Políticos e fraldas devem ser trocados de tempos em tempos. Pelo mesmo motivo (Eça de Queiroz)

By

Debate sobre a macroeconomia brasileira

debateOlá amigos. Infelizmente não sobrou tempo para escrever neste fim de semana.  Então vou deixar os links de dois debates que assisti recentemente que reforçam bastante o cenário que mostramos no nosso último post.  O primeiro foi promovido pelo Instituto Millenium, reunindo os economistas Armínio Fraga, Gustavo Franco, Henrique Meirelles e Raul Velloso (ver aqui  e aqui).  Na verdade, este não foi um debate, e sim um colóquio, afinal todos os economistas têm opiniões semelhantes sobre os rumos da nossa economia.

Ideias divergentes mesmo tivemos no debate sobre a macroeconomia brasileira, promovido pelo PMDB. Neste, sim, o governo pôde se defender através do atual Secretário de Política Econômica, Márcio Holland. Como contraponto, o economista do IPEA, Mansueto de Almeida. No meio dos dois, Marcos Lisboa, ex-secretário de política econômica do governo Lula, uma voz que, pelo menos teoricamente, poderia ser um ponto de equilíbrio entre Holland e Mansueto. No entanto, a realidade falou mais alto. Lisboa durante todo o tempo esteve afinado com Mansueto nas críticas à “nova matriz econômica” intervencionista defendida pelo representante do governo, este sim, um entusiasmado keynesiano que só consegue ver “oportunidades” em meio ao cenário de clara deterioração dos nossos indicadores econômicos.

O debate é longo (mais de quatro horas). A parte de Holland segue alinhada ao marketing oficial do governo. Diante da impossibilidade de celebrar os últimos números da nossa economia, Holland usa duas estratégias bem conhecidas. A primeira é juntar os dados do governo Lula com os do governo Dilma e comparar com os números do governo FHC. Ou seja, não importa se todos indicadores pioram a cada dia ou se estamos caminhando para o precipício, o importante é que, na média, os números do governo do PT ainda são superiores ao governo do PSDB!!!  A segunda estratégia e comparar os números do Brasil aos números dos países mais atingidos pela crise bancária norte-americana que levou os europeus a crise fiscal atual. Não importa se o Brasil está sempre atrás entre os emergentes (países em fase de desenvolvimento semelhantes ao Brasil), o importante é lembrar as diferenças da década de 90 e o cenário atual. Enfim, é o discurso político se sobrepondo a realidade.

Felizmente, os parlamentares ficaram com a realidade, alguns, inclusive, mostrando surpresa em relação aos preocupantes cenários mostrados por Mansueto, algo que eles, mais que nós, deveriam estar muito bem informados. Bom, pelo menos temos que louvar a iniciativa do PMDB de tentar chamar seus políticos para o debate.

Para quem quiser ver o debate na íntegra clique aqui. Para quem quiser ir direto ao ponto, filtrando as politicagens e os delírios do marketing oficial, clique aqui  e aqui.

No próximo fim de semana voltamos com um novo artigo. Até lá!

Posts relacionados:

2 Responses to Debate sobre a macroeconomia brasileira

  1. Oneide teixeira says:

    Muito bom os videos.

    • Amilton Aquino says:

      Sim, vou aproveitar alguns dados que não conhecia para os próximos posts. Aos poucos vai se formando um consenso no meio econômico. Quem sabe a equipe econômica caiam na real algum dia…