Políticos e fraldas devem ser trocados de tempos em tempos. Pelo mesmo motivo (Eça de Queiroz)

By

O Nazismo foi mesmo de direita?

hitlerDurante toda minha vida acadêmica fui doutrinado a acreditar que o nazismo representou o regime mais extremado de direita, o oposto do esquerdismo. No entanto sempre me chamaram a atenção alguns pontos comuns entre o nazismo e o socialismo, os quais já expus aqui no nosso blog nos debates com nossos leitores, a começar pela palavra “socialista” incluída no nome do partido nazista. Como um partido de “extrema direita” poderia ter em seu nome uma palavra tão simbólica? Socialismo teria outros significados que eu não conhecia?

Preferi acreditar que este seria apenas mais um acidente semântico, sem maior importância, afinal foram os comunistas que colocaram uma pá de cal no nazismo ao invadir Berlim. E, na visão dualista com que fomos educados por nossos professores esquerdistas, opor-se à União Soviética, Cuba ou qualquer outro país socialista era o mesmo que se colocar no campo oposto. Ou seja, na direita.

Só mais recentemente quando li “O Caminho da Servidão”, de Hayek, é que finalmente encontrei a base teórica que confirmou minhas intuições e de tantas outras pessoas que engoliram mais este terrível engodo dos nossos historiadores esquerdistas. Não! O nazismo não foi de direita. Foi apenas uma vertente nacionalista do socialismo. Ou seja, mais uma terrível experiência totalitária de esquerda. Esta é a tese que vamos defender nesta série de posts. Leia mais

By

A verdadeira reforma política II

reforma_politicaQuem acompanhou nosso blog na época das eleições, sabe do meu pessimismo com relação ao atual mandato presidencial, independente de quem tivesse sido eleito. Mesmo no auge da euforia lulista, com PIB em ritmo chinês, Pré-sal e tudo o mais, já alertávamos sobre os problemas que estão pipocando agora (ver aqui). Os candidatos não discutiram os reais problemas do país, pois ficaram reféns do otimismo criado pelo marketing oficial. Como criticar o que parecia estar dando tão certo?

O grande problema da política

Pois é, na conjuntura atual da nossa política onde a conquista do poder é objetivo principal, não dá para esperar sinceridade dos políticos. Os discursos são conduzidos pelos marqueteiros, os quais falam apenas o que o povão quer ouvir. E então sobram promessas e evitam-se qualquer alusão a problemas complexos. A prova disso é que até o candidato da oposição, Serra, tentou vender o discurso do continuísmo, nem que para isso fosse necessário atrelar também sua imagem a Lula, transformando as eleições numa mera disputa de promessas. Se Serra tivesse feito o que realmente deveria, hoje poderia estar reprisando imagens da campanha alertando para o que está acontecendo agora e, portanto, ganhando mais credibilidade para a as próximas eleições. Perderia em 2010, mas chegaria em 2014 com muito mais chances. Na pior das hipóteses estariam ajudando a mudar a mentalidade da população, tornando-a mais vigilante e mais vacinada em relação ao populismo e, por outro lado, mais compreensiva quando a crise tornar-se mais evidente, exigindo medidas impopulares. Leia mais

By

As maquiagens da dívida pública brasileira

divida_publicaEm 2010 publiquei uma série de dez posts sobre a dívida pública brasileira. Uma das coisas que mais me chamaram a atenção na época foi a NÃO contabilidade de bilhões em títulos públicos em poder do Banco Central (ver o post aqui). Custei a acreditar, pois até então não tinha lido nada sobre o assunto na imprensa. Como uma quantia tão grande poderia passar assim despercebida?

O tempo provou que minhas suspeitas faziam sentido, infelizmente, pois isso significa que nossa dívida é bem maior do que o governo diz que é. Na última semana de julho o governo Brasileiro, através do seu ministro “levantador de PIBs”, Guido Mantega, enviou uma carta ao FMI solicitando a instituição que mude sua metodologia de contabilidade para desconsiderar tais títulos como dívida (ver o link aqui).  Ou seja, o FMI corrobora com o meu pensamento. Segundo os cálculos do FMI, que inclui os títulos em poder do BC que o governo não contabiliza com dívida, a dívida bruta do governo brasileiro hoje equivale a 68% do Produto Interno Bruto (PIB) e não os 58,7%  como quer Guido Mantega. Leia mais

By

Sobre políticos, empresários, imprensa e o metrô de São Paulo

metro_sao_pauloNunca escrevi um post específico sobre um caso de corrupção. A razão é simples: acho uma completa perda de tempo. As pessoas normalmente se alinham a um ou outro partido, discutem infinitamente, xingam-se, odeiam-se e, no final, a conclusão não confessa de cada um é sempre a mesma: não existem inocentes na política. Por isso o lema do nosso blog é sempre o mesmo desde que foi criado: “Políticos e fraldas devem ser trocados de tempos em tempos. Pelo mesmo motivo”.

Mas dessa vez resolvi abrir uma exceção. Primeiro, porque o assunto do momento, as denúncias da Siemens sobre irregularidades nas licitações do metrô de São Paulo, servem para exemplificar alguns dos meus pontos de vistas já explicitados aqui em vários posts. Segundo, porque fui provocado por dois internautas que me mandaram e-mails com ares triunfais, como se tivessem encontrado, no caso das denúncias, a prova cabal de que o PT esteve sempre certo, os tucanos são todos corruptos e por aí vai.

Apesar da exceção, não vou focar no caso do metrô de São Paulo. Como sempre faço, o assunto é apenas o pano de fundo para um artigo mais abrangente, onde procuro refletir e provocar reflexões sobre as raízes dos problemas tratados.

Antes de mais nada, vou repetir o que sempre digo: não boto a mão no fogo por ninguém.  Infelizmente, como muito bem descreveu Hayek, a politica tende a selecionar os piores. Daí porque em todo o mundo os políticos têm quase sempre péssima reputação. Mas, por que isso acontece?

Vamos então começar analisando este primeiro e mais importante dos jogos de poder: os políticos. Hayek em sua obra “O caminho da servidão” enumerou três causas principais para esta tendência:

Leia mais