Políticos e fraldas devem ser trocados de tempos em tempos. Pelo mesmo motivo (Eça de Queiroz)

By

A sinceridade de Gabeira

gabeiraFernando Gabeira é uma rara exceção da política. Tem a sinceridade utópica que gostaríamos que todos os políticos tivessem. Ele é mais um dos milhões de brasileiros decepcionados com o PT e, por extensão, com a esquerda por seus incontáveis equívocos. E como sempre acontece com quem critica o PT, Gabeira é agora mais um “reacionário”, assim como Hélio Bicudo, Francisco Weffort e tantas outras figuras históricas do PT que tiveram a coragem de dizer as verdades que a cada dia ficam mais difíceis de esconder.

Posts relacionados:

4 Responses to A sinceridade de Gabeira

  1. kim says:

    Lamento q o Gabeira nao tenha ganhado pra Prefeito contra Eduardo Paes q se vendeu ao Governo do PT.

    • Amilton Aquino says:

      Kim, tem político que tem um perfil mais para parlamentar, outros para executivo. Acho que o Gabeira se enquadra no primeiro time. Não pense que ele poderia estar fazendo muito mais que o Eduardo Paes. Acho até prejudicial a carreira de um político como Gabeira ocupar um cargo executivo.

  2. André Luiz says:

    Prezado Amilton Aquino. Li as duas entrevisatas, do Gabeira e Weffort. Entrevistas muito boas. Vou ver se consigo um tempo de assistir a entrevista com o Bicudo.
    Confesso que não leio a Época.
    Me surgiu a questão, a Época estaria mais próxima da Veja, que não perde a oportunidade de alfinetar o PT; ou mais próxima da Isto é, que é uma revista que se alinha mais ao governo federal?

    • Amilton Aquino says:

      Olá André! Com exceção da Veja, a verdade é que os principais veículos de comunicação do Brasil atualmente estão pisando em ovos para não brigar com o governo do PT. Vejamos o caso da Folha, que publicou os documentos “vazados” do CADE, com o propósito claro de desgastar o PSDB. Ou a Globo que recentemente divulgou a reportagem bombástica sobre a espionagem norte-americana, assunto que tem ajudando a recuperar a popularidade de Dilma e desgastar ainda mais a imagem dos “direitistas aliados aos EUA”. Por que será que isso acontece? Bom, uma das explicações pode ser uma reunião que Lula teve com dirigentes da Globo logo após as manifestações. O que eles teriam conversado? Ninguém quis se pronunciar.
      A outra explicação é a preocupação dos veículos com sua reputação. Ao serem apontadas como de direita, alguns veículos tentam contrabalançar tal fama com tais reportagens. Nestes casos, há sim uma interferência de cima para baixo. No entanto, quem já passou pela rotina de uma redação sabe que isso não é uma coisa corriqueira. Se fosse, muitos destes jornalistas esquerdista que tentam a todo custo desqualificar a imprensa teriam milhões de histórias para contar. Eu já passei por uma redação de um grande jornal. Já fiz uma reportagem de capa para o JC de Pernambuco que confrontavam interesses imobiliários do dono do jornal, Paes Mendonça. Se não publicássemos, o concorrente publicaria de qualquer forma.
      Felizmente hoje as coisas estão mudando, mas quando eu era estudante, as redações eram infestadas de esquerdistas. Meu maior ídolo na época, Ricardo Kotcho, era da Folha. Aliás, todos os jornalistas esquerdistas que hoje jogam pedras nestes veículos já passaram por quase todos eles. O fato é que jogar pedra na imprensa virou esporte nacional.
      Enfim, a Época é mais uma revista que tenta manter um ar de imparcialidade, para contrabalançar o estigma que carrega da Globo. Perceba que raramente traz capas de política. É a Globo se policiando para não atiçar ainda mais a ira da patrulha ideológica de esquerda.