o senso comum. Vc diz que estou agindo como a extrema esquerda, que cria heróis e vilões. Ora, se estou mostrando dois fatos que mostram que o Mandela não foi tão santo quanto dizem não estou invalidando seus méritos e o transformando em um vilão. Estou apenas mostrando que existe um outro lado que muita gente não conhece e que o faz dele, no mínimo, menos herói do que dizem que foi. Mas como vcs de esquerda sempre precisam de um mito para cultuar e mexer com tais mitos, sempre gera reações apaixonadas como esta sua. Para mim, isto sim é que é a verdadeira imbecilidade. Apesar disso, vou dar um desconto para vc neste seu comentário acintoso, afinal já dei uma olhada rápida no seu último comentário e percebi que vc entendeu meu recado no comentário da manhã e recobrou à sobriedade. Que continuemos assim.

  3. Historiador says:

    A questao nao eh autoridade, e sim conhecimento. Voce acabou de falar que desconhecia estes fatos e, agora q conhece, mudou de opiniao, ora, mudou de opiniao qdo passou a conhecer. E se alguem tem um conhecimento ainda maior e sabe que se voce chegasse a este conhecimento, tbm mudaria de opiniao? Bom, de qlqr forma, voce ja demonstrou que nao leu mto sobre o assunto e nem pretende ler, por isso nao vou ir alem disto tbm, seria como falar sobre fisica avançada com um estudante de colegial, e nao estou de forma alguma te menosprezando, mas, neste fato em especifico, seu conhecimento, segundo voce, é bem pequeno, afinal, vc nao tem obrigação nenhuma de entender sobre africa do sul e apartheid. Quanto a questao zulu, eh muito mais complexa do que voce pode imaginar, foi um atrito de qse meio seculo, com centenas de mortes para ambos os lados, infelizmente. Qto a musica cantada pelos negros, acredite, se nao fosse por mandela, a musica teria se tornado realidade, e nao sou eu quem diz isso, eh a opiniao publica branca sul africana e pedia a mandela para se reeleger, com medo do que poderia acontecer. SE voce entendesse um pouco do apartheid, talvez entenderia o pavor dos brancos e o odio dos negors, foi uma coisa de outro mundo e ate hj me pergunto cm nao se tornou uma carnificina, e mandela, com certeza, foi um dos principais responsaveis. Quanto a santos e demonio, sou ateu, soh acredito em humanos e deixo isso para pessoas que leem historia em quadrinhos. Tenho sim Mandela na mais alta admiraçao, o que nao quer dizer que concorde com tudo, pelo contrario, nao concordo com mais da metade do que ele fez e disse e posso te listar coisas negativas que voce nem sabe mas, cm nao acredito em santos nem demonios, como humano, sei que ele fez muito, mais mto mais do que eu ou vc seria capas de fazer. Ele segurou uma população que soh tinha odio e que foi semi escravizada dentro de seu proprio pais por anos,, e impediu uma carnificina. Quando uma multidao pedia sangue e chamava ele de traidor por negociar com os bracos, ele pedia calma e no outro dia estava novamente sentado com o lider sul africano De Clerk, o ultimo presidente branco. Alias, ele pode ser visto em fotos com Mandela mesmo depois do final do apartheid. Falar eh facil, o dificil eh entender o que realmente aconteceu, Antes de julgar, devemos conhecer profundamente algo.

    • Amilton Aquino says:

      Historiador, de fato, a realidade africana tem tanta barbárie que exige de nós (externos aos conflitos) um exercício mental extra. Apesar disso, nem todo exercício contextual do mundo poderá apagar o episódio do Massacre de Shell House. Pode atenuar, mas não apagar. Não nego a capacidade de conciliação de Mandela. A questão aqui é mostrar um outro lado dele que a mídia não mostra. Se isto é suficiente para lhe tirar a áurea de herói, a conclusão é de cada um. O que posso fazer é mostrar meu desconforto com tal assunto e sugerir os links para quem quiser se aprofundar. E isso eu fiz.